Escravo que restaurou igrejas de SP é reconhecido arquiteto após 200 anos 

Há cerca de 200 anos, um escravo conquistou grande relevância em São Paulo por dominar a arte da cantaria, a técnica de talhar pedras em formas geométricas perfeitas para a construção de edifícios – especialmente religiosos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Conhecido como Tebas, o arquiteto ornamentou a fachada de diversas construções, como a antiga igreja do Mosteiro de São Bento, além de erguer o primeiro chafariz público da capital paulista, o Chafariz da Misericórdia, instalado na atual Rua Direita, conhecida por ser, na época, um ponto de encontro de escravos.

O nome verdadeiro de Tebas era Joaquim Pinto de Oliveira, nome que ficou impresso no chafariz após sua morte, em 1811. Setenta anos depois, a peça foi retirada após o processo de canalização de água na cidade.

escravo que restaurou igrejas sp reconhecido arquiteto
Igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco

Joaquim participou das obras da igreja da Ordem Terceira do Carmo e da igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco, ambas no centro da capital.

Infelizmente, ao longo dos séculos, o nome do profissional foi apagado da História. Felizmente, o jornalista Abilio Ferreira lançou o livro “Tebas: Um Negro Arquiteto na São Paulo Escravocrata (Abordagens)”, que busca trazer luz à vida e obra do escravo-arquiteto.

escravo que restaurou igrejas sp reconhecido arquiteto
Igreja da Sé, demolida em 1912. Foto: Reprodução / Pinterest

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi apenas no ano passado que Joaquim foi reconhecido como um arquiteto de fato pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado de São Paulo (Sasp). “Ele fez a parte mais visível e valorizada de edificações católicas em uma época na qual o Brasil era muito religioso”, diz Ferreira. “E não o conhecíamos. Que outros personagens não foram ocultos nos escombros da história?”

Leia também: Etna retira a palavra ‘criado-mudo’ de seu catálogo para combater o racismo

Naquela época, ele era ‘propriedade’ de um mestre de obras, Bento Lima. De acordo com o inventário do dono, Joaquim/Tebas valia mais que outros três escravos somados. Em seu currículo constava a reforma mais emblemática da antiga Catedral da Sé, demolida em 1911.

Bento Lima faleceu anos antes do trabalho ser finalizado, e sua família, endividada, precisou vender o escravo para a Igreja Católica.

Após a restauração da Catedral da Sé, incentivado pelos párocos, Joaquim processou a viúva de Bento Lima e conseguiu sua alforria aos 58 anos. Viveu até os 90, livre enfim, trabalhando ativamente no ramo.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Veja SP/Fotos: Luciano Piva/Veja SP

Relacionados

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

985,165FãsCurtir
1,732,947SeguidoresSeguir
8,547SeguidoresSeguir
11,100InscritosInscrever

+ Lidas

Bióloga que salvou Arara Azul da extinção vira personagem da Turma da Mônica

Na última terça-feira (11), foi celebrado o Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência. Para comemorar a data, a Mauricio de Sousa Produções...

Ortobom doa 500 colchões para vítimas de chuva em Raposos (MG)

A Região Metropolitana de Belo Horizonte foi a mais afetada pelas fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas. Um exemplo é...

Juiz vai até a casa de idosa para lhe conceder aposentadoria

Um  caso incomum aconteceu há alguns meses, onde um juiz foi até a casa de uma senhora de 100 anos para conceder aposentadoria a ela. O...

USP retira coágulo de artéria no cérebro e devolve movimentos a vítimas de AVC

Cientistas adjuntos da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto desenvolveram uma técnica eficaz na redução de quase a totalidade...

Neto faz “antes e depois” e homenageia avó em seu aniversário de 99 anos

A homenagem de um neto para sua avó no dia do seu aniversário de 99 anos comoveu as redes sociais nesta quinta-feira (13). Iury Neto,...

Instagram