Alunas criam protótipo que trata esgoto doméstico antes de chegar ao Tietê

0
2119
estudantes desenvolvem dispositivo

A poluição do Rio Tietê é um dos grandes problemas ambientais que temos no Brasil há muitos anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E as estudantes Anally Nunes de Souza, Júlia Rodrigues da Silva e Keiko Moura Hanashiro tiveram uma grande ideia para ajudar a melhorar essa situação.

Elas criaram um dispositivo que trata o esgoto doméstico antes que ele chegue ao rio, o Vitágua! 

As três jovens são alunas do Colégio Santo Américo, em São Paulo e tiveram a orientação da professora de biologia Leila Miguel Stávale para desenvolver o dispositivo.

Como funciona o dispositivo

A peça é dividida em três partes: a primeira é composta por casca de banana e tem a função de limpar metais mais pesados.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A segunda parte inclui a bactéria Bacillus subtilis e a terceira possui um composto biossurfactante para dissolver gordura.

A ideia das meninas era utilizar o protótipo em locais que não têm rede de esgoto adequada”, diz a professora.

estudantes

Reconhecimento

Por causa do trabalho, Anally, Júlia e Keiko ganharam medalha de bronze na versão on-line do International Festival of Engineering Science and Technology (I-FEST²).

Este é um evento científico organizado pela Associação Tunisiana para o Futuro da Ciência e Tecnologia (ATAST), que contou com a apresentação de 150 estudos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O melhor é que [o dispositivo] também é barato. Os três materiais que usamos para limpar a água são acessíveis”, diz a professora.

Bolsistas

Anally, Júlia e Keiko entraram para o Colégio Santo Américo, através do Instituto Social para Motivar, Apoiar e Reconhecer Talentos (Ismart).

A entidade identifica jovens talentos de baixa renda e oferece bolsas de estudo em escolas particulares.

O Vitágua, a princípio, era um projeto a ser apresentado apenas ao Ismart – mas como ele fez sucesso, as meninas e a professora resolveram levá-lo adiante.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O próximo passo é buscar por empresas parceiras que tenham interesse em desenvolver o dispositivo em grande escala.

Apesar de o foco ser o Rio Tietê, as alunas garantem que ele pode ser adaptado para diversos outros rios, independente do nível de poluição e extensão.

Vamos testá-lo em uma área do próprio rio [na área da Usina da Elevatória da Traição], porque a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE) fechou uma parceria com a gente”, comenta Leila.

Se o protótipo realmente funcionar como o esperado, as instalações em residências serão iniciadas.

[Nota da Redação]

Estamos com a campanha especial #PoderDoSomos com OMO contando histórias incríveis de projetos que transformam vidas! Confira o primeiro projeto selecionado anunciado pela Giovanna Ewbank:

FONTE: Revista Galileu

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.