Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP)

“Eu me chamo Ariane, tenho 27 anos, sou mãe de três filhos e moro na Cidade Tiradentes, extremo leste de São Paulo. Vou contar um pouco da minha história, da minha trajetória até os dias de hoje…

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Tudo começa no ano de 2009. Na época eu tinha apenas 13 anos. Residia em Guaianases, numa comunidade bem animada e divertida, pois possuía tudo que uma adolescente queria: bagunça, bebidas, drogas, amizades falsas e homens que queriam aproveitar de meninas inocentes.

Um certo dia conheci o pai dos meus dois primeiros filhos. Ele era gerente da boca e eu super encantada com aquele homem bonito, mais velho. Acabei me envolvendo com ele. “Confesso, foi meu erro”. No começo era tudo maravilhoso.

Engravidei aos 13 e aos 17 anos. Uma criança cuidando de dois bebês. Foi quando começou a tortura psicológica e depois vieram as agressões físicas. Nesse momento eu conheci o tráfico. Descobri o que era sofrer de verdade. Ele me batia diariamente e eu ficava só dentro de casa com meus filhos.

Já mais velha, comecei a usar drogas. Passei a cheirar cocaína para amenizar as dores e o sofrimento. Tortura atrás de tortura por cinco anos. Eu que abastecia as biqueiras e tinha que levar droga com meu filho no colo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ao chegar em casa, eu me dopava de remédio. Tentava me matar. Assim foi a minha vida ao longo de cinco anos até eu resolver ir embora para a Cidade Tiradentes. A essa altura, eu já estava viciada em cocaína e álcool.

Foi nessa época que eu conheci o meu parceiro de B.O. Ele me ensinou a roubar carros, a maneira de parar os veículos e abordar as vítimas. Em uma dessas presepadas, infelizmente (ou felizmente), fui presa. E confesso graças a Deus, senão eu não estaria aqui hoje.

Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP) 3
Vista aérea da Cidade Tiradentes, bairro localizado no extremo leste da cidade de São Paulo. Foto: Gabriel Cabral/Folhapress

Quando eu cheguei na cadeia pensei que eu não sobreviveria naquele lugar, mas eu sobrevivi e aprendi.

Agradeço a Deus por ter passado pelo sistema prisional. Hoje eu tenho novos hábitos, dou valor às mínimas coisas; à minha liberdade, à minha família e filhos. Fui sentenciada a oito anos e seis meses. Fiquei um ano em Franco da Rocha, passei por Santana, ficando quase dois anos privada da minha liberdade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estou na rua há seis anos lutando, matando um leão por dia. Muitas vezes criticada, humilhada, sem ter a oportunidade de arrumar um serviço digno, porque a sociedade é cruel.

Enfim, o ano de 2021. Mês de outubro.

Conversando com uma amiga, a Karina, egressa como eu, ela me falou do Instituto Recomeçar. Eu toda desconfiada, desiludida e sem esperança, comecei a pesquisar e me aprofundar. Tentei descobrir mais sobre a instituição que só fazia o bem para egressos e familiares.

Liguei, mandei mensagem e marquei um dia para ir conhecer e passar pelo desenvolvimento. Chegando lá até estranhei, pois eram só pessoas bonitas e arrumadas que falavam super bem. Eu pensava: “Jesus, será que eu estou no lugar certo?”.

E sim, eu estava. O mais importante de tudo é que não me olhavam com olhar de crítica, nem julgamento. Eu era igual a todos, não tinha diferença nem preconceito. Soube ali que eu não estava sozinha nessa luta. Eles também passaram o mesmo sofrimento, pela opressão do sistema, pelos preconceitos da sociedade. E eles estavam ali para fazer a diferença e mudar as estatísticas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP) 4
Fachada do Mercado Municipal da Lapa, em São Paulo. Foto: Reprodução

Daí em diante foram só progressos e vitórias. Passei pelo desenvolvimento profissional, pessoal e educacional, juntamente com os meus mediadores Júlio e Jorge. Em um certo dia um colaborador falou uma coisa que eu levarei para toda a vida:

“Nós estamos aqui para somar, apoiar, para segurar sua mão. Nós estamos de braços abertos para vocês, mas quem pode mudar a sua própria história é apenas você. Você precisa acreditar que vai dar certo. Quando forem embora, nós entregaremos uma maleta com ferramentas. Chegando em casa vocês terão duas opções: jogar em qualquer canto ou abrir e desfrutar de cada ferramenta fornecida…

E isso foi o que eu fiz. Abri a minha maleta e peguei minhas ferramentas. Fui desfrutar de cada uma delas e usei quatro nos meus cursos profissionalizantes (trança, design de sobrancelha e controladora de acesso). É estranho uma egressa gostar da área da segurança, do outro lado do muro.

E o mais importante de todos veio depois, pois era o começo de um sonho: fazer o curso de ajudante de cozinha e aprender sobre esse amor pela gastronomia. Deus me deu essa oportunidade. Fiz o curso ao longo de 12 dias no Mercado Municipal da Lapa. Eram duas horas de condução cheia, exaustão física e psicológica, cansaço, dor, choro e a sensação questionadora de “será que vai dar certo?”.

Deu certo.

Agradeço à diretoria do Mercado da Lapa, que forneceu a cozinha para o Centro Paula Souza, CAEF e todos os colaboradores envolvidos…

E hoje eu posso dizer para vocês que eu me formei e através disso e de muita luta, da minha persistência, eu ganhei um estágio na renomada confeitaria da chef Marilia Zylbersztajn, formada na importante escola Le Cordon Bleu. Marilia me deu essa oportunidade de crescer cada dia mais.

Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP) 5
Ariane Aparecida. Foto: Reprodução

Ganhei uma bolsa de um ano de gastronomia francesa, fruto de muitos estudos até altas horas. Futuramente eu serei uma cozinheira. Minha meta agora é ser uma chef!

Quero mostrar à sociedade que nós podemos mudar, sim. Erramos, pagamos, mas sempre tem uma chance de recomeçar.

Hoje eu digo que eu sou apta e qualificada para se reintegrar ao mercado de trabalho e voltar ao convívio social.

Talvez eu seja uma em um milhão… Vamos mudar isso, mostrar para a sociedade que precisamos apenas de uma oportunidade, não de julgamentos ou críticas. Juntos somos mais fortes.

Todos por uma causa, somos capazes de mudar a estatística da reincidência criminal.

Hoje eu não me sinto mais como uma egressa, pois eu mudei minha história. Quero ser um exemplo de vida e superação para os jovens da atualidade. Para dizer para aquele garoto ou garota, movido na emoção, na ilusão de dinheiro fácil, faminha banal, que não vale a pena.

Vamos mudar o mundo e as pessoas. Essa foi a receita que eu aprendi.

Obrigada, Recomeçar, Leo Precioso, CAEF, Verônica, Mercado Municipal da Lapa, Júlio, mentora Ana Rodrigues, Jorge, Marilia Zylbersztajn, Audrey, Ação pela paz, todos os psicólogos, gestão, direção e autoridades.

Relato de Ariane Aparecida publicado originalmente em Instituto Ação pela Paz.

Quer mais uma razão para acreditar? Dá o play!

Morei na rua, mas consegui me reerguer e abrir um Projeto Social

O Valmir Silva transformou todas as dificuldades que enfrentou em um Projeto Social que transforma vidas! 💪Depois da mort3 do irmão que tinha envolvimento com o tráfic0 de drog4s, Valmir criou o projeto Apenas um Filho. Hoje ele é professor e atleta de jiu-jitsu multicampeão.

Publicado por Mais Razões em Sábado, 10 de setembro de 2022

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM







Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP) 7

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
5,080,475SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Acredite se quiser: essas praias incríveis e esses prédios modernos são no Quênia!

Se você assistiu o último episódio do Razões na África, vai se lembrar que falamos com a nossa querida Julie sobre a musicalidade do...

Em seu último dia de quimioterapia, mulher é surpreendida com 500 flores coloridas por seu marido

Era o último dia de quimioterapia de norte-americana Alissa Bousquet. Se por esse motivo ela já estava muito feliz, após longo e difícil tratamento contra...

Youtube comemora Copa do Mundo e Mês do Orgulho LGBT com vídeo anti-homofobia

Para celebrar a Copa do Mundo e o Mês do Orgulho LGBT, o Youtube está homenageando com a campanha #ProudToPlay e #JogueComOrgulho os atletas LGBT, apoiadores e canais do...

Projeto recolhe kits de viagem e redistribui para moradores de rua

Conheça o Mini Gentilezas, um projeto que dá o melhor destino possível para aqueles kits de viagem que você traz dos hotéis e geralmente...

Outdoors viram moradias para moradores de rua na Eslováquia

A falta de moradia é uma complexa questão global, e encontrar soluções envolve a coordenação de diversas áreas e serviços. O Gregory Project visa proporcionar...

Instagram

Ex-detenta vira auxiliar de cozinha e se prepara para cursar gastronomia francesa (SP) 8