Este povoado no Acre tem a economia baseada em troca – e dá muito certo

O Acre existe sim! O antropólogo Roberto Rezende foi matar a curiosidade e decidiu conhecer um pouco mais dos habitantes da reserva extrativista de Alto Juruá, próximo à fronteira com o Peru e a quase 600km de Rio Branco, a capital do Acre. O povoado tem economia baseada em troca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Morando na reserva por seis meses, o pesquisador conviveu com comunidades baseadas em subsistência na cooperação entre familiares. De acordo com Roberto, “são relações de troca e ajuda: no período da colheita, por exemplo, um solicita ajuda do outro, e assim se estabelece uma espécie de dívida”. Foi exatamente esta a sua tese de doutorado na Unicamp, com base no trabalho de campo.

Foto: Apiwtxa
Foto: Apiwtxa

Leia nosso papo completo do antropólogo e a Revista Galileu:

Como as relações de troca nas comunidades acontecem?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Existiam alguns estudos em comunidades amazônicas que afirmavam que essas relações eram “desinteressadas”, mas isso não se aplica nesse caso: um homem, por exemplo, tem um roçado e ele precisa de ajuda, de mais trabalhadores. Então, ele pede ajuda ao seu irmão e ele sabe que está em dívida quando houver outra colheita do roçado. Mas as relações estabelecidas com os políticos não são muito diferentes: se o político te dá o que prometeu, ele é bom.  Isso tem uma aplicação sobre o assistencialismo e paternalismo.

Qual é o tipo de produção que existe na região?

Eles são em grande parte agricultores e há grupos de casas que se especializam em uma produção para a venda. Essas atividades são complementadas com caça e pesca.

Há muitas diferenças culturais?

Cada casa da comunidade tinha autonomia de decidir a produção: tinha gente que gostava de ter uma casa com “padrão de novela”, com sofá, estante: então, investiam tempo para produzir alimentos e vendê-los para comerciantes. Mas também tinha gente que queria comer bem e por isso dedicava mais tempo para caçar aves, pacas, porcos do mato, veados, macacos e jabutis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,419,547SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professor doa rim para salvar vida de aluna em Londres

O professor Ray Coe, 53, da escola Royal Docks Community em Londres (Inglaterra), decidiu doar um de seus rins para tentar salvar a vida...

Estes soldados iraquianos encontraram amor na guerra

Parece história de filme, mas aconteceu mesmo um romance em tempos de guerra. Nayyef Hrebid era intérprete dos fuzileiros navais norte-americanos no Iraque e Betu Allami era um...

Casal do DF doa bolos que sobram em loja para quem não pode comprar

Se você não puder comprar o seu bolo, pegue um aqui. A frase está escrita em um pedaço de papel fixado em uma mesa...

Global Happiness 2020: confira a lista dos países mais felizes do mundo

Todos os anos o Instituto Ipsos realiza uma pesquisa sobre felicidade global, a Global Happiness. Aspectos como segurança, saúde e qualidade de vida são...

Pai e filho criam 51 mil colônias de colmeias para salvar as abelhas da extinção

A população mundial de abelhas e suas colônias de colmeias tem decrescido ano após ano, mas um pai e seu filho tem feito tudo...

Instagram