Estilista de rua que cobra R$ 1 por croqui e consegue visibilidade graças a um post no facebook

Tudo começou com um post no facebook, e a repercussão saiu do mundo virtual e foi para o real.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Carlos não sabe escrever, mas usa as mãos e um lápis para fazer outra coisa: desenhar. Ele é um estilista que apresenta suas obras no Centro de Niterói. A mestranda da Universidade Federal Fluminense (UFF) Deborah Lima encontrou com ele na rua, se encantou pelos projetos de roupas e descobriu que ele custavam R$ 1. Em sua página no Facebook, Deborah divulgou como foi conversar com o estilista.

“Eu: – Posso pegar qualquer um que eu quiser por um real? Ele: – Pode sim! Peguei o desenho. Ele: – Desculpa ele estar sujo… é que eu fico no chão… Me dá aqui, vou tentar limpar com a borracha – pausa – Não. Vou deixar assim. Essa sujeira faz parte da minha arte. Eu: – Muito lindos mesmo! Parabéns! Porque o senhor não assina eles depois que termina? Ele: – É que eu não sei ler nem escrever…”, contou a estudante em seu perfil na internet. Ela logo ensinou como assinar “C” para o homem.

Deborah ainda explicou que ficou impressionada com a precisão e a criatividade de Carlos:

“Comecei a perguntar pra ele onde ele teria aprendido a desenhar com tanta perfeição. Ele respondeu que aprendeu na rua, vendo vitrines… As roupas? Ele inventa da própria cabeça”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Captura de Tela 2013-09-10 às 18.51.39

Ele diz que seu sonho é ir no Luciano Huck. “Ele é um cara de muito bom coração, eu queria muito que ele me ajudasse, fazendo tipo um desfile de moda da minha coleção. Eu tenho uma coleção inteira desenhada em casa, mas essas eu não trago pra rua. Elas valem muito, sabe? Eu venho pra rua pra vender meus desenhos porque eu preciso, e porque também tenho esperança que alguém me veja e me coloque na internet, me mostre pra ele. Se ele não puder fazer o desfile pra mim, eu queria ao menos os panos pra tentar fazer as roupas!”, disse Carlos a Deborah enquanto ela esperava seu ônibus chegar.

Se depender dos internautas, o marido de Angélica logo saberá da história. Desde o dia 23 de agosto, quando a história foi compartilhada na internet, já foram mais de 200 mil compartilhamentos.

O post ganhou tanta repercussão, que foi parar na TV aberta, e uma parte de seu sonho foi realizada, vejam:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Texto do site Extra.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,502,658SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Pai constrói “cadeira de bicicleta” para filho com paralisia cerebral

A fusão de uma bicicleta e uma cadeira de rodas dá movimento às pernas do menino, que não pode andar.

Canoa movida a energia solar está sendo usada como meio de transporte de comunidades da Amazônia

Já não é de hoje que estamos desenvolvendo maneiras mais sustentáveis de viver. O meio ambiente e o mundo animal precisam de soluções, para...

Mães escolhem música para o nascimento dos filhos em Olinda

O nascimento de uma criança é a experiência mais marcante da vida dos pais e do próprio bebê. É o primeiro contato do bebê...

Cisterna de estudantes do Pará é finalista de concurso internacional

A cisterna de captação da água da chuva é finalista do Enactus World Water Race, que premia soluções sustentáveis para problemas da água e de saneamento básico.

O buffet francês que só contrata refugiados para cozinhar pratos típicos de seus países

Por Débora Spitzcovsky Quase 20 mil. Esse é o número de refugiados que chegaram à França apenas em 2015, segundo o The New York Times....

Instagram