Este povoado no Acre tem a economia baseada em troca – e dá muito certo

O Acre existe sim! O antropólogo Roberto Rezende foi matar a curiosidade e decidiu conhecer um pouco mais dos habitantes da reserva extrativista de Alto Juruá, próximo à fronteira com o Peru e a quase 600km de Rio Branco, a capital do Acre. O povoado tem economia baseada em troca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Morando na reserva por seis meses, o pesquisador conviveu com comunidades baseadas em subsistência na cooperação entre familiares. De acordo com Roberto, “são relações de troca e ajuda: no período da colheita, por exemplo, um solicita ajuda do outro, e assim se estabelece uma espécie de dívida”. Foi exatamente esta a sua tese de doutorado na Unicamp, com base no trabalho de campo.

Foto: Apiwtxa
Foto: Apiwtxa

Leia nosso papo completo do antropólogo e a Revista Galileu:

Como as relações de troca nas comunidades acontecem?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Existiam alguns estudos em comunidades amazônicas que afirmavam que essas relações eram “desinteressadas”, mas isso não se aplica nesse caso: um homem, por exemplo, tem um roçado e ele precisa de ajuda, de mais trabalhadores. Então, ele pede ajuda ao seu irmão e ele sabe que está em dívida quando houver outra colheita do roçado. Mas as relações estabelecidas com os políticos não são muito diferentes: se o político te dá o que prometeu, ele é bom.  Isso tem uma aplicação sobre o assistencialismo e paternalismo.

Qual é o tipo de produção que existe na região?

Eles são em grande parte agricultores e há grupos de casas que se especializam em uma produção para a venda. Essas atividades são complementadas com caça e pesca.

Há muitas diferenças culturais?

Cada casa da comunidade tinha autonomia de decidir a produção: tinha gente que gostava de ter uma casa com “padrão de novela”, com sofá, estante: então, investiam tempo para produzir alimentos e vendê-los para comerciantes. Mas também tinha gente que queria comer bem e por isso dedicava mais tempo para caçar aves, pacas, porcos do mato, veados, macacos e jabutis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

via

Quer ver a sua pauta aqui? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,067,715SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

OMO lança a primeira garrafa feita com plástico retirado do litoral brasileiro

A OMO vai incluir plástico retirado do litoral brasileiro nas garrafas da edição especial da linha OMO Multiação.

Em busca de histórias de migrantes, artistas se oferecem para escrever cartas

O coletivo "Estopô Balaio" lançou um convite e 15 pessoas toparam: sessões gratuitas de escrita de cartas. "Sente com a gente, conte uma história, tome um café...

Avô coreano faz desenhos para contar aos netos como é a vida no Brasil

É a forma que ele encontrou para contar aos netos como é a vida no novo país.

Hip Hop leva valores e possibilidades para crianças e adolescentes de periferia

(Por Ingrid Vogl) É como mágica: o burburinho da conversa que se desenrola enquanto a turma aguarda o arte-educador preparar e ligar o som dá...

Projeto colaborativo Arte de Rua é iniciativa de integração e promoção da paz

A AkzoNobel, por meio de sua iniciativa global Let's Colour, fechou parceria com a ONG MasterPeace, criadora do projeto Walls Of Connection, que...

Instagram

Este povoado no Acre tem a economia baseada em troca – e dá muito certo 4