Estudante de medicina à beira da morte descobre cura para a própria doença

Em 2010, o então estudante de medicina David Fajgenbaum foi diagnosticado com a doença de Castleman, um raro distúrbio autoimune que gera a produção excessiva de células nos gânglios linfáticos do corpo. Em meio ao choque do diagnóstico, ele enfrentou diversas sessões de quimioterapia para tentar conter o avanço da doença.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Três anos após o início do tratamento, David foi informado por médicos que tinha apenas 35% de chance de cura. Um deles chegou a recomendar que o jovem escrevesse um testamento.

No entanto, contrariando absolutamente todas as expectativas, David conseguiu encontrar a própria cura.

Internado e sem condições de sair do leito hospitalar, o jovem começou a examinar cada detalhe dos seus prontuários e descobriu algo que havia passado despercebido pelos médicos.

Estudante medicina doença terminal cura

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Munido do conhecimento que adquiriu nas aulas de Medicina, ele viu que uma proteína conhecida pela sigla VEGF (substância que controla o crescimento dos vasos sanguíneos) havia atingido 10 vezes o nível normal no seu organismo.

David então supôs que as manchas que tinha pelo corpo a cada crise da doença eram causadas pelo pico dessa proteína, que sinalizava que de alguma maneira o sistema imunológico devia atuar contra ela.

Doença de Castleman

Ciente dessa informação, o jovem descobriu em seguida que já existia um medicamento imunosupressor que poderia ajudá-lo a combater a produção excessiva da proteína.

Com a ajuda de um médico oncologista, David recebeu o aval para começar o tratamento com remédio que até hoje, seis anos depois, é o responsável por mantê-lo vivo.

Leia também:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Hoje saudável e proativo, Fajgenbaum se tornou professor assistente do curso de medicina da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos. Em paralelo à carreira acadêmica, fundou Rede Colaborativa da Doença de Castleman, que reúne os principais especialistas e pesquisadores da doença.

Estudante medicina doença terminal cura

Em 2013, quando ainda estava doente, David ficou noivo. Seis anos depois, está casado e tem uma filha, Amelia, que acaba de completar um ano.

No início deste mês ele lançou um livro no qual compartilha sua história de superação: “Chasing My Cure” (“Em Busca da Minha Cura”, em tradução livre).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: Yahoo!/Fotos: Reprodução/Facebook

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,495,414SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Petrópolis ganha primeira academia adaptada para pessoas com deficiência

Habitat natural de pessoas torneadas e com bastante disposição, as academias são também, por vezes, um ambiente hostil para pessoas com deficiência física se...

Bombeiros do Pará realizam sonho de menino 4 anos de andar em caminhão – em seu aniversário!

Antes de contar a história, é importante dizer que os bombeiros tomaram todas as medidas de segurança, okurr?? O garotinho Arthur Gabriel teve um aniversário...

Casal de ex-moradores de rua ganha ajuda de voluntários e realiza sonho de se casar

Durante longos 10 anos, o casal Alexandre e Daniele morou nas ruas de Marechal Hermes, no Rio de Janeiro. Entre tantas dificuldades, formaram uma...

Magazine Luiza dobra auxílio-creche para funcionárias fora de home office

Mais uma do Magazine Luiza: a empresa comandada por Luiza Trajano anunciou que irá dobrar o valor do chamado "cheque-mãe", o auxílio-creche, para todas as...

Terapeuta que venceu depressão cria aplicativo para escutar pessoas solitárias

Uma ideia que só poderia surgir de alguém que já sentiu na pele os efeitos da depressão. A terapeuta Juliana Infurna conhece bem as...

Instagram