Estudantes consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

Estudantes de engenharia elétrica da Universidade Federal do Amapá (Unifap) decidiu se unir para ajudar famílias carentes de Macapá e, de quebra, o meio ambiente. Quando não estão em aula, eles recolhem e consertam dezenas de lâmpadas domésticas danificadas para reciclá-las e doarem a quem precisa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Durante as doações, os jovens também ensinam aos contemplados como fazer o descarte correto do material. A iniciativa foi batizada de “Oficina das Luzes” e foi lançada há quase dois meses por alunos do terceiro, sétimo e décimo período do curso. Os participantes afirmam que o descarte incorreto das lâmpadas domésticas pode causar riscos à saúde e ao meio ambiente. Daí a necessidade da reciclagem e orientação do descarte correto.

“Atualmente, mais de 300 milhões de lâmpadas são comercializadas por ano no país e apenas 5% delas são aproveitadas. Nossa ideia é contribuir para que as lâmpadas quebradas deixem de poluir os aterros sanitários e rios. As lâmpadas fluorescentes soltam gás de mercúrio, de 8 a 18 mg, altamente tóxico”, explica Jefferson Oliveira, um dos integrantes do grupo.

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

Outro ponto abordado pelos estudantes é a maneira como lâmpadas quebradas devem ser descartadas. Se apenas colocadas em sacos plásticos, sem proteção alguma, podem causar acidentes e cortes em catadores de lixo, garis e lixeiros por todo o país.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Irmãos filipinos criam lâmpada que precisam apenas de água salgada para funcionar

Eles afirmam que o ideal é que o circuito eletrônico do objeto seja separado da parte de vidro e plástico e enviado para reciclagem, assim como o vidro deve ser envolto em papelão ou guardado em uma caixa ou lata e sinalizado.

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

O estudante César Palheta descreve como o grupo realiza o conserto das lâmpadas de LED e fluorescentes. Ele lembra que as lâmpadas incandescentes já entraram em desuso e nem devem mais ser comercializadas. César detalha que muitas vezes o conserto é bem simples e que o material pode sim ser reutilizado.

Leia também: Lâmpada movida a algas dispensa eletricidade e ainda ajuda a despoluir o ar

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Muitas vezes acontece apenas a queima de um dos circuitos, que pode ser facilmente trocado, por um custo muito baixo. Outras vezes acontece o desencaixe de algum filete de energia por conta de movimentação, ou rompimento do fio, que também pode ser substituído”, afirma.

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

Alvaro Costa Júnior descreve que “os recursos usados para a implementação do projeto vêm de minicursos realizados pelo grupo dentro da universidade”.

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Eles cobram preços acessíveis dos interessados, com aulas sobre impressão 3D, acionamento de motores elétricos, eficiência energética e também fazem consultorias. “Cada curso que ministramos custaria em média R$ 500 e nós cobramos um valor simbólico de R$ 25 a R$ 30 de cada aluno. Esse dinheiro é usado para comprar o material que usamos nos consertos e em melhorias dos equipamentos”, contou.

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

O estudante Rodolfo Fernandes, também integrante do grupo, argumenta que, além de promover um benefício a comunidade e ao meio ambiente, a “empresa júnior” criada por eles serve como atividade complementar e horas de estágio.

“A iniciativa promove uma liberdade maior de trabalho do que em sala de aula. Aqui nós botamos a mão na massa, aprendemos na prática, ajudamos as pessoas que precisam e o meio ambiente, e ainda cumprimos nossas 20 horas semanais de atividades complementares e estágio”, argumentou.

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

Estudantes coletam e consertam lâmpadas para doar a famílias carentes no AP

O projeto “Oficina das Luzes” recebe o apoio do acadêmico Rui Cantuária. Há um posto de arrecadação de lâmpadas localizado na sede da empresa, intitulada “Tesla Engenharia”.

Os interessados em conhecer a iniciativa e auxiliar na coleta de lâmpadas devem ir ao bloco de Ciência da Computação e Engenharia Elétrica (DCET) da Unifap ou entrar em contato pelas redes sociais do projeto, que levam o nome da empresa. A meta do grupo é arrecadar e doar 100 lâmpadas até o mês de agosto.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Fonte: G1/Fotos: Ugor Feio/G1

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,498,345SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jogadora mirim de hóquei para no meio do jogo para levantar rival caída no gelo

Amara é a jogadora mais nova da sua equipe e, aparentemente, a que tem o coração mais gentil!

Jovem que teve queimaduras em 65% do corpo após acidente, comemora gravidez

Em 2011, a vida da australiana Turia Pitt mudou completamente. Após ser atingida pelo fogo durante um incêndio florestal em uma ultramaratona, a jovem...

Realidade virtual na saúde: Tecnologia que ajuda os médicos a tratar pacientes

A realidade virtual é uma das novas tecnologias com mais promessas até o momento. A criação de mundos virtuais é algo que pode revolucionar...

Menino de 8 anos emociona ao ganhar campeonato mundial de piano

Estamos acostumados a escutar histórias de gênios da música, como Mozart que aos 6 anos já era considerado um mestre no piano. Mas quem...

Para estimular alunos a escreverem certo e ler mais, escolas criam projeto de troca de cartas

Com o advento da tecnologia, cada vez mais crianças criam hábitos de digitar errado e, pior ainda, nem criam o costume de ler e...

Instagram