Estudantes “esquecem” livros pela cidade e incentivam a leitura no Rio

No banco do metrô, nos corredores do shopping, na grama do parque: durante esta semana, os cariocas podem “ser encontrados” por livros em qualquer lugar da cidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dezenas de estudantes de três unidades do colégio CEL International School – localizadas na Barra da Tijuca, no Jardim Botânico e no Norte Shopping – estão “esquecendo” títulos em locais públicos para que desconhecidos achem e fiquem com eles. O projeto, intitulado #UmLivroMeAchou, foi idealizado para comemorar duas datas importantes: na última quarta-feira, 18 de abril, foi aniversário do escritor brasileiro Monteiro Lobato e Dia Nacional do Livro Infantil. Já o dia 23 de abril, segunda-feira, é celebrado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor.

Já publicamos aqui no Razões uma ação similar de um projeto que aconteceu em SP, relembre aqui.

Ao que parece, os livros esquecidos já começaram a encontrar novos donos. Na última segunda-feira (16), Marcele Pacheco, 15, estudante do 1º ano do Ensino Médio, deixou um exemplar de Patty Palito, de Susana Klessen, preso à mão de uma estátua, no Norte Shopping, Zona Norte da cidade. “Cê achou esse livro, né?”, escreveu a aluna na folha de rosto. “Espero que goste e a partir dele venham muitos outros”. Para sua surpresa, a menina recebeu, no dia seguinte, um bilhete de Adriano Barbosa, segurança do shopping, agradecendo pela atitude e revelando ser apaixonado por literatura.  O recado simpático chegou a ela por meio de funcionários da escola.

Por incrível que pareça, eu amo ler! Ou seja, você acertou em cheio no presente”

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Que legal seu gesto!”, escreveu Adriano. E completou: “Por incrível que pareça, eu amo ler! Ou seja, você acertou em cheio no presente”. O rapaz, que tem apenas 22 anos, conta ao CEL que tomou a atitude porque queria agradecer pelo gesto de Marcele. “Fiquei surpreso, nunca tinha visto uma ação como essa. Queria que ela soubesse que eu encontrei e li”, revela. Barbosa disse também que gosta de ler desde muito jovem e tem preferência por livros de teor histórico e biografias. Como o romance doado pela estudante é infantojuvenil, ele decidiu, após a leitura, devolver o livro a funcionários do colégio para que seja repassado a uma criança ou adolescente. Durante a conversa com o CEL, o funcionário traz consigo um outro título, com o marcador de página indicando que a leitura já está na metade.

Marcele conta que não esperava receber um retorno de quem encontrou o livro. “Achei muito legal e me motivou a repetir o gesto cada vez mais”. Além dela, cerca de 55 outros alunos, espalhados pelas zonas Norte, Sul e Oeste da Cidade, também aderiram à campanha e estão escondendo livros em lugares de sua escolha. Duas decidiram, inclusive, enviá-los a amigos que vivem fora do país. Nicole Bonfim, da mesma turma de Marcele, vai doar o livro Viagem ao Céu e o Saci, de Monteiro Lobato, para seu primo Thalles, que vive em Connecticut, nos Estados Unidos. Já Camila Costa, também 15, aluna do 9° ano, escolheu Asas, de Danielle Steel, para presentear uma amiga que vive em Quebec, no Canadá. “Ela é uma pessoa muito especial e, assim como eu, adora ler. Por isso, a escolhi para receber essa ação que é tão legal”.

Com a empolgação dos estudantes, alguns funcionários do CEL International School também resolveram entrar na brincadeira. É o caso da professora de português Carla Seixas, 35, que escolheu o livro O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne, para deixar em um local público. Ela conta que não foi fácil trazer o romance, que é, para ela, uma leitura especial, mas não queria escolher uma obra que não tivesse sido marcante. “Compartilhar um livro é compartilhar experiência de vida, seja ela positiva ou negativa. E a história não vem solitária, ela carrega, consigo, os últimos leitores”.

A atitude, é claro, não é exclusiva de estudantes do CEL. Qualquer pessoa, em diferentes locais do Brasil e do mundo, pode “esquecer” livros em lugares estratégicos de sua cidade e usar a hashtag #UmLivroMeAchou para compartilhar a iniciativa. E a pequena Isabela Koppel, 13, estudante do 7º ano, tem um recado para quem quiser fazer parte da corrente: “Espalhar livros é espalhar amor pelo mundo. E estamos precisando muito disso, não é mesmo?”.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com informações da assessoria – Fotos: Divulgação 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,498,345SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem mexicano cria torres que purificam o ar com a mesma eficiência de 360 árvores!

Um jovem mexicano desenvolveu uma torre autossustentável com microalgas capaz de filtrar o ar. A torre realiza o trabalho de 360 árvores. Carlos Monroy Sampieri,...

Comunidade de mulheres trans alimenta pessoas de baixa renda e em situação de rua

Uma comunidade de mulheres trans em Toluca, no México, abriu um 'refeitório comunitário' improvisado para alimentar pessoas de baixa renda e em situação de...

10 dicas de como ser mais resiliente e ter mais razões para acreditar

Têm épocas que a vida está bacana. As contas estão em dia, a carreira está progredindo bem e os relacionamentos estão trazendo felicidade. Mas...

Após criar moeda própria, cidade no Piauí registra um ano sem assaltos

Banco movimenta R$ 25 milhões em São João do Arraial, diz coordenador. Piauí tem 68 cidades sem dependências bancárias, segundo o Banco Central.

Cachorra destrói sandálias e cliente ganha um par novo da marca

A Vizzano aliviou a 'barra' da Chloe enviando para sua Luciana um par novo de sandálias.

Instagram