Pela 1ª vez em 40 anos, estudante com síndrome de Down se forma em Geografia pela UFJ

Pela primeira vez desde sua fundação, há 40 anos, a Universidade Federal de Jataí, em Goiás, teve seu primeiro formando com síndrome de Down: Kallil Assis Tavares, 30, que recebeu o diploma de Geografia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Gostei muito do curso”, assegurou Kallil, que foi aprovado no curso em 2012 pela categoria de ampla concorrência (todos contra todos), no vestibular tradicional da UFJ.

Com a aprovação, a instituição precisou se adaptar para melhor acolher o estudante, como contratar uma professora de apoio para dar suporte durante a graduação dele.

estudante com síndrome de down se forma em geografia

Em entrevista à TV Anhanguera, Willian Ferreira, diretor da unidade de estudos geográficos da UFJ, disse que a graduação de Kallil foi um marco histórico. “Ele nos ensinou muita coisa que vai ficar gravado para essa instituição e o para o ensino superior público do Brasil”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para Eunice Tavares, pedagoga e mãe do novo geógrafo, a conquista do filho é uma grande vitória para a família, que o apoiou com muita união. “Fui apoiando, fiz com muito afinco, mas não forcei a nada, a gente deu todo estímulo, mas não forçava”, explicou.

Professora de Kallil, a geógrafa Marlene Flauzina Oliveira contou que além da ajuda durante as aulas, os professores adaptavam o conteúdo e as avaliações para ele – um estudante sempre muito esforçado.

estudante com síndrome de down se forma em geografia

“Ele é um aluno muito dedicado, apesar da dificuldade de concentração, ele prestava atenção. Quando tinha atividade para casa, não descansava enquanto não terminava. Ele entendia que era um ambiente de muita responsabilidade”, disse a docente.

A mãe de Kallil é prova viva da dedicação dele, que estudou com muito zelo ao longo dos últimos 8 anos até realizar o sonho de ter o diploma. “Agora a gente está adaptando a nova realidade, ele está sentindo falta dos estudos que eram constantes”, pontuou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por fim, Marlene, que acompanhou o estudante por tanto tempo, acredita que Kallil mudou sua profissão e incentivou o avanço na educação inclusiva em Goiás.

“Além do crescimento, eu acho que nós temos que aprender muito e aplicar a educação inclusiva, que ela é necessária, as pessoas com deficiências físicas e intelectuais têm o direito de ir para uma faculdade e têm capacidade”, concluiu.

Fonte: Kativa
Fotos: Divulgação/Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,211SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Spotify, YouTube e Deezer excluem funk acusado de apologia ao estupro

"Só Surubinha de Leve", de MC Marcinho, recebeu diversas denúncias de apologia ao estupro.

Yahoo! faz primeiro buscador para cegos

Pensando na experiência das crianças com dificuldades na visão, o Yahoo! Japan criou o projeto “Hands on search”. Com um microfone, um software de...

Garotinho ajuda o pai na técnica do canguru com seus irmãos gêmeos recém-nascidos

Conhecida como “método mãe canguru”, essa forma de embalar o recém-nascido permite uma maior participação dos pais no cuidado dos filhotes que nasceram abaixo...

[VÍDEO] Mãe paraplégica se emociona ao receber ajuda inesperada da filha de apenas 1 ano para se deitar

Monique Oliveira, de 25 anos, teve uma surpresa emocionante ao ver sua filha Mariana, de apenas 1 aninho, ajudá-la a fazer sua transferência da...

Ex-paciente doa Maverick para hospital continuar salvando vidas

O policial militar José da Silva Nascimento morreu aos 74 anos, vítima de um câncer, após 10 anos de tratamento no Hospital de Base...

Instagram