Ex-catador de lixo conclui doutorado em Florianópolis

Da vida no lixão ao doutorado em Linguística na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dos livros, Dorival Gonçalves Filho, de 35 anos, tirou a força para vencer os obstáculos que a vida lhe reservou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dorival cresceu em um lixão, na cidade de Piedade, no interior de São Paulo. A mãe, dona Lucrécia, tirava o sustento da família do lixo. Ao lado dos quatro irmãos, foi lá onde ele começou a trabalhar. A necessidade do trabalho, ainda pequeno, veio acompanhada pela paixão pelos livros, estimulada pelas histórias que a mãe contava para ele.

Ele não pôde ir à escola por sete anos, já que era difícil conciliar trabalho e estudo. Dorival retornou para a sala de aula depois que a mãe passou a receber o Bolsa Família. Impressionados com o conhecimento do menino e sabendo do seu interesse pela literatura, os professores sugeriram que ele cursasse a faculdade de Letras.

Após concluir o ensino médio, ele foi aprovado no vestibular em Letras da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), no campus de Assis (SP). Dorival se graduou em 2010 e foi para Guaramirim, cidade no norte de Santa Catarina, para onde a mãe, os irmãos e os sete sobrinhos haviam se mudado.

Lucrécia foi fundamental para o sucesso do filho. Durante a graduação, Doddy, como é conhecido, pensou em largar os estudos. “Eu não tinha celular para conversar com a minha família, mandava carta pra minha mãe falando que não sabia se ia conseguir. E ela dizia ‘claro que vai, eu vou ver o que posso fazer pra te ajudar’”, disse ele, em entrevista para o GAÚCHAZH.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em Guaramirim, Doddy começou a dar suas primeiras aulas. Mas, a vontade de estudar ainda era grande. Pouco tempo depois, ele ingressou no mestrado em Linguística da UFSC e engatou o doutorado na mesma instituição.

Contudo, engana-se quem pensa que Dorival vai parar por aqui. Ele quer continuar os estudos e sonha em conhecer a França. Outro projeto de Doddy é terminar sua autobiografia, sem data para publicação, que vai inspirar muitas pessoas a nunca desistir de seus sonhos – por mais que eles pareçam impossíveis. 💪 👊

Foto de capa © Cristiano Estrela/Diário Catarinense/Reprodução

Leia também!

Universidade Federal do Amazonas forma primeiro mestre surdo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foto de capa © Cristiano Estrela/Diário Catarinense/Reprodução

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,755,527SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Um casaco que vira saco dormir para ajudar moradores de rua

Pessoas desabrigadas são talvez a consequência mais triste da impressionante desigualdade social, mesmo em países mais ricos. Só na cidade de Detroit, EUA, mais...

Filho de tenista ‘invade’ quadra e consola pai em derrota que encerrou sua carreira

O tenista francês Nicolas Mahut recebeu um abraço de consolo do filho após ser derrotado na última partida da sua carreira.

Adolescente cria saco de dormir que devolve dignidade a moradores de rua

Uma menina de 15 anos inventou um saco de dormir salva-vidas para os desabrigados. Eles são impermeáveis, fáceis de ver e práticos. A cientista Emily Duffy...

Homem cria ‘calçados que crescem’ para que crianças pobres possam usá-los mais tempo

As vezes, a invenção mais simples pode mudar milhões de vidas, neste caso a invenção de calçados que crescem junto com as crianças. Existem soluções...

Professora inclui aluno cego com materiais 100% táteis e viraliza nas redes sociais

A professora de Geografia Fabiana Rocha criou para Nathan gráficos com diversas texturas, pirâmides etárias de Lego, mapas com divisões em linhas e grãos, entre outros materiais táteis para incluir o aluno nas suas aulas.

Instagram