Ex-menino de rua que morava em armário de aeroporto passa em 5 concursos públicos importantes

Ismael Batista tinha apenas 8 anos quando fugiu de casa após o pai, que não queria gente fumando maconha na esquina onde morava, ser assassinado por traficantes de drogas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Sem ter para onde ir, o menino, que vivia em um barraco em Samambaia, no Distrito Federal, passou a viver no Aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasilia.

  • O livro Seu Sonho tem Futuro veio para que você viva seu sonho e crie renda extra, sem gastar dinheiro próprio!

Por quase um ano ele dormiu em um armário do bagageiro do aeroporto e vivia de bicos empurrando carrinhos de passageiros e das coisas que ganhava dos funcionários, para comer e manter-se aquecido.

Então um dia a vida de Ismael mudaria novamente, mas para melhor. Ele seria adotado pela mãe de uma funcionária do aeroporto.

Andréa Carvalho, na época com 19 anos, costumava ajudar o menino. Sem a mãe saber, ela levava Ismael para tomar banho em sua casa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente fez amizade. Às vezes eu chegava lá e comprava café da manhã para nós dois. Quando não tinha dinheiro, ela comprava café para mim, e almoço também”, disse Ismael ao G1.

Claro que logo a mãe descobriu e se encantou pelo menino. Convidou-o para morar com elas e agora já tem a guarda legal do jovem, que ela pediu para a mãe biológica dele.

“Até hoje elas têm uma boa relação. Minha mãe biológica respeita muito a adotiva e tem muita gratidão, mas elas não têm contato, uma não liga para a outra”, disse.

Mas as melhorias da vida de Ismael não pararam por aí. Quando chegou em seu novo lar, ele não sabia ler e passaria a frequentar a escola.

“Fui estudar em uma escola em que eu era o único negro. Tinha perdido um ano e meio de aula e era o mais velho em uma turma de crianças. Passei bastante por essa questão do preconceito. Tinham professores que tinham preconceito, amigos. Ele se revela de várias formas, no simples fato de uma criança não querer brincar com você por ser negro. Depois, entre um determinado grupinho, descobri que tinham me dado apelido de ‘piva’ [pivete], que é moleque de rua”, contou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas isso não o abalou, tanto que aos 22 anos ele passaria em seu primeiro concurso público, para bancário no BRB.  Ele estudava cerca de 12 horas por dia.

Seis meses depois, foi chamado para técnico no STF. E não parou por aí, ele foi aprovado também no Conselho Nacional do Ministério Público e para outros 3 concursos públicos.

Atualmente, aos 33 anos, ele estuda para a segunda fase do concurso de delegado de Polícia Civil.

“Deus é o que me move! O que fez mudar minha história foi o amor…”, disse em entrevista ao SóNotíciaBoa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E se você também tem um sonho, este livro te ajudará a dar o próximo passo.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,765,320SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Paris já tem supermercado sem embalagens e só de orgânicos

Um supermercado sem embalagens é possível? "Mas como as pessoas vão proteger suas compras"? Seguindo a mesma linha de Berlim, agora a cidade de Paris também...

Mulher dá café da manhã para pacientes com câncer em hospital de BH

A Renata Medeiros, 45 anos, enfrentava um câncer de mama agressivo quando identificou que muitos pacientes não se alimentavam por não terem condições. Foi...

Ele ajudou o pai a se livrar do vício nas drogas e comoveu os internautas

Uma verdadeira inspiração para pessoas que têm parentes dependentes químicos.

Passageiros poderão pagar corridas de Uber com Bilhete Único em SP

O Uber já estrelou algumas matérias do amor infinito aqui, como quando eles levaram água potável para moradores de Governador Valadares (MG) ou trasnportaram cães à...

Neto leva avó de 94 anos para viajar de caminhão pela 1ª vez: ‘Empolgada a viagem toda’

Cerca de um ano atrás, Diego trabalhava como DJ, mas se viu forçado a escolher um novo trabalho. "Eu tinha outras opções, mas a que...

Instagram