Engenheira civil cria projeto que traduz músicas em Libras para surdos

“A semana inteira, fiquei esperando. Pra te ver sorrindo. Pra te ver cantando. Quando a gente ama, não pensa em dinheiro. Só se quer amar, se quer amar, se quer amar!”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tenho certeza que você leu cantando esse trecho da música “Não Quero Dinheiro”, do Tim Maia. Sabe por que vocês fez isso? Porque, em algum momento, você escutou a música, apreciou a sua melodia e pronto, ela grudou na sua cabeça feito chiclete! Mas esse efeito da música em seu corpo só foi possível porque você estimulou um dos sentidos do seu corpo, a audição.

Ouvir música é um hábito de audição tão comum no dia a dia, que dificilmente paramos para questionar sobre como uma pessoa, que não tem a capacidade de escutar, vive sem o prazer de ouvir uma música. Esse conjunto de som e letras relaxa, alegra, emociona, faz a gente recordar de alguém. É tão bom.

E foi pensando em diminuir essa distância entre as pessoas com deficiência auditiva e o universo musical, que a engenheira civil, Samantha Quinello, 34 anos, criou o canal Pra Surdo Ouvir. Sabe os grandes hits do momento? Ela canta todos fazendo som com as mãos. Samantha explicou ao Razões que o projeto é possível, pois os surdos sentem a vibração da música, apesar de eles não ouvirem.

“Um dia, passeando pela internet, assisti um vídeo fofo de algumas crianças fazendo língua de sinais de uma música. Copiei e postei no meu Instagram. Depois, senti a necessidade de fazer isso”, contou ao Razões.

 

Ver essa foto no Instagram

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Combo de pedido do seguidor! 💛 . . Música: Zero Artista: @linikereoscaramelows @linikeroficial . . Gostou? Música inteira lá no nosso YouTube, corre pra dar seu like 🤟🏻 . . #PraSurdoOuvir #libras #surdo #mudo #surdomudo #amor #musica #lov #love #music #listen #deaf #mute #handbag #LSB #LGB #LSCB #SignLanguage #like #quote #follow #shared #projetoscomamor #asl

Uma publicação compartilhada por Pra Surdo Ouvir (@prasurdoouvir) em

Ela relatou que faz Libras há menos de um ano, e o canal também existe neste tempo. Nele, ela publica as músicas que os seguidores pedem.

Eu quis aprender libras, pois queria tratar as pessoas com esta deficiência, com mais justiça, não fazendo mímicas, sabe? Eles foram e ainda são negligenciados demais. Foi mesmo questão de empatia”, disse.

A engenheira civil contou também que tem recebido retorno de todos os tipos, mas o que mais recebe, são agradecimentos.

Eu tenho um grande retorno desse público, são eles que me ajudam a melhorar a cada dia. Me dá muita alegria, hoje em dia, conseguir conversar com eles da maneira justa e correta. O desejo por trás disso é só que o amor alcance a todos sempre!”.

Demais essa iniciativa, não é mesmo? Você pode também conferir esse lindo trabalho no Instagram, @prasurdoouvir

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

advogada ajuda mulheres vitimas assedio sexual trabalho

crédito das fotos: Arquivo pessoal

 

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

987,692FãsCurtir
1,763,401SeguidoresSeguir
8,636SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem cria escola de lona para alunos carentes em Tocantins e internautas criam vaquinha

Com alguns tecidos, plásticos e madeiras que encontra no lixão, jovem construiu a sua escolinha de reforço. Mas quando chove, ele perde tudo.

Pitbull resgatado de “rinha” não para de sorrir no novo lar

Publicamos no final do ano passado o resgate de 33 pitbulls de uma “rinha” em Itu (SP). O estado dos cães era muito triste. Hoje,...

Menino vende desenhos no portão de casa para ajudar a família e comprar telas

Kayque coloca seus desenhos à venda no portão de casa por R$1,50 para conseguir dinheiro para as telas e para ajudar a família.

Cadeirante que faz entregas em SP sonha ter cadeira motorizada e internautas criam vaquinha

Conheçam o Luciano Oliveira, 44 anos, cadeirante que ficou conhecido por trabalhar como entregador de comida por aplicativo.

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Instagram