No DF, escola propõe experiência pedagógica sem provas e com projetos ligados à comunidade

Já não é de hoje que estamos discutindo o modelo de educação atual, focado no método tradicional em que o conteúdo é passado de maneira impositiva pelos professores, com disciplinas fragmentadas, matérias que pouco interessam os alunos, já que não são facilmente aplicadas na vida real e as temidas provas. Algumas pessoas tentam mudar essa realidade, propondo novos modelos educacionais, mais democráticos e orgânicos, como é o caso da ‘Comunidade de Aprendizagem Paranoá’ (CAP), localizada na cidade de Paranoá, há 25 km de Brasília.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A CAP pretende fazer uma experiência pedagógica inovadora, onde os conteúdos estudados serão apresentados para os alunos de forma mais natural e orgânica, sem provas e com diversos projetos individuais e coletivos. A ideia surgiu de 6 professoras da cidade de Paranoá, que chegaram a conclusão de que o modelo atual já não funciona mais, pois os alunos não têm interesse, o que acaba gerando uma grande evasão escolar, perda de crianças e adolescentes para o sub-emprego, tráfico ou a gravidez precoce.

O que muda com o projeto é a metodologia, já que os temas da comunidade são transformados em projetos, acompanhados pelos professores-monitores e o coletivo de alunos e professores cria então um roteiro de atividades, oficinas, discussões coletivas e saídas de campo. Em vez de um prédio escolar tradicional, com turmas e salas de aulas separadas, o local de aprendizagem será um grande espaço contínuo comum e para isso, a Secretaria de Educação do Governo do Distrito Federal forneceu um galpão.

A inspiração para a Comunidade de Aprendizagem do Paranoá veio da Escola da Ponte, liderada pelo educador português José Pacheco, que é uma experiência pedagógica radical em Portugal e atualmente professores da Universidade de Brasília estão dando apoio pedagógico e logístico para o projeto. Realmente, o mundo muda e as pessoas mudam, então, nada mais natural que a educação acompanhe essas mudanças e ofereça um modelo de aprendizado mais criativo, atraente e colaborativo.

Com informações de Pragmatismo Político

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto: Luiz G. Motta

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,269,708SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Estudante mapeia prédios vazios e quer transformar em lar para pessoas que moram na rua

Todo mundo deveria ter o direito de possuir um lar para morar, não é mesmo? Mas, infelizmente a realidade não é essa, já que...

Cão herói prende 115 caçadores ilegais de rinocerontes na África do Sul

O número de rinocerontes mortos na África saltou de 13, em 2007, para 1,2 mil em 2014. A maioria das caças de organizações criminosas,...

Burro sorri de orelha a orelha após ser resgatado de enchente na Irlanda

Correndo grande perigo, lutando para sobreviver, o burro foi resgatado por uma associação de apoio aos animais.

Startup usa digitalização e impressão 3D para produzir pernas protéticas 10 vezes mais baratas

Com a tecnologia que temos disponível hoje, muitas pessoas amputadas conseguem ter seus movimentos de volta graças às próteses. A questão é que o...

Instagram

No DF, escola propõe experiência pedagógica sem provas e com projetos ligados à comunidade 3