Escravo que restaurou igrejas de SP é reconhecido arquiteto após 200 anos 

Clique e ouça:

Há cerca de 200 anos, um escravo conquistou grande relevância em São Paulo por dominar a arte da cantaria, a técnica de talhar pedras em formas geométricas perfeitas para a construção de edifícios – especialmente religiosos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Conhecido como Tebas, o arquiteto ornamentou a fachada de diversas construções, como a antiga igreja do Mosteiro de São Bento, além de erguer o primeiro chafariz público da capital paulista, o Chafariz da Misericórdia, instalado na atual Rua Direita, conhecida por ser, na época, um ponto de encontro de escravos.

O nome verdadeiro de Tebas era Joaquim Pinto de Oliveira, nome que ficou impresso no chafariz após sua morte, em 1811. Setenta anos depois, a peça foi retirada após o processo de canalização de água na cidade.

escravo que restaurou igrejas sp reconhecido arquiteto
Igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco

Joaquim participou das obras da igreja da Ordem Terceira do Carmo e da igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco, ambas no centro da capital.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Infelizmente, ao longo dos séculos, o nome do profissional foi apagado da História. Felizmente, o jornalista Abilio Ferreira lançou o livro “Tebas: Um Negro Arquiteto na São Paulo Escravocrata (Abordagens)”, que busca trazer luz à vida e obra do escravo-arquiteto.

escravo que restaurou igrejas sp reconhecido arquiteto
Igreja da Sé, demolida em 1912. Foto: Reprodução / Pinterest

Foi apenas no ano passado que Joaquim foi reconhecido como um arquiteto de fato pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo (Sasp). “Ele fez a parte mais visível e valorizada de edificações católicas em uma época na qual o Brasil era muito religioso”, diz Ferreira. “E não o conhecíamos. Que outros personagens não foram ocultos nos escombros da história?”

Leia também: Etna retira a palavra ‘criado-mudo’ de seu catálogo para combater o racismo

Naquela época, ele era ‘propriedade’ de um mestre de obras, Bento Lima. De acordo com o inventário do dono, Joaquim/Tebas valia mais que outros três escravos somados. Em seu currículo constava a reforma mais emblemática da antiga Catedral da Sé, demolida em 1911.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Bento Lima faleceu anos antes do trabalho ser finalizado, e sua família, endividada, precisou vender o escravo para a Igreja Católica.

Após a restauração da Catedral da Sé, incentivado pelos párocos, Joaquim processou a viúva de Bento Lima e conseguiu sua alforria aos 58 anos. Viveu até os 90, livre enfim, trabalhando ativamente no ramo.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Veja SP/Fotos: Luciano Piva/Veja SP

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,075,532FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,534SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Confeiteira é humilhada por cobrar taxa de entrega de R$2 e recebe apoio de internautas

A confeiteira Ângela Oliveira foi humilhada por uma cliente que se recusou a pagar a taxa de entrega do seu bolo de pote. Na troca...

Sogro anda de mãos dadas com genro para ajudá-lo a superar medo de sair na rua com o namorado

Fran guarda algumas memórias ruins de um passado recente, quando ele sofreu preconceito por ser homossexual. O jovem foi agredido fisicamente, além de ter passado...

Policial compra bolo de aniversário para jovem que chorava por terem esquecido a data

O que você faria se todo mundo que você conhecesse esquecesse de seu aniversário? Esta situação, hipotética para muitos, aconteceu com um garoto tailandês....

Após 8 anos presos em gaiolas, leões de circo são resgatados e pisam na grama pela primeira vez

Não é de hoje que percebemos uma mudança radical nos cuidados aos animais de circo. O público tem cobrado mais responsabilidade com espaço, alimentação...

Depois da formatura, ela foi até o trabalho de seu pai, que é pedreiro, para agradecê-lo

Se tem uma coisa que a paraguaia Yudit Romero reconhece é o sacrifício que o pai fez para lhe dar a melhor educação possível. Don...

Instagram

Escravo que restaurou igrejas de SP é reconhecido arquiteto após 200 anos  13