Este povoado no Acre tem a economia baseada em troca – e dá muito certo

O Acre existe sim! O antropólogo Roberto Rezende foi matar a curiosidade e decidiu conhecer um pouco mais dos habitantes da reserva extrativista de Alto Juruá, próximo à fronteira com o Peru e a quase 600km de Rio Branco, a capital do Acre. O povoado tem economia baseada em troca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Morando na reserva por seis meses, o pesquisador conviveu com comunidades baseadas em subsistência na cooperação entre familiares. De acordo com Roberto, “são relações de troca e ajuda: no período da colheita, por exemplo, um solicita ajuda do outro, e assim se estabelece uma espécie de dívida”. Foi exatamente esta a sua tese de doutorado na Unicamp, com base no trabalho de campo.

Foto: Apiwtxa
Foto: Apiwtxa

Leia nosso papo completo do antropólogo e a Revista Galileu:

Como as relações de troca nas comunidades acontecem?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Existiam alguns estudos em comunidades amazônicas que afirmavam que essas relações eram “desinteressadas”, mas isso não se aplica nesse caso: um homem, por exemplo, tem um roçado e ele precisa de ajuda, de mais trabalhadores. Então, ele pede ajuda ao seu irmão e ele sabe que está em dívida quando houver outra colheita do roçado. Mas as relações estabelecidas com os políticos não são muito diferentes: se o político te dá o que prometeu, ele é bom.  Isso tem uma aplicação sobre o assistencialismo e paternalismo.

Qual é o tipo de produção que existe na região?

Eles são em grande parte agricultores e há grupos de casas que se especializam em uma produção para a venda. Essas atividades são complementadas com caça e pesca.

Há muitas diferenças culturais?

Cada casa da comunidade tinha autonomia de decidir a produção: tinha gente que gostava de ter uma casa com “padrão de novela”, com sofá, estante: então, investiam tempo para produzir alimentos e vendê-los para comerciantes. Mas também tinha gente que queria comer bem e por isso dedicava mais tempo para caçar aves, pacas, porcos do mato, veados, macacos e jabutis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

via

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM









Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,917,765SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Policiais param trânsito no meio da estrada para salvar cãozinho de ser atropelado

Enquanto dois agentes do Esquadrão de Emergência do Peru patrulhavam a Rodovia Pan-Americana do Norte, um cachorrinho perdido estava correndo perigo no meio da...

Aposentado deixou emprego para cuidar da esposa com paralisia há 57 anos

Ele deixou o emprego para cuidar da saúde da esposa em tempo integral.

Série de fotos íntimas de casais prova que não existe gênero para o amor

Como a fotógrafa explicou ao A Plus, estas fotografias íntimas de casais millenials revelam as semelhanças entre diferentes tipos de relacionamentos, heterossexual, homossexual e tudo mais. Amor é amor.

Senhora transforma guarda-chuvas quebrados em sacos de dormir para os sem-teto

Lúcia Barreto é uma apaixonada por artesanato e também por ajudar os mais necessitados. A pedagoga de Florianópolis está usando seu talento para levar...

Barbeiro canadense dá atendimento especial para crianças autistas, mostrando o real significado da palavra empatia

Franz Jacob é um barbeiro que ganhou o coração dos internautas por sua dedicação aos seus clientes, em especial a Wyatt Lafrenière, um menino autista...

Instagram

Este povoado no Acre tem a economia baseada em troca – e dá muito certo 3