Engenheiro que virou ‘lixeiro’ cria negócio que revoluciona o mercado da reciclagem

Em um país onde apenas 4% do lixo é reciclado, o engenheiro de materiais Henrique Guilherme Brammer Jr aceitou o desafio de desenvolver um negócio de impacto social que lida com os resíduos de difícil reciclagem, como os plásticos com dupla ou tripla composição.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Henrique, que se considera um ‘lixeiro’, fundou a Boomera, uma empresa que promove a economia circular agregando valor a materiais recicláveis que iriam para aterros sanitários e lixões.

Até então completamente descartadas, as capsulas de café e as fraldas usadas passaram a fazer parte da cadeia produtiva, beneficiando diferentes atores do processo. A Boomera hoje conta com 150 funcionários e prevê movimentar R$ 100 milhões neste ano.

engenheiro lixeiro boomera mercado reciclagem

Visibilidade

E o reconhecimento pelo salto inovador de Henrique já chegou: ele venceu o Prêmio Empreendedor Social 2019, maior concurso de empreendedorismo socioambiental da América Latina e um dos mais relevantes do mundo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Ex-detento cria usina de reciclagem e vira palestrante de empreendedorismo

Em meio a todo esse trabalho, o engenheiro-lixeiro também tem financiado pesquisas em institutos e universidades, além de trazer inclusão social para cerca de 8 mil catadores em 13 estados brasileiros, cuja renda saltou de R$ 400 para R$ 1.500 mensais; parceria com 200 cooperativas; e a reciclagem de 60 mil toneladas de plástico anuais.

Reciclagem & Economia Circular

O impacto da economia circular está em todo lugar: o lixo recolhido na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, tornam-se cones para aulas de educação física; fraldas sujas são convertidas em lixeiras e cabides; embalagens de suco em pó se tornam instrumentos musicais.

engenheiro lixeiro boomera mercado reciclagem

Expansão

A Boomera é responsável pela gestão de mais de 100 pontos de coleta seletiva do programa Estação de Reciclagem Pão de Açúcar Unilever, além de possuir uma fábrica em Cambé, no Paraná, que conta com um faturamento de cerca de R$ 40 milhões. Em breve uma nova fábrica, na capital paulista, será aberta para transformar cápsulas de café descartadas em suportes plásticos e porta-cápsulas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mais do que isso: o negócio promete se expandir para outros países, como Argentina, Chile e Colômbia por meio do CircurlarPark – metodologia que envolve cientistas e catadores que permite a reciclagem de resíduos difíceis, que retornam para a indústria.

engenheiro lixeiro boomera mercado reciclagem

“No futuro, temos como objetivo alcançar parceiros globais e expandir nossos projetos para outros países. Todos têm problemas com o lixo e o planeta ainda adota o modelo linear como premissa. Isso precisa mudar e é possível”, afirma, acrescentando que 1 milhão de pessoas, na cidade de São Paulo, vivem da reciclagem.

Leia também: Embalagem 100% biodegradável feita de arroz, café e coco vem para brigar com o plástico

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: Ciclo Vivo/Fotos: Renato Stockler

Quer ver a sua pauta aqui? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,067,715SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora usa funk e rap para aproximar conteúdo da realidade dos estudantes

Já foi falado inúmeras vezes que a melhor forma de ensinar os alunos é partindo da sua realidade. Mas, por uma série de fatores,...

Mergulhadores retiram mais de 1 tonelada de lixo do oceano e quebram recorde mundial

Um grupo de mergulhadores se reuniu no píer de pesca internacional de Deerfield Beach, na Flórida, EUA, num mutirão de coleta de lixo jogado no...

Pizzaria ensina garoto que estava chorando a fazer pizza para acalmá-lo

Heitor estava fazendo birra. A dona da pizzaria o chamou para aprender a fazer pizza. O pizzaiolo ensinou o processo e o garoto ainda ganhou a pizza.

Alunos do CE transformam capacete de construção civil em sensor de movimento para deficientes visuais

Alunos da Escola Júlia Alenquer Fontenele, de Pindoretama (CE), transformaram um capacete de construção civil em sensor de movimentos para pessoas com deficiência visual. O...

Jovem de 17 anos cria nanopartículas que matam células cancerígenas

Quando você tinha 17 anos, o que costumava fazer? Ia para a escola, saía com os amigos? Pois, com essa idade, a estudante norte-americana...

Instagram

Engenheiro que virou 'lixeiro' cria negócio que revoluciona o mercado da reciclagem 2