Empresa promove evento para integrar mulheres no mercado de trabalho digital

No Brasil, segundo o PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), 28% dos jovens entre 18 e 24 anos não estudam e nem trabalham. Foi diante dessa realidade que a Laboratória, organização social sem fins lucrativos que forma mulheres e prepara organizações na construção de uma economia digital mais diversa,  decidiu dar oportunidades a mulheres fora do radar das empresas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A organização seleciona, semestralmente, cerca de 60 mulheres para participarem do bootcamp. Durante 180 dias, as alunas têm aula por toda a semana, aprendendo não só sobre aspectos técnicos, que incluem UX e JavaScript, como também habilidades socioemocionais. As estudantes não pagam nada durante o curso e, depois de conseguirem um emprego, elas doam uma contribuição (12% do salário) por até dois anos para que outras mulheres possam ter a mesma oportunidade.

A fim de conectar essas mulheres com o mercado de trabalho, a Laboratória organiza, após o final de cada curso, o Talent Fest, um hackathon de 36 horas que reúne as mulheres formadas e as empresas parceiras da organização.

Leia também:

Divididas em times, cerca de 50 alunas devem resolver desafios propostos por empresas, que enviam profissionais de RH e da equipe de desenvolvimento para acompanhar o desempenho de cada uma delas e avaliar a possibilidade de contratação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Queremos que em até 3 meses essas mulheres iniciem suas carreiras como desenvolvedoras e que sejam protagonistas nas empresas em que trabalharão”, afirma Regina Acher, cofundadora da Laboratória no Brasil.

As participantes da edição atual do hackathon participaram de um processo seletivo concorrido, com mais de 2 mil pessoas e começaram o bootcamp em janeiro deste ano.

A iniciativa se beneficia da expansão do mercado tech na América Latina e busca adaptar seu currículo para a demanda atual das empresas. “Este ano, já temos a confirmação de empresas como Accenture, IBM, Stone, Everis, Loggi e Avanade. A presença dessas organizações é muito importante para o sucesso do evento”, finaliza Regina.

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

Foto: Divulgação

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

 

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,110,307SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora pede para aluno raspar sua cabeça como forma de apoio ao menino

Após um estudante ser intimidado por seus colegas por causa de sua cabeça raspada, sua professora lhe deu uma máquina na mão para que...

Fizeram uma vaquinha para ajudar a família do motorista de Marielle

O Brasil ainda está em choque com o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e diante disso, muitas pessoas estão se manifestando nas redes...

Criança realiza sonho de comemorar aniversário ao lado de bombeiros em Itambé (PE)

O pequeno Edvaldo Neto, de 3 anos, que mora no município de Itambé (PE), tinha o sonho de comemorar seu aniversário ao lado dos...

Jovem de 25 anos se torna a 1ª relações públicas com Down formada no Brasil

Segundo o Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas de Minas, Luisa é a primeira mulher com síndrome de Down a se formar no Brasil.

Instagram

Empresa promove evento para integrar mulheres no mercado de trabalho digital 2