Perto de se formar, estudante fica tetraplégica e agora conta com vaquinha para concluir o curso

Faltando apenas um ano para se formar em odontologia, a estudante Ingred Bida Lopes, 25 anos, de Altos (PI), sofreu um acidente doméstico que a deixou tetraplégica. Após três anos do acidente, ela sonha em voltar para a universidade. Mas, para isso acontecer, Ingred precisa de um carro, que ela espera conseguir através de uma vaquinha no VOAA, clique aqui e contribua.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O sonho que ela acreditou que tinha morrido, voltou com tudo! Ela se encontrou na odontologia e quer concluir o curso para seguir com a profissão. Porém, a Universidade Federal do Piauí, onde fazia o curso antes do acidente, fica na capital Teresina, a 43 km de onde ela mora.

“Sempre que precisei ir para consulta e fisioterapia, são meus tios que se disponibilizam para me levar. E como na universidade será todos os dias, fica muito complicado eles me ajudarem. E minha cidade não possui um transporte acessível”, disse.

Ela explicou também que fizeram orçamentos e concluíram que não compensaria alugar um veículo.

“Sobre o carro, ainda não pensamos exatamente num modelo porque estamos dependendo do valor da arrecadação total, só sabemos que precisa ter um bagageiro espaçoso por conta da cadeira de rodas”, informou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

estudante tetraplégica vaquinha concluir faculdade
Amigos e familiares foram essenciais para apoiar a Ingred

estudante tetraplégica vaquinha concluir faculdade
Amigos da odontologia sempre estiveram presente na vida dela

estudante tetraplégica vaquinha concluir faculdade estudante tetraplégica vaquinha concluir faculdade

 

O acidente

Em março de 2016, Ingred estava de férias da universidade e estava almoçando na casa da sua vó, que fica em frente da sua. “Não me senti bem e fui para casa, no último degrau da escada, passei mal e desmaiei. Cai de 3 metros de altura, quebrei o pescoço, vértebras cervicais c4-c5 e lesionei a medula, perdi todos os movimentos do corpo”, disse.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com as sessões de fisioterapia, ela conseguiu recuperar uma parte do movimento dos ombros e dos braços, exceto das mãos. “Mas com a terapia ocupacional aprendi a utilizar o celular e o notebook sem o movimento dos dedos”.

estudante tetraplégica vaquinha concluir faculdade
O acidente aconteceu na escada da casa da Ingred

Para custear todo tratamento, desde o início ele contou com ajuda dos familiares, colegas da faculdade e com os professores. “Depois de três anos de muita luta, eu já tinha perdido todas as esperanças, não vou mentir, não pensava mais em voltar para a odontologia, que foi onde eu me encontrei, mas, recentemente, em conversa com os amigos mais próximos, despertei novamente todo esse sonho e desde então estou lutando com todas as forças para que ele se torne realidade.”

Ingred se informou na universidade sobre o seu retorno e ela tem chances de voltar para o curso e concluí-lo. “Mas para que isso acontecer tem custos. O principal deles é o transporte, que infelizmente, eu não tenho. Hoje eu entendo que obstáculos aparecem em nossas vidas para serem vencidos. E que se você tiver fé em Deus tudo irá se resolver”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No vídeo abaixo, ela também conta a sua história:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Ingred Bida (@ingredbida) em

Vamos ajudá-la a voltar para a universidade? Contribua com a vaquinha clicando aqui.

crédito das fotos: Ingred Bida Lopes/Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,763SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem brasileiro cria computador que lê reações do cérebro de pessoas em coma

O jovem cientista começou a desenvolver o dispositivo portátil dentro do seu quarto.

Menina de 8 anos alimenta corvos e eles demonstram muita gratidão levando “presentes” a ela

Acredite se quiser, mas corvos, estes animais tão emblemáticos e que até assustam algumas pessoas, não botam medo algum na pequena Gabi Mann, de...

‘Não vendo balas’: positividade muda vida de ambulante e lhe rende bolsa para faculdade

Cassiano, de 27 anos, poderia não ser notado nas ruas, com acontece com muitos vendedores ambulantes. Só que ele foi além. Vestindo uma camiseta...

Após cancelar casamento, noiva usa dinheiro da festa para oferecer banquete para moradores de rua

O que você faria se tivesse gastado 30 mil dólares não reembolsáveis em um casamento que acabou sendo cancelado? A maioria das pessoas ficaria enlouquecida...

Dona Marta, os livros e sua encantadora rede de leitores em escola de Campinas

(Por Ingrid Vogl) Quem vai pegar livro hoje? Com esta pergunta, a professora aposentada Marta Maria Sêda de Moraes, 72 anos, ou simplesmente Dona Marta,...

Instagram