Crianças de escola pública criam nome de nova espécie catalogada

Muita gente ainda insiste em dizer que os jovens e adolescentes não possuem tanto interesse em estudar e aprender, mas esta notícia vai te provar que as coisas não são bem assim. Em Florianópolis, Santa Catarina, um professor universitário se orgulha de dizer que alunos do terceiro ano fundamental de uma escola pública, a (EBM Adotiva Liberato Valentim) , foram responsáveis por dar o nome a uma nova espécie de animal catalogada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Luiz Carlos Pinho é professor na UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina e foi contactado pela escola para responder algumas dúvidas que estes alunos tinham. Impressionado com o grande interesse por parte dos alunos, que faziam perguntas como “Qual a rotina de um cientista na floresta?”, “As novas espécies evoluem de outras?”, “Como uma nova espécie é identificada pelos cientistas?”, ele teve a ideia de envolvê-los em uma das etapas do processo taxonômico, que é a definição dos organismos biológicos com base em suas características.

Leia também: Brasileira tem tese de doutorado considerada a mais importante do mundo para a Biologia

A redação do Razões para Acreditar conversou com Luiz e ele nos disse que os dois principais pilares da universidade em que trabalha são o ensino e a pesquisa e que um dos objetivos dos cientistas é melhorar a interação com a comunidade: “A universidade tem a extensão como um de seus pilares, ao lado do ensino e pesquisa. É praticamente consenso entre nós cientistas que devemos melhorar a interação com a comunidade, seja por meio da divulgação científica de qualidade ou por meio de atividades conjuntas com a a população em geral. O tema Citizen Science (Ciência Cidadã) vem crescendo cada vez mais. Mas é muito pouco do discurso que se põe em prática, por razões diversas”.
Se Luiz teve um importante papel de incentivar os jovens a amarem a ciência, ele é modesto quanto a isso: “A atividade que aconteceu foi mais por iniciativa da escola, com seus alunos e professores, do que da universidade. Os alunos decidiram que queriam saber mais sobre a taxonomia animal, os professores foram atrás e me encontraram. O que coube a mim foi dar espaço para eles participarem de algo que estava fazendo sozinho. Fiquei motivado porque vi neles a curiosidade que se encontra nos taxonomistas profissionais, não podia deixar isso passar”.

Mas não pense que criar o nome de uma espécie é algo fácil, já que envolve vários processos cheio de regras. No final, o nome escolhido para a nova espécie que eles estavam estudando foi Aedokritus, que inclusive faz referência ao nome da escola. A iniciativa de Luiz Carlos fez tanto sucesso que eles até saíram em uma revista científica da área de biológicas, a Zootaxa.

Luiz Carlos incentiva a outros professores fazerem a mesma coisa, aproximando assim o universo científico dos jovens que serão ou poderão ser nossos futuros cientistas!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja aqui embaixo a publicação de Luiz Carlos:

Foto: Luiz Carlos Pinho – Arquivo pessoal

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

Relacionados

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

995,772FãsCurtir
1,921,710SeguidoresSeguir
9,388SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Magazine Luiza doa 1.000 colchões e travesseiros para moradores de rua em Belém (PA)

Desde o último sábado (21), o Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, passou a receber centenas de pessoas em situação de rua da Região Metropolitana...

Após ver família comendo restos do lixo, homem abre restaurante para servir pessoas carentes

O dono de um restaurante em Vila Velha (ES) abriu seu estabelecimento para atender gratuitamente pessoas em situação de rua durante a pandemia de...

Angelina Jolie doa R$ 5 milhões para manter merenda de alunos durante quarentena

A atriz Angelina Jolie, 44 anos, doou US$ 1 milhão (R$ 5,2 milhões) para manter a distribuição de merendas escolares para crianças de baixa...

Idosa de 87 anos confecciona máscaras de proteção para distribuir gratuitamente no MA

Sem conseguir encontrar máscaras de proteção, a professora, bióloga e engenheira civil Renatha Costa uniu forças com sua avó, dona Bernarda, 87 anos, para...

Idoso de 80 anos constrói trenzinho para cães que resgatou das ruas

Um idoso de 80 anos passa seu tempo livre operando o que provavelmente pode ser o trem mais divertido do mundo! O senhor Eugene Bostick...

Instagram