Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino

A partir do desenvolvimento de um sistema de filtragem que transforma água contaminada em própria para consumo, a estudante baiana Anna Luisa Santos, de 21 anos, ganhou uma premiação nos EUA por sua contribuição à luta contra a seca no semiárido brasileiro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O dispositivo é ligado a cisternas que utiliza radiação solar para tornar a água contaminada em segura para consumo humano, sendo ideal para ser instalado em regiões castigadas pela seca no nordeste.

Formada ano passado em Biotecnologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), a jovem e outros três estudantes que levaram a ideia adiante ganharam uma bolada de R$ 25 mil com o segundo lugar na competição HackBrazil, evento brasileiro de tecnologia em Boston (EUA) que premia iniciativas empreendedoras.

Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino
Aqualuz é acoplado a cisternas para realizar filtragem da água através da luz do sol — Foto: Divulgação

O evento ocorreu no dia 5 de abril durante a Brazil Conference, cúpula que estreou em 2015, coordenada por alunos brasileiros de Harvard e do MIT — duas instituições da “Ivy League”, a elite das faculdades norte-americanas — para promover o encontro com líderes e representantes do país. Ao todo, 400 startups de tecnologia participaram.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia tambémEstudantes do Paraná criam sistema de baixo custo para evitar desperdício de água

O dispositivo foi batizado de Aqualuz. É constituído por uma caixa de inox coberta por um vidro, uma tubulação ligada à cisterna e um reservatório comumente utilizado para armazenar água da chuva ou de caminhão-pipa.

A filtragem da água ocorre sem a necessidade de uso de compostos químicos. Como consequência, ajuda na redução dos índices de doenças. “A gente teve uma preocupação de desenvolver um sistema que fosse simples e eficiente para as pessoas, com uma excelente durabilidade”, destacou Anna Luisa.

A tecnologia

Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino
Projeto criado por estudante baiana permite filtragem de água com luz solar — Foto: Divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Por meio da tecnologia, a filtragem ocorre por etapas:

1. Primeiro, a água é bombeada da cisterna até a caixa, por meio de um encanamento, passando por um filtro ecológico que é feito de sisal;
2. O filtro ecológico retém partículas sólidas;
3. Depois, já com a água armazenada na caixa de inox, ocorre a desinfecção, em que o líquido é exposto à radiação solar para eliminação dos micro-organismos patogênicos. A alta temperatura na caixa ajuda a eliminar impurezas.
4. Por fim, um dispositivo acoplado à caixa muda de cor e alerta quando a água pode ser retirada da caixa, já pronta para o consumo, por meio de uma torneira.

Cada ciclo de filtragem dura, em média, 4 horas. O dispositivo, que filtra até 28 litros de água por dia, dura cerca de 15 anos apenas com limpeza de água e sabão, troca do filtro natural (com o estoque de refil já fornecido), sem precisar de manutenção externa ou energia elétrica.

Testes preliminares feitos em laboratório certificado, que usaram parâmetros do Ministério da Saúde, revelaram que o “Aqualuz” reduziu em 99,9% a presença de bactérias de referência.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino
Além de Anna, também ganharam o prêmio pelo projeto Letícia Nunes Bezerra, Marcela Sepreny e Lucas Ayres — Foto: Divulgação

O aparelho, no entanto, não resolve problemas de contaminações por metais, químicos, elementos radioativos e nem de salinidade. Além disso, outro limitador é que funciona apenas com a presença do Sol — em dias nublados, o ciclo de filtragem demora mais porque requer mais tempo de exposição.

“O ‘Aqualuz’ pode ser usado por até três famílias. Por enquanto, a gente indica o uso só em cisternas. Para rios e postos artesianos tem que ter análise da água para saber se é possível a descontaminação microbiológica e se tem contaminação adicional de metais pesados, por exemplo. Nesse caso, o ‘Aqualuz’ não resolve”, relata a estudante.

Anna afirma que 35 unidades do “Aqualuz” já foram implantadas em cidades de quatro estados no Nordeste: Bahia, Pernambuco, Ceará e Alagoas.

Estudante baiana cria tecnologia de filtragem de água para o semiárido nordestino
Anna Luisa trabalha com projeto desde os 15 anos de idade — Foto: Divulgação

O custo do equipamento é de R$ 500 por unidade, mas Anna diz que a intenção não é comercializar diretamente para as pessoas que vivem no semiárido.

“A nossa proposta é vender o projeto para empresas, nosso foco são as empresas grandes com iniciativas de responsabilidade socioambiental, e também para órgãos governamentais, para que eles possam implementar e ajudar a melhorar a qualidade de vida dos moradores do semiárido”, destaca.

Leia tambémDessalinizador de baixo custo garante água potável no semiárido nordestino

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: SNB

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,560,438SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina que nasceu sem os dois braços tem encontro inspirador com a primeiro piloto de avião sem braços do mundo

Na 20ª semana de gestação, a mãe da pequena Ruth Evelyne recebeu dos médicos a notícia de que a filha nasceria sem os dois...

Whindersson Nunes doa 20 cilindros de oxigênio para hospitais em Manaus e mobiliza artistas

Os hospitais de Manaus entraram em colapso. Muitos pacientes com coronavírus estão morrendo por falta de oxigênio. Diante dessa dura realidade, o humorista Whindersson...

Pai amamenta sua bebê antes da esposa que foi internada após o parto

"Fui o primeiro a amamentar a bebê!”, disse o americano Maxamillian Kendall, que amamentou a filha com o auxílio de um bico de silicone e uma seringa.

Jovem se forma em fisioterapia para cuidar de amigo tetraplégico no RN

Há cinco anos, a paraibana Samara Elânia da Costa, até então estudante do curso de História da Universidade do Estado do Rio Grande do...

Hospital infantil ganha novas pinturas nas paredes que são pura alegria para as crianças

Lugar de criança nunca deveria ser o hospital. Mas, infelizmente, alguns pequenos praticamente não conhecem outra vida que não de tratementos e salas médicas. Porém,...

Instagram