Erick saiu de casa de saia pra entender como se sentem a minoria

Erick saiu de casa de saia pra entender como se sentem a minoria 3

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Texto do facebook do Erick:

Fui para a faculdade ontem (dia 07/08) de kilt por dois motivos. Primeiramente, para chamar atenção, acho que isso todo mundo já sabe, né. E segundamente, e obviamente mais importantemente (não estou mentindo): Eu quis sofrer preconceito.

Depois de ler uma matéria sobre transgêneros (não confundir com transgênicos) e sobre o Laerte, cartunista brasileiro famoso que resolveu se vestir como mulher aos 65 anos de idade, fiquei muito chocado, mas muito curioso. Procurei mais sobre e encontrei uma entrevista com ele no programa Roda Viva, na TV Cultura. Naquela entrevista, uma repórter fez uma pergunta muito interessante e perturbadora, que foi mais ou menos assim: “Laerte, você fazia parte de um grupo que praticamente é imune, né. Branco, magro, classe média, heterossexual, bem sucedido, pai de família. Como é perder completamente essa barreira?”. Eu fiquei muito surpreso em ver que, tirando a parte do “pai” e do “bem sucedido”, a descrição batia com a minha própria! Eu nunca havia parado para pensar o quão fácil e livre de preconceitos a minha vida havia sido até então, sem eu nunca ter feito NADA para “merecer” isso.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Desde então tenho lido muito sobre preconceito, homofobia, transgêneros, exclusão, minorias, cotas. Resolvi aproveitar o presente que minha namorada trouxe para saber como uma pessoa NADA comum se sente em espaços públicos. Estava usando um adereço simples, comum em outros países, símbolo até de status social em alguns lugares, mas extremamente estigmatizado no Brasil. Um kilt é uma saia, e não interessa de onde vem: Se você é homem, você não pode usar saia, senão você é viado. E viados são sujos. Foi mais ou menos isso que eu quase pude escutar dos olhares, cutucadas, risadas e comentários das pessoas nas ruas, no ônibus, no metrô, em casa.

Convido a todos que se acham inteligentes, maduros e sem preconceitos a andar de mãos dadas, ou até abraçado com alguém do mesmo sexo. Ou com uma roupa muito incomum. Ou até mesmo aparentando qualquer defeito físico. Quando você se vê rodeado de pessoas te olhando e fazendo questão de mostrar que estão insatisfeitas com sua aparência, você percebe como é mais fácil ser branco, magro, classe média, heterossexual, bem sucedido, pai de família.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,263,267SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Após vaquinha, jovem maquiadora com paralisia realiza sonho de ter a sua cadeira motorizada!

A Bia conseguiu gente! Ela tem uma garra incrível, pois mesmo com muitas dificuldades motora, a essa jovem aprendeu a se maquiar sozinha e...

Primeiro transplante de rosto e mãos é realizado com sucesso nos Estados Unidos

Médicos do NYU Langone Health, liderados pelo cirurgião plástico Eduardo D. Rodriguez, comemoraram uma conquista super importante para a Medicina mundial: o primeiro transplante...

ONG que acolhe crianças com câncer consegue comprar van para atender as famílias após vaquinha do Razões

Olha que notícia maravilhosa gente! O pessoal do Instituto Pequenos Anjos conseguiu comprar a van que eles tanto precisavam! Na época que lançamos a vaquinha...

Mãe coleta papelão para ajudar nos custos do curso de medicina do filho

Há 5 anos, Evanildes Maria da Silveira, de 48 anos, coleta papelão pelas ruas e empresas do Município de Conceição do Coité, a 200 quilômetros de...

Menino usa wifi de açougue para estudar e internautas criam vaquinha para ajudá-lo

O garoto usa o Wi-Fi de um açougue para estudar enquanto as aulas na escola estão suspensas por causa da pandemia.

Instagram

Erick saiu de casa de saia pra entender como se sentem a minoria 5