Escolas no Rio incluem estudos de violência contra as mulheres na grade curricular

Depois de colocar danças africanas dentro do ensino de uma escola (relembre aqui), a Rede estadual do Rio de Janeiro vira notícia novamente ao incluir estudos de violência contra as mulheres na grade curricular. Levando informações sobre a Lei Maria da Penha e noções básicas de agressões enfrentadas pelo público feminino, as videoaulas visam colaborar com a formação de docentes e estudantes, ampliando seu senso de humanidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Somente no Estado fluminense, o percentual de mulheres vítimas de algum delito registrado em delegacia de polícia civil foi 48,0%, somente em 2015, segundo o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica contra a Mulher. Elas representam 52,0% da população total. Tenso, não? Ou seja, é realmente necessário educar a população sobre tais danos para, quem sabe, começar a sanar o problema.

A iniciativa é uma exigência da Lei Estadual nº 7.477, de outubro de 2016, que torna o ensino do tema obrigatório nas escolas. Por meio de um convênio entre o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Educação, as videoaulas gravadas pela promotora de Justiça Lúcia Iloizio, do MPRJ, começaram a ser exibidas no Dia Internacional da Mulher, 8 de março, dentro das disciplinas de Português, História, Filosofia e Sociologia.

violência contra as mulheres

Cada vídeo tem duração de aproximadamente cinco minutos e transmite informações sobre a Lei Maria da Penha. “Evitamos falar termos jurídicos usuais, de forma a tornar o tema mais compreensível para esse público jovem, que não tem formação jurídica. Falamos sobre o que é a Lei Maria da Penha e sobre a violência contra mulheres, mostrando, com exemplos, como proceder, aonde ir, como buscar ajuda, detalhou Lúcia a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Segundo o procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, a ideia de conscientização poderá ser adotada por outros estados.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os números são alarmantes e assustadores. O Balanço da Central de Atendimento à Mulher (SPM-PR) de 2014 aponta que em mais de 80% dos casos de violência reportados, a agressão foi cometida por homens com quem as vítimas têm ou tiveram algum vínculo afetivo: atuais ou ex-companheiros, cônjuges, namorados.

Entenda o que é violência doméstica e familiar neste link. Para todos os casos, ligue 180 para denúncias de violência contra a mulher. 

gráficos de estudos de violência contra a mulher

gráfico de estudos de violência contra a mulher

Fotos: Reprodução/Banco de imagens, MPRJ e Instituto Patrícia Galvão

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM







Escolas no Rio incluem estudos de violência contra as mulheres na grade curricular 2

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,081,440SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Multilaser doa tablet para bebê que tem AME e vive acamada em hospital se desenvolver brincando

Quanto amor cabe no coração? No coração da dona Iranete, tem amor de sobra e que sorte a Pérola receber todo esse amor 24...

Jovem que foi humilhada por vender batatinha para pagar estudos conquista diploma de Pedagogia

Muitas pessoas precisam precisam fazer o possível - e o impossível - para arcar com as despesas de estudar em uma universidade particular. Ainda...

Site alemão funciona como um Airbnb para refugiados

As imagens e histórias dos refugiados de guerra estão por toda a internet, com suas tragédias pessoas. No meio de tanta dor e trsiteza, um...

Refugiado sírio retribui gentileza de Berlim alimentando moradores de rua

Sempre contamos histórias sobre refugiados no mundo todo, pois são pessoas que apenas querem paz, viver com dignidade e nos dão diariamente importantes lições de superação, generosidade...

Instagram

Escolas no Rio incluem estudos de violência contra as mulheres na grade curricular 3