Ex-interna e prestes a se formar na Universidade, hoje ela dá aulas a jovens infratores

Ravena Carmo, de 27 anos, é ex-interna do Centro de Atendimento Juvenil Especializado, em Planaltina (DF).

A ex-interna do Centro de Atendimento Juvenil Especializado foi presa aos 14 anos por tentativa de homicídio. Felizmente, o tiro que ela disparou contra a vítima não foi fatal.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Antes de cumprir a pena máxima de três anos, ela já tinha passagem por falsidade ideológica, porque havia usado documentos falsos. E tudo isso por causa do envolvimento com o tráfico de drogas. “No começo da adolescência, eu não tive apoio da minha família e ainda sofria bullying por ser gordinha. Então, de uma certa forma, o crime me seduziu, me empoderou”, disse ela.

Ravena reconhece que não achava que sua vida sofreria uma reviravolta: “Eu não achava que minha vida ia mudar da forma que mudou”. Perto de completar 18 anos, ela ainda flertava com as drogas. Até o dia em que ela resolveu procurar emprego e passou a ser vendedora de loja.

Ela trabalhou por dois anos e juntou o dinheiro da rescisão do emprego para pagar aulas de reforço escolar e estudar para o vestibular. “O dinheiro acabou e eu não passei na primeira tentativa. Mas aí recorri a videoaulas no YouTube e estudei em casa, com muito empenho”, lembra.

O resultado da segunda prova a pegou de surpresa: um primeiro lugar no curso de Matemática da Universidade de Brasília (UnB). Mesmo com todas as dificuldades, Ravena, que é mãe de Miguel, de cinco anos, alcançou o seu objetivo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas, o começo não foi fácil. Ela pensou em desistir várias vezes por não conseguir acompanhar as aulas. “Chorava no banheiro porque não conseguia acompanhar. Pensei em desistir várias vezes”, admitiu.

A ex-interna superou as dificuldades e se inscreveu em um programa da UnB, para aulas no sistema socioeducativo. Há quatro anos, Ravena ensina jovens que a fazem lembrar de como ela era dez anos atrás. “Eles não acreditam em como consegui sair do crime. Quando falo que estive no lugar deles, todos se surpreendem”, conta.

A formatura está programada para o ano que vem. Ravena já sonha com o mestrado e o futuro trabalhando nas salas de aula. “É uma dívida que eu tenho coma educação”, revelou.

Leia também:

Orixás da cultura Yorubá vão virar personagens de histórias em quadrinhos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estudantes se unem para reformar casa de aposentada em Porto Velho (RO)

Ele teve a melhor reação depois que soube que tiravam sarro dele na academia

Com informações do Jornal de Brasília / Foto: Myke Sena

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,518,910SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Projeto quer dar visibilidade a artesãs cearenses e repensar o consumo

Quem trabalha com artesanato enfrenta muitas dificuldades para viver do seu próprio trabalho. A principal, talvez, seja comercializar o seu produto, a partir de...

Vereadores vão receber salário mínimo a partir de 2017 na Paraíba

Os políticos recebem salários totalmente fora da realidade da maioria da população. Muito mais do que deveriam receber pelo cargo para o qual foram...

Mães organizam festa para menino autista rejeitado em aniversário

Após ter sido rejeitado em uma festa de aniversário e taxado de "problemático" por ser autista, o pequeno Arthur ganhará uma festa só pra...

Ex-refugiado que escapou da guerra desenvolve games pela paz

Nascido no Sudão do Sul, Lual Mayen precisou caminhar centenas de quilômetros até a Uganda fugindo da guerra civil na região. Nesta jornada, ele...

Instagram