Estudantes baianas desenvolvem dispositivo capaz de detectar doenças através do sopro

As estudantes Julia Nascimento e Natália Nascimento, naturais de Feira de Santana, na Bahia, desenvolveram um dispositivo eletrônico capaz de identificar pelo menos 15 doenças diferentes através do sopro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Julia e Natália, com o apoio de Reiler Vargas, estudante paulista formado em Biotecnologia pela UFRJ, almejam patentear o dispositivo de modo a fabricá-lo futuramente em massa e distribuí-lo em hospitais e clínicas país afora.

Graduanda em Biotecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Júlia explica que o dispositivo desenvolvido é parecido com o bafômetro; só que ao invés de detectar álcool no sopro do indivíduo, o equipamento identifica doenças tais como tuberculose, pneumonia e até câncer.

Estudantes baianas desenvolvem dispositivo capaz de detectar doenças através do sopro
Natália, Julia e Reiler desenvolveram um aparelho capaz de detectar doenças através do sopro. Foto: Reprodução / Acorda Cidade

Segundo a jovem, o instrumento funciona como uma espécie de “teste rápido” que pode ser utilizado para acelerar os atendimentos em consultórios médicos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Detecta doenças como diabetes, intolerância a lactose, pneumonia, tuberculose, câncer, malária e hepatite. É um equipamento fácil de utilizar, super intuitivo, leve e dá para qualquer pessoa profissional de saúde levar para lugares que normalmente não tem hospital ou laboratório por perto e o paciente precisa de um atendimento imediato”, explicou.

Irmã de Júlia, a também estudante Natália Nascimento é doutoranda em Computação pela PUC Rio e também ajudou no desenvolvimento do aparelho, que foi batizado de Orientamed. O insight em torno da ideia surgiu com pesquisas que Natália conduzia com sensores de gás e de inteligência artificial.

“A partir dessa pesquisa, gerei diferentes áreas como agro, transporte e saúde e comecei a apresentar essas aplicações em diferentes conferências na Ásia, no Vale do Silício e na Nasa. Júlia, que faz biotecnologia, me convidou para dar uma palestra na UFRJ e nessa palestra Julia e Reiler (que também faz biotecnologia) perceberam que havia uma sinergia entre as nossas pesquisas, já que eles estavam estudando essa interação de gases e doenças. Então a partir dessa sinergia, nós então montamos uma equipe para participar de uma competição de saúde no Rio de Janeiro. Foi quando nós ganhamos nosso primeiro prêmio e aí a partir disso nós começamos a conquistar outros prêmios”, relatou.

Leia tambémEstudantes criam carro barato movido a ar: poluição zero!

Natália reconhece que o Orientamed pode ser de uma oportunidade e relevância ímpares para a comunidade acadêmica e científica brasileira, além de simplificar e melhorar a vida de muitas pessoas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Eu fiz a graduação na Uefs em engenharia da computação e a metodologia de ensino do curso eu acho que foi um grande incentivo para que eu pudesse explorar, a minha criatividade que é uma metodologia diferente”, disse.

Estudantes baianas desenvolvem dispositivo capaz de detectar doenças através do sopro
Julia e Natália apresentam o Orientamed. Foto: Ney Silva / Acorda Cidade (Reprodução)

A doutoranda em computação explicou como funciona o Orientamed e como o mecanismo de sopro consegue ser tão efetivo na detecção de doenças.

Em suma, o sopro é composto por diversos gases retidos no organismo, e quando um indivíduo possui alguma doença, os gases que saem da sua boca são levemente modificados – diferentes dos gases de pessoas saudáveis.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim, o dispositivo com o auxílio dos sensores conseguem captar e reconhecer a diferença entre os gases exalados por pessoas doentes de pessoas saudáveis, relacionando-os às diversas doenças que o aparelho consegue identificar.

Leia tambémEstudantes do Paraná criam sistema de baixo custo para evitar desperdício de água

“O Orientamed faz uso da inteligência artificial para conseguir encontrar qual o padrão gasoso, qual o padrão do gás com as diferentes doenças. Nós ganhamos a competição de saúde no Rio, como a ideia mais inovadora. Nós ficamos em segundo lugar na competição do Congresso de Engenharia biomédica que é o maior da América Latina. Ganhamos como a startup mais dedicada em uma competição em Minas Gerais e fomos pré selecionados para dois grandes editais da Samsung e do governo do Rio de Janeiro”, explicou Natália.

Júlia e Natália agora buscam parcerias com hospitais e clínicas hospitalares com o objetivo de coletar dados de pacientes que já tenham sido anteriormente diagnosticados com essas doenças, de modo que elas possam ser identificadas com o Orientamed. A dupla planeja entregar dezenas de aparelhos gratuitamente aos hospitais e cobrar um preço mensal pelo número de testes realizados com o equipamento.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Acorda Cidade

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,293,090SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fãs criam tradição emocionante pra crianças doentes nos jogos do seu time em casa

Lutar contra uma doença com o apoio de milhares de pessoas é um impulso a mais para a vitória.

Gatinha que frequentava açougue morre e açougueiro faz uma réplica de papel em sua homenagem

Vocês devem se lembrar de um vídeo que circulou bastante pelas redes sociais em 2018. Uma gatinha entrava em um açougue na Turquia e,...

Menino usa dinheiro de viagem à Disney para alimentar vítimas do Furacão Dorian

Jermaine Bell decidiu usar o dinheiro que poupava para passar seu 7º aniversário na Disney para dar comida às vítimas do Furacão Dorian. Pela generosidade, ganhou da própria Disney o tão sonhado passeio!

Pesquisa mostra que 43 milhões de britânicos praticaram atos de bondade durante pandemia

Sabe aquela frase "Ninguém solta a mão de ninguém"? Então, uma pesquisa feita pela Cruz Vermelha mostrou que 7 em cada 10 pessoas que...

Baiana compra filhote de bode na feira e ele se torna seu melhor amigo [Vídeo]

Diversas pesquisas já mostraram que animais de companhia fazem um bem danado à nossa saúde, tanto física quanto mental. Mas, quem disse que precisamos...

Instagram

Estudantes baianas desenvolvem dispositivo capaz de detectar doenças através do sopro 1