Estudante que vendia brigadeiro para pagar cursinho é aprovado em Medicina

O estudante brasiliense Lucas Carvalho, 17 anos, foi aprovado no curso de Medicina da Universidade de Brasília (UnB). O jovem, que passou em segundo lugar pelo sistema de cotas, vendia brigadeiro para pagar o cursinho preparatório do Enem.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na infância, Lucas sonhava ser músico. Mas um acidente há quatro anos o fez mudar de ideia: ele quebrou o braço e teve que passar a madrugada no hospital com a mãe.

Ali, ele sentiu um carinho especial pela profissão de médico “ao ver tantas pessoas precisarem de ajuda”.

estudante que vendia brigadeiro pagar cursinho aprovado medicina

“Quando eu entrei no hospital, eu falei assim: essas pessoas precisam de um médico, de alguém que conheça a realidade delas.”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Para entrar no curso, extremamente competitivo, Lucas sabia que precisava fazer um cursinho preparatório. Segundo Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), havia 1 vaga para cada 82 candidatos.

estudante que vendia brigadeiro pagar cursinho aprovado medicina

Para pagar o cursinho e ainda ajudar nas despesas de casa, o rapaz começou a vender doces – especialmente brigadeiros – na porta da escola, na rua e até pelas redes sociais.

O pequeno empreendimento cresceu consideravelmente nos últimos meses. Hoje, ele recebe encomendas para festas, casamentos e aniversários.

As aulas no cursinho eram complementadas pela rotina de estudos em casa, inspiradas por um livro de medicina que Lucas ganhou. Ele mantinha o hábito de olhar para o livro todos os dias para se animar e estudar “mais um pouquinho”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

estudante que vendia brigadeiro pagar cursinho aprovado medicina

“Eu olhava para ele todos os dias, e pensava: um dia eu realmente vou usar isso aqui. Eu vou ser médico.”

O jovem brasiliense é filho da empregada doméstica Ana Paula Carvalho. A mãe é só elogios: diz que Lucas é “muito amoroso, obediente e dedicado”.

Recentemente, contamos a história da Raíssa, também filha de uma empregada doméstica e também aprovada no vestibular de Medicina. Relembre aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Saindo cedo para trabalhar todos os dias, ela sempre tira um tempinho para incentivar o filho. “O estudo para mim e para ele, hoje significa tudo. Eu não terminei meus estudos, só fiz até a 5ª série”, contou a mãe.

“Eu falava para o Lucas: ‘eu não tenho estudo, mas você vai ser uma pessoa que Deus vai honrar’.”

“Tudo que eu quero é que ele estude, tenha uma casa e vida própria.”

[Nota da Redação]

A cada bebê que traz ao mundo, o médico Calixto Hueb presenteia a mãe com uma arvorezinha para que a criança cresça com ela. É um primeiro presente à família do recém-nascido e também uma contribuição valiosa do médico para a preservação do meio ambiente. Vem conhecer mais essa história, dá play no vídeo abaixo:

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: G1/Fotos: TV Globo/Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,838,442SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ela viu na reciclagem a chance para mudar de vida: conheça a história da Katinha (SP)

“Hoje, com a reciclagem, consegui comprar a minha casa”. Conheça a história da nossa querida Kátia Regiane, de São Paulo (SP), que há 12...

O cão de rua que teve um final de vida repleto de amor e carinho

Este é um vídeo muito comovente que mostra as últimas horas do Ol Boy, um cão perdido e abandonado nas ruas de Singapura, que...

A Nike assinou o primeiro contrato com atleta com paralisia cerebral

Uma vez mais pioneira na luta por inclusão e representatividade nos esportes universitários, a Nike fez história ao assinar o primeiro contrato com um...

Não adianta chorar sobre o leite derramado, melhor chamar o gato

Era a terceira caixa de bombons que chegava à mesa de Ana Tereza nas duas últimas semanas. O bilhetinho era quase sempre o mesmo,...

Estudantes criam etiquetas em braille para deficientes visuais

Maior liberdade de escolha para os deficientes visuais, que poderão comprar as peças que quiserem sem depender da ajuda de alguém que enxerga.

Instagram