Estudantes cariocas financiam ida de porteiro ao show do Red Hot Chili Peppers

Três amigos, Pedro Botafogo, 17, Lucas Vasconcelos, 16, e Eric Fernandes, 18, organizaram uma vaquinha para arrecadar R$ 240 e levar o porteiro Russo ao show da banda Red Hot Chilli Peppers.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enivaldo Andrade, 38 anos, o Russo, é porteiro de um colégio de Botafogo, no Rio de Janeiro. Russo já perdeu pelo menos 10 apresentações dos americanos do Red Hot Chili Peppers no Brasil nos últimos 20 anos.

Mas este ano foi diferente. No sábado (9), a banda tocou no Rio de Janeiro, e Russo finalmente viu os músicos ao vivo pela primeira vez, cortesia de três alunos do colégio onde o carioca trabalha.

Sem que o porteiro soubesse, os garotos organizaram uma campanha entre todos os alunos do colégio para levantar fundos para comprar a entrada para o show. “Arrecadamos os R$ 240 do ingresso e chegamos a negar dinheiro oferecido pelos alunos por já ter a quantia necessária”, contou Pedro em uma entrevista ao iG. As doações geralmente ficavam entre R$ 10 e R$ 15. “A ideia inicial não tinha nenhum tipo de objetivo material”, garante.

Depois de já ter alcançado o objetivo, o trio foi entregar o ticket ao porteiro, e gravou tudo. “Decidimos dar o presente por saber que ele não teria condições de comprar o ingresso por conta própria, e como uma oportunidade de fazer o bem”, explica Pedro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pedro estava certo. O principal motivo pelo qual Enivaldo nunca viu seus ídolos ao vivo foi o dinheiro curto. “Nunca fui por motivo de grana. Sempre fui muito humilde e já passei, e passo às vezes, muita dificuldade”, lamenta o porteiro, que diz ser fã do RHCP desde 1985.

Para Russo, o gesto dos alunos foi um exemplo. “Foi uma prova de amor ao próximo. Eles deixam algo bem claro: se você não pode fazer tudo, faça tudo que puder”, acredita. Ele acha que a sua ótima relação com os alunos foi o que motivou os garotos a abraçar a campanha. “É uma relação muito agradável. Eles param para conversar comigo, perguntam como estou, e eu faço o mesmo. Também conversamos sobre várias bandas”, conta.

01 02 03 04 05 06

Via iG | Dica da Yully Henrique Fernandes e Caroline Vieira

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,751,664SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Alunos fazem pedidos simples para o Dia das Crianças e emocionam

São pedidos simples e que tocam o coração, desde material escolar até uma cesta de chocolate, feitos por crianças de uma comunidade carente em Belo Horizonte (MG).

Cliente antecipa pagamentos para salão de sobrancelha passar por crise do coronavírus

A servidora pública Débora Benon, de Brasília (DF), tinha uma viagem planejada com o marido e os três filhos no início de abril. Mas veio...

Filha surpreende pai dando de presente um Fusca vendido por ele 37 anos atrás

O fusquinha é e sempre será um xodozinho dos brasileiros! E com o seu Orlindo Rodrigues não é diferente. Ele tinha um Fusca vermelho 1975,...

Menina de 1 ano leva a vovó para tomar banho de sol

Mais do que nos emocionar, Laurinha convida-nos a refletir...

Qualificação profissional para refugiados da Venezuela: conheça o projeto da Tembici

O projeto “Novos Caminhos”, realizado pela Tembici em parceria com a ACNUR e o Instituto Aromeiazero, oferece curso sobre mecânica e negócios de bicicleta para refugiados venezuelanos.

Instagram