“Me chamavam de doida”: Escritora com bipolaridade transforma anos de terapia em livro de poesias

Quando jovem, a escritora e música Maria Gorete de Moura, 61 anos, se apaixonou pela poesia. Na adolescência, se destacava em concursos de letras e literatura.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar de saber “desde pequena” que era diferente, Maria levou mais de quatro décadas para receber o diagnóstico de transtorno bipolar.

Também chamado de “transtorno afetivo bipolar”, trata-se de um distúrbio psiquiátrico complexo. Sua característica mais marcante é a alternância, às vezes súbita, de episódios de depressão com os de euforia (mania e hipomania) e de períodos assintomáticos entre eles.

O diagnóstico de Maria veio aos 44 anos. Nos dez anos seguintes, ela lutou contra uma depressão profunda até conseguir voltar a fazer o que ama: escrever.

As inúmeras sessões na clínica psiquiátrica em que se tratou renderam lições e um rico livro de poesias, “Jardim Secreto”, que será lançado nesta quinta-feira (28 de abril) na Biblioteca Municipal Anna Luiza Prado Bastos, em Campo Grande (MS).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O livro é a 13º obra literária na carreira de uma mulher que, infelizmente, teve fama de “doida”, mas hoje, levanta a voz para falar sobre o transtorno e desmentir velhos esteriótipos e preconceitos.

Escritora com bipolaridade maria gorete
A escritora Maria Gorete.

História

Maria Gorete nasceu no Rio Grande do Norte e se mudou para a capital sul-mato-grossense nos anos 1980, ao lados dos irmãos.

Em entrevista ao “Lado B”, ela contou que foi Campo Grande que a descobriu – e não o contrário. Ao chegar na cidade, cursou e se formou em Letras – e nunca mais retornou à terra natal.

Como membro da União Brasileira de Escritores de Mato Grosso do Sul (UBE/MS) desde 1987, a poeta tem o objetivo – e missão, – de escrever e publicar livros enquanto ainda puder.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em sua nova obra literária, “Jardim Secreto”, Maria expõe ao público uma parte de si e dos sentimentos vividos no período que esteve internada, especialmente nos anos mais duros da depressão.

“Eu fui internada cinco vezes e na última vez, falei: ‘Eu vou fazer isso diferente’. Para sair do hospital, eu tinha que mostrar que estava bem, comecei a escrever e foram saindo os poemas”, contou ela ao portal Lado B.

livro de maria gorete jardim secreto
O livro de poesias “Jardim Secreto”, de Maria Gorete.

Desde que recebeu alta da clínica, a escritora busca ter uma nova visão de mundo e um olhar mais compreensível à respeito de seu próprio transtorno.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A partir de 2015, ela começou a se firmar como referência para aqueles que têm o mesmo diagnóstico que o dela. “Eu falei para o meu psiquiatra que quero levantar essa bandeira de que o bipolar também é capaz e ser útil à sociedade”, explicou.

Faz anos que Maria segue estável, apesar de já ter vivido situações delicadas e traumáticas – a começar pelo preconceito de pessoas próximas à luta contra a depressão.

“Eu passei por vários vexames, já fui taxada de louca e sofri preconceito”, desabafa.  Ao recordar como recebeu o diagnóstico, Maria não esconde que ficou fragilizada. “As pessoas viam como diferentes no jeito de falar, vestir e me comportar, mas eu me via normal e era feliz. Em 2004, fui constatada como bipolar, não aceitei e fiquei dez anos em depressão severa”, desabafou.

Foram cerca de dez anos sem produzir novos livros até Maria se ver pronta para retornar à literatura e aos poemas, apesar do medo inicial de não ser capaz de produzir como antes. “Eu acreditava que nunca mais iria voltar, porque a depressão era tão grande, que eu só queria ficar em cima da minha cama”, relembra.

Hoje, além de escrever e compor, Maria Gorete gosta de pintar quadros (uma atividade super terapêutica!). Embora produzir arte lhe faça bem, ela a vê apenas como um passatempo, ainda distante do profissionalismo exigido pela Literatura.

Em suas obras mais recentes, a escritora busca “escancarar” as janelas da vida e da sua própria existência. Por isso mesmo, ela sente a urgência em seguir escrevendo e revela que tem planos de lançar ao menos um livro por ano.

“Eu nem sei quando a vida vai me levar, então, vai ser um livro atrás do outro. Eu tenho até o título do próximo”, adiantou.

No lançamento da obra “Jardim Secreto”, a autora disse que só deseja uma coisa para a ocasião. “Eu gostaria que os bipolares estivessem presentes e profissionais da saúde mental. Eu ficaria muito feliz”, concluiu.

Jardim Secreto será lançado no próximo dia 28 de abril, às 15h, na Biblioteca Municipal Anna Luiza Prado Bastos, localizada no Horto Florestal (Campo Grande – MS).

O livro também pode ser adquirido através do WhatsApp da editora, no fone: (67) 9. 9227-5169.

Fonte: CG News
Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










"Me chamavam de doida": Escritora com bipolaridade transforma anos de terapia em livro de poesias 3

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,147,115SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cientistas brasileiros identificam espécie de peixe-boi extinta há 40 mil anos

A fauna brasileira é muito rica e mais uma vez conseguimos provas disso! Pesquisadores brasileiros identificaram uma espécie de peixe-boi que está extinta há...

15 sorrisos contagiantes de crianças para melhorar (e muito!) o seu dia

Sorrir é o melhor remédio para superar momentos tristes. Sorrir pode mudar o nosso humor e das pessoas ao nosso redor. Agora imaginem o sorriso...

Pianista cria dueto à distância com vizinho idoso e é surpreendido por história emocionante

A conexão entre Giorgio e seu vizinho, Emil, se tornou tão forte, que nem as paredes conseguiram atrapalhar! Isso porque, antes de começarem a...

Campanha traz vídeo tocante sobre o que fazer ao descobrir que seu amigo é gay

Muitas marcas parecem ter entendido e aprendido de vez que campanha boa é aquela que se conecta com seu público, que busca tornar o...

Instagram

"Me chamavam de doida": Escritora com bipolaridade transforma anos de terapia em livro de poesias 4