Estudantes cariocas financiam ida de porteiro ao show do Red Hot Chili Peppers

Três amigos, Pedro Botafogo, 17, Lucas Vasconcelos, 16, e Eric Fernandes, 18, organizaram uma vaquinha para arrecadar R$ 240 e levar o porteiro Russo ao show da banda Red Hot Chilli Peppers.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Enivaldo Andrade, 38 anos, o Russo, é porteiro de um colégio de Botafogo, no Rio de Janeiro. Russo já perdeu pelo menos 10 apresentações dos americanos do Red Hot Chili Peppers no Brasil nos últimos 20 anos.

Mas este ano foi diferente. No sábado (9), a banda tocou no Rio de Janeiro, e Russo finalmente viu os músicos ao vivo pela primeira vez, cortesia de três alunos do colégio onde o carioca trabalha.

Sem que o porteiro soubesse, os garotos organizaram uma campanha entre todos os alunos do colégio para levantar fundos para comprar a entrada para o show. “Arrecadamos os R$ 240 do ingresso e chegamos a negar dinheiro oferecido pelos alunos por já ter a quantia necessária”, contou Pedro em uma entrevista ao iG. As doações geralmente ficavam entre R$ 10 e R$ 15. “A ideia inicial não tinha nenhum tipo de objetivo material”, garante.

Depois de já ter alcançado o objetivo, o trio foi entregar o ticket ao porteiro, e gravou tudo. “Decidimos dar o presente por saber que ele não teria condições de comprar o ingresso por conta própria, e como uma oportunidade de fazer o bem”, explica Pedro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Pedro estava certo. O principal motivo pelo qual Enivaldo nunca viu seus ídolos ao vivo foi o dinheiro curto. “Nunca fui por motivo de grana. Sempre fui muito humilde e já passei, e passo às vezes, muita dificuldade”, lamenta o porteiro, que diz ser fã do RHCP desde 1985.

Para Russo, o gesto dos alunos foi um exemplo. “Foi uma prova de amor ao próximo. Eles deixam algo bem claro: se você não pode fazer tudo, faça tudo que puder”, acredita. Ele acha que a sua ótima relação com os alunos foi o que motivou os garotos a abraçar a campanha. “É uma relação muito agradável. Eles param para conversar comigo, perguntam como estou, e eu faço o mesmo. Também conversamos sobre várias bandas”, conta.

01 02 03 04 05 06

Via iG | Dica da Yully Henrique Fernandes e Caroline Vieira

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,836,848SeguidoresSeguir
24,779SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Abandonado por ser surdo, esse cão teve nova chance e aprendeu língua de sinais

Horus é um cão que foi maltratado pelos seus antigos donos, viciados em heroína. Mas, sob o cuidado amoroso de sua tutora, Rosie Gibbs,...

Viver para criar: plataforma gera proximidade com fãs e sustentabilidade financeira a criativos

Por Roberto Lourenço A vida de quem trabalha com criação de qualquer tipo costuma ser bem difícil às vezes, não é? Um músico independente, por exemplo,...

Projeto capacita mulheres com câncer para fabricar as próprias perucas em Ji-Paraná (RO)

O "Força Na Peruca" ajuda as pacientes a melhorar sua autoestima com elas sendo protagonistas do processo de confecção das perucas.

Palmeirense cumpre aposta de doar sangue após time perder: “boa ação ameniza a tristeza”

"Se a gente não se unir e ficar só nesse mundinho, nesta raiva, a gente não vai conseguir sair do lugar"

Instagram

Estudantes cariocas financiam ida de porteiro ao show do Red Hot Chili Peppers 3