Família de menino que doou R$ 21,45 para hospital ganha casa nova no RS

Clique e ouça:

O menino que vendeu latinhas por uma semana e doou todo o dinheiro conquistado – R$ 21,45 – para o único hospital de sua cidade, Antônio Prado (RS), ganhou uma casa nova!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leonardo Cambruzzi Maziero, 11 anos, e sua família se mudaram na última quinta (9), a tempo de celebrarem o domingo de Páscoa no novo lar.

Eles moravam em uma casa bastante simples, alugada na Linha Scavuzzi, e receberam uma ordem de despejo, recorrendo à Defensoria Pública para não ficarem sem-teto.

família menino doou dinheiro hospital ganha casa novo
Foto: Antonio Valiente/Agencia RBS

De acordo com Zuleide Cambruzzi e Adair Maziero, pais de Leonardo e outros dois filhos – Rafael, 13, e Eduardo, 4 –, a família recebe auxílio do Bolsa Família (R$ 212 mensais) e o Benefício de Prestação Continuada à Pessoa com Deficiência, que equivale a um salário mínimo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A defensora pública Danusa Antonia Ceccato explica que a casa nova não tem a ver com o gesto solidário de Leo, pois a administração municipal já acompanhava a família do menino desde fevereiro.

família menino doou dinheiro hospital ganha casa novo
Foto: Antonio Valiente/Agencia RBS

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

“A assistência foi até o local e atestou que era bem precário. No início de março, meu colega entrou com uma ação judicial pedindo direito à moradia. Em Antônio Prado, o pedido foi indeferido em função da legislação eleitoral. Mas recorremos ao Tribunal de Justiça e, no dia 25 de março, houve a determinação para que eles fossem inseridos num programa habitacional ou que o município concedesse o aluguel social”, explica Danusa.

Leo e sua família terão direito a um ano de auxílio do aluguel social, arcado pela prefeitura. A expectativa é que eles consigam entrar em algum programa habitacional do município para garantir uma residência fixa.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Pelo menos, momentaneamente, eles vão ter essa moradia digna”, reforça a defensora pública.

Relembre a história de Leonardo

Leo virou notícia em todo o Brasil na semana passada após doar R$ 21,45 para o Hospital São José, em Antônio Prado, município de 13 mil habitantes na serra gaúcha.

Por uma semana, o menino coletou latinhas de alumínio pela cidade e doou o valor equivalente para a instituição, com o objetivo de colaborar no combate à pandemia de coronavírus.

família menino doou dinheiro hospital ganha casa novo
Foto: Reprodução/Instagram

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Canal Coronavírus: veja boas notícias, vagas home-office e como ajudar pequenos negócios clicando aqui.

Após entregar a quantia no Hospital de Antônio Prado, o garoto foi até uma rede social fazer um desabafo: disse ter sentido uma imensa alegria em ajudar, mas lamentou “ter juntado tão pouco”.

“Vergonha tive muito de só conseguir juntar pra doar R$21,45. Eu queria pode ter doado mil vezes mais que isso”, disse. “No começo me deu medo de entrar lá só com aquele dinheiro, mas quando me veio em mente que poderia sim estar faltando R$ 21,45 para comprar um respirador e salvar a vida de alguém, entrei sem pensar duas vezes”, afirmou.

família menino doou dinheiro hospital ganha casa novo
Foto: Reprodução/Instagram

A mãe de Leo disse estar muito orgulhosa do filho. “Eu jamais pensei que ele ia fazer uma coisa dessas. Fiquei muito feliz. Tenho orgulho dele”, disse Zuleide Cambruzi.

O diretor administrativo do Hospital São José, Diógenes Weber, disse que a doação de Leonardo é motivo de inspiração para a instituição.

“Esse gesto não tem preço, não é pela doação material e sim pelo que ele trouxe de exemplo pra cada um de nós nesse momento, que devemos refletir sobre toda essa situação que ocorre no mundo. Leonardo, você trouxe uma motivação a mais pra toda equipe do hospital que vai se empenhar e vai dar o seu melhor pra ajudar a todos no enfrentamento do coronavírus”, concluiu.

Plataforma dará cachê a 600 a maquiadores autônomos que estão sem trabalhar por causa da Covid-19, saiba mais clicando aqui.

Campanha para reformar casa do gari que continua trabalhando durante pandemia do coronavírus

vaquinha reforma casa gari continua trabalhando pandemia coronavírus
Foto: Arquivo pessoal

Mesmo diante do isolamento social por conta da pandemia do coronavírus, tem profissionais que se arriscam e arriscam também seus familiares ao serem expostos ao risco de contágio do vírus para prestarem seus serviços que são essenciais para a sociedade.

Entre eles, não podemos deixar de aplaudir os garis, que estão mantendo as ruas limpas para evitar a proliferação do vírus. Um deles é o Rafael do Santos, gari em Belo Horizonte (MG), que há dois anos está na profissão que leva o sustenta de casa.

Rafael chamou atenção de todos ao fazer um vídeo enaltecendo o trabalho dele e dos colegas que é muito importante para todos nós, ainda mais nesse momento.

Com a esposa Jéssica, que ajuda em casa como operadora de caixa, e mais dois filhos pequenos, um de 5 e outro de 1 ano, seu sonho, além de se formar em técnico de enfermagem, é reformar sua casa que possui rachaduras e chove dentro.

Para ajudá-lo na reforma da casa, lançamos a sua vaquinha na VOAA. Clique aqui para ajudar.

Fonte: Pioneiro

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,026,653FãsCurtir
2,191,217SeguidoresSeguir
11,997SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Brasileira voluntária da 2ª Guerra Mundial é hoje voluntária na luta contra o Coronavírus

A dona Blandina era adolescente quando confeccionou luvas para os soldados brasileiros da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que lutaram na 2ª Guerra Mundial. Lá se...

Jovens antecipam casamento após saber que um deles tem apenas 5 meses de vida

Se você, assim como eu, se acabou de chorar vendo "Um amor para recordar" lá em 2002, se prepare: essa história é real, e...

Policiais unem-se a manifestantes em ato contra racismo e violência, nos EUA

É preciso tomar muito cuidado com generalizações, afinal, a profissão e a raça de uma pessoa não podem a definir. E para provar isso, diversos...

Engenheiro cria próteses gratuitas para pessoas carentes em impressora 3D

Aos 24 anos, o engenheiro industrial Guillermo Martinez decidiu usar todo seu conhecimento e criatividade em prol das pessoas carentes. Depois de comprar uma...

Pela primeira vez o Solstício de verão de Stonehenge será transmitido online

Pela primeira vez na história poderemos acompanhar o solstício de verão de Stonehenge online, o evento marca o dia mais longo do ano e...

Instagram