Crianças de escola pública criam nome de nova espécie catalogada

Muita gente ainda insiste em dizer que os jovens e adolescentes não possuem tanto interesse em estudar e aprender, mas esta notícia vai te provar que as coisas não são bem assim. Em Florianópolis, Santa Catarina, um professor universitário se orgulha de dizer que alunos do terceiro ano fundamental de uma escola pública, a (EBM Adotiva Liberato Valentim) , foram responsáveis por dar o nome a uma nova espécie de animal catalogada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Luiz Carlos Pinho é professor na UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina e foi contactado pela escola para responder algumas dúvidas que estes alunos tinham. Impressionado com o grande interesse por parte dos alunos, que faziam perguntas como “Qual a rotina de um cientista na floresta?”, “As novas espécies evoluem de outras?”, “Como uma nova espécie é identificada pelos cientistas?”, ele teve a ideia de envolvê-los em uma das etapas do processo taxonômico, que é a definição dos organismos biológicos com base em suas características.

Leia também: Brasileira tem tese de doutorado considerada a mais importante do mundo para a Biologia

A redação do Razões para Acreditar conversou com Luiz e ele nos disse que os dois principais pilares da universidade em que trabalha são o ensino e a pesquisa e que um dos objetivos dos cientistas é melhorar a interação com a comunidade: “A universidade tem a extensão como um de seus pilares, ao lado do ensino e pesquisa. É praticamente consenso entre nós cientistas que devemos melhorar a interação com a comunidade, seja por meio da divulgação científica de qualidade ou por meio de atividades conjuntas com a a população em geral. O tema Citizen Science (Ciência Cidadã) vem crescendo cada vez mais. Mas é muito pouco do discurso que se põe em prática, por razões diversas”.
Se Luiz teve um importante papel de incentivar os jovens a amarem a ciência, ele é modesto quanto a isso: “A atividade que aconteceu foi mais por iniciativa da escola, com seus alunos e professores, do que da universidade. Os alunos decidiram que queriam saber mais sobre a taxonomia animal, os professores foram atrás e me encontraram. O que coube a mim foi dar espaço para eles participarem de algo que estava fazendo sozinho. Fiquei motivado porque vi neles a curiosidade que se encontra nos taxonomistas profissionais, não podia deixar isso passar”.

Mas não pense que criar o nome de uma espécie é algo fácil, já que envolve vários processos cheio de regras. No final, o nome escolhido para a nova espécie que eles estavam estudando foi Aedokritus, que inclusive faz referência ao nome da escola. A iniciativa de Luiz Carlos fez tanto sucesso que eles até saíram em uma revista científica da área de biológicas, a Zootaxa.

Luiz Carlos incentiva a outros professores fazerem a mesma coisa, aproximando assim o universo científico dos jovens que serão ou poderão ser nossos futuros cientistas!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Veja aqui embaixo a publicação de Luiz Carlos:

Foto: Luiz Carlos Pinho – Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,251,277SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Rio dá exemplo e discute gestão democrática e prevenção de conflitos nas escolas

“Gestão Democrática e Prevenção de Conflitos” são os temas do “III Encontro Estadual: Ministério Público pela Paz nas Escolas”, que acontece no próximo dia...

Empatia de corintiano é elogiada por torcedores de times rivais

Ainda comprou uma camiseta do Corinthians para o menino e uma pizza para sua família.

Estudante do Rio cria mochila que filtra água suja e a torna própria para consumo

Rodrigo Belli, de 23 anos, é um estudante do curso de design de produto da PUC-Rio que desenvolveu um projeto muito bacana e que...

Deserto árido e sem vida fica coberto por “tapete de flores” no início de toda primavera

Há um lugar inóspito e pouco conhecido no meio-oeste dos Estados Unidos chamado "Badlands". As Badlands (em português, "terras más" ou "terras baldias") são um...

Imagens hipnotizantes mostram a leveza de bailarinos em cenários de Nova Iorque

Nascido em Porto Rico, mas vivendo atualmente em Nova Iorque, o fotógrafo Omar Z. Robles juntou cenários do dia a dia da cidade com...

Instagram