[VÍDEO] Ex-alunos arrecadam R$ 300 mil para quitar casa de cozinheira que trabalhou em república

A cozinheira Jessie Hamilton trabalhou mais de 14 anos na casa de fraternidade da Louisiana State University (EUA). Na época, ela era como uma mãe para os alunos que viviam lá: não somente cozinhava para eles, como servia de colo amigo por estarem longe da família.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Bastante comuns nos Estados Unidos, as casas de fraternidade ou irmandades são como repúblicas, onde jovens estudantes são unidos por um mesmo interesse e acabam virando uma família.

“Ela era realmente como uma mãe para nós”, relembra Andrew Fusaiotti, que viveu na Phi Gamma Delta no final dos anos 1980. “Ela nos tratou como se fôssemos seus próprios filhos. Ela estava sempre cuidando de nós”, completa.

ex-alunos posam com cozinheira
Foto: Hilary Scheinuk/The Advocate

O tempo passou, Jessie parou de trabalhar na Phi Gamma Delta, mas, recentemente, teve toda sua dedicação reconhecida pelos ex-estudantes.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

No dia 3 de abril, pouco antes de seu 74º aniversário, alguns membros da casa e suas famílias surpreenderam a cozinheira com uma celebração ao ar livre em sua casa em Baton Rouge, ocasião em que a presentearam com US $ 51.765 mil (quase R$ 300 mil).

Este era o valor exato que faltava para que ela finalmente completasse o financiamento de sua casa.

ex-aluno posa com cozinheira ajudada
Foto: Andrew Fusaiotti

Para chegar neste valor, mais de 100 membros da casa de fraternidade fizeram uma vaquinha. Esta foi a maneira que eles encontraram de devolver todo o amor e cuidado que ela teve por eles durante os anos em que trabalhou na Phi Gamma Delta.

idosa sentada com família e ex-aluno
Foto: Hilary Scheinuk/The Advocate

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma mulher batalhadora

Mãe solo de 3 filhos, Jessie sempre teve uma vida de batalhas. Para sustentar os filhos e manter a casa sozinha, ela teve no mínimo dois empregos – algumas vezes até quatro! Mas o sorriso no rosto e a dedicação aos outros sempre foi sua marca.

cartão feliz aniversário
Foto: Andrew Fusaiotti

Ela começou a trabalhar na casa da fraternidade em 1982. Na época, acordava às 4h da manhã todos os dias e preparava o café da manhã, almoço e jantar para os 100 membros da fraternidade.

Segundo ela, seu trabalho não consistia apenas em preparar as refeições, mas garantir que todos comessem: “Eu também me certificava de que todos comessem”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mãe de 100

Sim, a comida caseira de Jessie era inesquecível, mas sua importância na casa de fraternidade ultrapassava os dotes culinários! De desafios de relacionamento a estresse na véspera dos exames.

“Eu sempre estava lá para conversar sobre as coisas com eles”. Eles entravam na cozinha, se sentavam em cima do balcão e me contavam seus problemas”, relembra a idosa.

“Ela estava sempre perguntando como as outras pessoas estavam e nunca dizia nada sobre si mesma”, disse ele. “Desde o primeiro dia, ela tinha essa aura que atraiu a todos para ela. Ela sempre cuidou de nós”, afirma Johnny Joubert, ex-membro da casa.

Infelizmente, ela deixou a casa de fraternidade em 1996, mas continuou a fazer malabarismos com dois ou três empregos ao mesmo tempo. Em 2006, ela finalmente conseguiu comprar sua casa, financiada em 30 anos.

O contato com os meninos da Phi Gamma Delta sempre se manteve. Até que, em plena pandemia, ela recebeu a ligação de um dos ex-membros, que apenas queria saber como ela estava.

“Foi quando ela me disse que ainda tinha dois empregos”, disse Andrew Fusaiotti. “Eu perguntei a ela por que e ela disse que não tinha dinheiro para se aposentar”, completa.

A vaquinha

Naquele momento, Fusaiotti decidiu fazer alguma coisa para que ela pudesse descansar e se manter em casa com segurança. Com o colega Johnny Joubert, passou os últimos meses organizando uma vaquinha entre todos os ex-membros da fraternidade. Não importa a quantia dada, eles estavam determinados a ajudar a cozinheira.

E então, no início de abril, quando a quantia finalmente havia sido arrecadada, eles organizaram uma festa surpresa, apelidada de Dia de Jessie Hamilton. Com todos os presentes vacinados e sem riscos de contaminação, este foi um dos melhores dias da vida da senhorinha.

“Se eu não estivesse sentada, teria caído!”, disse Hamilton. “Eu estava gritando e chorando”, relembra.

No entanto, é claro que não foi apenas ela quem ficou emocionada. “Para ser capaz de homenagear Jessie e dar a ela algo que mudaria sua vida, eu não acho que poderia descrever completamente como isso nos fez sentir”, disse Joubert.

Assista ao momento emocionante em que Jessie é presenteada (ative a tradução automática para gerar legendas em Português)!

Com a casa paga, ela finalmente poderá levar uma vida mais calma e isso graças aos ex-alunos, que um dia foram tão ajudados por ela. No fim das contas, é tudo uma questão de gratidão!

“Para nós, mostrar aos nossos filhos qual é o verdadeiro significado do sucesso – que não se trata de carros sofisticados, barcos e casas de veraneio – foi incrivelmente especial”, disse Fusaiotti, que tem dois filhos.

“Sucesso é dar um bom exemplo, fazer coisas pelos outros e aproximar as pessoas. Jessie faz todas essas coisas por sua família, amigos, comunidade e colegas de trabalho”, disse emocionado.

Fonte: Washington Post

Quer mais uma história inspiradora? Temos!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,518,910SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mesquita dentro de igreja une muçulmanos e cristãos no Canadá

Antes da igreja abrir suas portas, a comunidade muçulmana viajava duas horas até a mesquita mais próxima e uma única vez no ano.

Barbeiro encontra forma adorável de cortar o cabelo de menino autista

Jamie Lewis e Mason, filho de Denine Davies, foram diagnosticados com autismo. Há alguns meses ele estava tentando encontrar um barbeiro que poderia ajudar seu menino...

Tocando em frente: tetraplégico formado em Psicologia é exemplo de superação

O paraibano Levi Wenceslau, 36 anos, tinha o sonho de ser músico ao concluir o Ensino Médio. Tudo mudou no dia do seu aniversário....

Jovem aprende a cuidar sozinho do pai idoso e retrata as dificuldades após morte da mãe

“De repente me vi só em uma casa com o meu pai idoso e necessitando de cuidados”, diz jovem sobre a morte da mãe.

Estudantes de veterinária atendem gratuitamente cavalos de carroceiros em BH

Além de aprender mais, os estudantes prestam um serviço social valioso para os carroceiros sem cobrar nada por isso.

Instagram