Estudante brasileiro cria pesticida natural com casca do pequi para ajudar agricultores nordestinos

Apenas 19 anos de idade, uma ideia na cabeça e muito estudo foi o que levaram o jovem Matheus Balduíno a criar um biopesticida, completamente natural, usando a casca do pequi.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele ainda estava concluindo o Ensino Médio, na cidade de Juazeiro do Norte (CE), quando desenvolveu a pesquisa e criou o produto, que é capaz de eliminar insetos e pestes das plantações, principalmente a formiga-cortadeira, conhecida como saúva no Nordeste.

 

Matheus está concorrendo na categoria Cientista/Pesquisador(a), do Prêmio Razões Para Acreditar, premiação que destaca histórias de pessoas reais. Clique aqui e vote!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

O objetivo principal de João Matheus é ajudar os pequenos agricultores a salvarem a plantação do ataque desta praga, já que as saúvas são capazes de devastar lavouras inteiras de capim, por exemplo.

Formiga em plantação
Formiga saúva, um dos insetos que podem ser eliminados com o uso do biopesticida criado por João Matheus. Foto: Milk Point

A ideia é que o pesticida seja gratuito. “A agricultura é a fonte de renda dessas famílias e as formigas-cortadeiras podem fazer grandes estragos nas hortas. O produto é fabricado com a casca do pequi, uma matéria-prima de baixo custo e fácil produção”, disse.

Estudante em laboratório manuseando pequi
Foto: reprodução/Instagram @biopequi_

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O pequi também é utilizado em várias outras pesquisas científicas e o óleo extraído da fruta tem propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e até previnem cânceres. Em Goiás, as mulheres de um Quilombo transformam o óleo do pequi em cosméticos e, no Mato Grosso, indígenas transformaram área degradada em plantação de pequi e bateram recorde de produtividade e comercialização do fruto.

Pesticida não atinge o solo, nem a qualidade da colheita

A pesquisa foi iniciada em 2019 e testada em vários roçados. “Fizemos também entrevistas com profissionais da área ambiental para saber os danos que os pesticidas poderiam causar ao solo, às plantas e ao meio ambiente”, contou.

Jovem segurando balaio de pequi
É o próprio João Matheus quem colhe balaios de pequi para sua pesquisa. Foto: reprodução/Instagram @biopequi_

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O pesticida, além de natural, é biodegradável e não atinge o solo. “Os pesticidas causam diversos prejuízos e, através do uso do nosso produto, a gente consegue não prejudicar o solo, não prejudicar as plantas e não prejudicar as pessoas que vão consumir as hortaliças. Então, é uma cadeia de benefícios com baixo custo”, explica a orientadora do projeto, professora Lilian Duarte.

Estudante e professora em laboratório colocando liquidificador com extrato do pequi em reservatório
Professora auxiliou o jovem durante as pesquisas. Foto: reprodução/Instagram @biopequi_

O pequi é um fruto muito utilizado nas regiões Centro-Oeste e Nordeste. João Matheus percebeu que muitas partes do pequi eram desperdiçadas e, por isso, decidiu realizar pesquisas com o fruto.

Pé de pequi
Pé de pequi. Foto: reprodução/Instagram @biopequi_

O projeto foi intitulado de Biopequi. O jovem pesquisador criou uma vaquinha on-line para receber apoio para as pesquisas. Seu objetivo é levar a experiência para agricultores de todo o país.

 

Matheus está concorrendo na categoria Cientista/Pesquisador(a), do Prêmio Razões Para Acreditar. Clique aqui e vote!

 

Fonte: CicloVivo

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,253,471SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Tecnologia inovadora permite que pisos e revestimentos transformem poluição do ar em adubo

Na prática, a reação acontece quando os raios ultravioletas emitidos pelo sol e a umidade do ar, poluída pelos NOx, entram em contato com os pisos e revestimentos. O dióxido de titânio transforma os poluentes em nitrato, que é levado pela água da chuva ou a lavagem dos pisos até uma área verde.

Muito além de iluminar, estes postes também matam mosquitos, carregam celulares e avisam de possíveis desastres

Se as luzes da rua em seu quarteirão não fazem outra coisa senão iluminar cantos escuros, isso provavelmente irá mudar em breve. Por exemplo em Copenhague os...

[VÍDEO] Aos 102 anos, idosa viraliza após dançar com o bisneto em aula virtual

Por essa ninguém esperava! A senhora Julia, de 102 anos de idade, surpreendeu todo mundo ao dançar com seu bisneto Brody durante sua aula...

“Homem também tem instinto paterno”, disse o pai solteiro que adotou 8 filhos

Se criar uma criança só já não é algo fácil, imagine oito filhos, e de idades completamente diferentes! Mas, o sonho de ser pai do...

Diretor busca alunos com deficiência em casa e os leva para a escola todos os dias

O diretor Alfonso D’Ambrosio, de Baone, na Itália, busca diariamente alunos com deficiência em suas casas - e que ainda têm a oportunidade de...

Instagram