Estudo comprova: famílias homoafetivas dedicam mais tempo aos seus filhos

Para quem ainda está preocupado com as famílias formadas por crianças e casais homossexuais, eis o argumento final (embora não precisasse dele, pois há amor, então ponto!).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas, para quem ainda tem reservas ao modelo de amor citado acima, o Centro de Pesquisa de População da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, realizou um estudo que mostra que famílias formadas por casais homoafetivos dedicam muito mais tempo a seus filhos do que casais heterossexuais, segundo o jornal britânico The Independent.

Para isso, eles analisaram o Censo norte-americano a respeito de mais de 40 mil casais e contataram que pares de duas mães passavam em média 100 minutos por dia com seus filhos; pares de dois pais pouco menos que isso; os pais heterossexuais dedicam em média apenas 50 minutos por dia aos seus filhos.

Nesses minutos eles contaram: ler para elas, brincar com elas, ajudar na lição de casa, dar banho, levar ao médico.

Vale ressaltar que atividades como assistir televisão ou fazer faxina com o filho por perto não foram contabilizados.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Nossas descobertas corroboram com a ideia de que casais homoafetivos investem tanto tempo quanto – ou até mais – em seus filhos que casais heterossexuais”, declarou Kate Prickett, autora desse trabalho.

“Em primeiro lugar, é possível que isso se deve em grande parte à seleção das pessoas. Ou seja, pela maneira como forma-se essas famílias, seja porque o casal se formou quando um dos parceiros já tem um filho, seja por meio de inseminação artificial, barriga de aluguel, ou adoção, todas essas opções realizam-se quando há um desejo muito grande de se ter filhos. Além disso, criar os filhos continua a ser um processo sexista. Homens que formam casais com mulheres ainda tendem a serem os responsáveis pelo ganha-pão, enquanto suas parceiras encarregam-se da maioria das responsabilidades domésticas”, explica.

Já para a editora da revista Diva, voltada para mulheres homossexuais e bissexuais, Jane Czyzselksa, “pais homoafetivos tendem a investir mais tempo planejando como terão seus filhos – nada acontece ‘por acidente’, afinal de contas. O medo da discriminação na escola vinda de pais e professores heterossexuais também deve fazer que alguns desses casais se esforcem ainda mais.”

“Para todos os pais adotivos, dedicar tempo à criança é fundamental para se desenvolver os laços familiares. Pessoas LGBT são forçadas a desenvolver a própria autoconfiança e autoestima, o que as torna adequadas para ajudar uma criança que precisa encontrar seu lugar no mundo”, opina Tor Docherty, executivo-chefe da organização New Family Social, que promove a adição por casais LGBT.

Mas antes que alguém diga, esse é apenas UM estudo, pois saiba que não é não. A PriceWaterHouseCoopers em conjunto com a Families and Work Institute constatou em seu estudo que casais homossexuais comunicam-se melhor e compartilham as tarefas domésticas de forma mais igualitária que os casais heterossexuais.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vai ter família homoafetiva sim e se reclamar, vai ter mais!

Fonte: LadoBi

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,145,419SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Vaquinha arrecada mais de R$ 78 mil para mãe de autista que adotou três crianças com necessidades especiais

Em coração de mãe sempre tem espaço para mais um e a dona de casa, Arely Vieira, é a prova disso! Com 37 anos,...

“Naquela noite, fui mais aluno que professor”. Homem dá lição de empatia durante uma aula de enfermagem

Meu nome é Guilherme, sou enfermeiro e professor de enfermagem e gostaria de compartilhar um aprendizado sobre capacitismo que me tocou muito enquanto orientava...

Junto com o neto, idosa de 77 anos lança marca de tênis feitos à base de cannabis

A dona Maria Otília tem 77 anos e por mais de meio século trabalhou na indústria têxtil, tendo adquirido um conhecimento sem igual na...

Mãe aos 52, ela inspira outras mulheres a encarar a maternidade tardia

Neste depoimento, a arquiteta e chef de cozinha Madalena Albuquerque, 59 anos, do Recife, conta como superou preconceitos ao decidir ter a filha, Maria...

O objetivo da educação não é ensinar coisas, é ensinar a pensar

Rubem Alves foi um grande escritor e educador brasileiro, e dedicou muitos anos de sua vida na formação e autoria de diversos temas dentro...

Instagram