Faxineira brasileira fará palestra para doutores em universidade de Nova York

A faxineira Alline Parreira vai narrar sua história de vida para um colegiado de doutores na Universidade da Cidade de Nova York (CUNY), nesta sexta-feira (15).

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela nasceu o município de Manga, sertão de Minas Gerais, na divisa com a Bahia. Segundo informações do site Brazilian Times, Alline foi adotada ilegalmente por uma mulher intersexual quando estava na barriga de sua mãe biológica.

Depois, a mulher doou Alline, com três anos de idade, para uma mulher extremamente pobre. Mais tarde, ela ainda seria adotada pela mãe dessa mulher. Três adoções em um curto período de tempo bagunçam a saúde psicológica de uma criança, você deve imaginar.

faxineira brasileira palestra universidade nova york
Cartaz da palestra da faxineira Alline Parreira

Porém, esse era só o começo de uma batalha maior: contra o racismo e sua aceitação identitária como mulher negra, sem referência alguma na sua família adotiva branca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Alline passou por todo tipo de provação, na comunidade, em casa e na escola, onde era excluída e privada do direito básico à educação – a ativista social foi alfabetizada pela mãe, analfabeta, com quem aprendeu a ler e escrever juntas.

faxineira brasileira sítio minas gerais
Alline narraá sua trajetória em uma palestra para doutores na Universidade da Cidade de Nova York

Graças ao auxílio de programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família, implementado nos governos de Lula e Dilma Rousseff, ela começou a dar a volta por cima. Durante uma viagem à África, com uma bolsa oferecida pelo governo da ex-presidente, Alline tornou-se a mulher negra que ela é hoje.

“Mudou meu rumo, e ampliou os meus horizontes, com conhecimento prático, de uma mulher negra viajando sozinha”, lembra a faxineira que mora em Nova York há dois anos.

Desde então, Alline, que já era uma leitora assídua de autores e militantes da luta contra o racismo estrutural, como Angela Davis (“Mulheres, Raça e Classe”) e Frantz Fanon (“Pele Negra, Máscaras Brancas”), começou a aplicar os conceitos que aprendia à sua própria realidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Quando relato minha trajetória, as pessoas se surpreendem. Vivi muitas opressões tanto da minha família adotiva, quanto na escola. Ninguém nunca esperou nada de mim.

faxineira nova york estátua da liberdade

“Para nós, mulheres negras, não foi permitido narrar nossas histórias em primeira pessoa. Eu quebro esse paradigma, eu que conto minha história, para mim é muito importante”, afirma Alline.

A convite do Coletivo BradoNY, a mineira narrará sua trajetória em uma palestra documental, na CUNY University, com mediação do doutor Eduardo Vianna. A palestra vai mesclar poesia, oralidade e projeções de sua história, de quando morava no município de Manga até a vida em Nova York.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também!

Ex-catador de lixo conclui doutorado em Florianópolis

crédito das fotos: divulgação

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,646,763SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Homem faz tosa gratuita em cães mais velhos de abrigos para facilitar a adoção

Os cães de abrigo mais velhos estão longe de ser a preferência de quem quer adotar um cachorro, seja por causa da idade ou...

Após ser alvo de piadas por trabalhar com carro velho, jardineiro terá carro novo com vaquinha

Seu Baltazar vai ter um carro novinho para trabalhar, gente! Nosso jardineiro de Santo Ângelo (RS) foi alvo de piadas de alguns jovens que...

Aos 92 anos, brasileira recebeu o principal prêmio de agricultura orgânica mundial

A engenheira agrônoma Ana Primavesi, atualmente com 97 anos, luta pela saúde de nossos solos há 72 anos. Enquanto a maioria de nós nem existia, ela...

Menina dá seus primeiros passos após médicos dizerem que ela nunca andaria

Os médicos realmente acreditavam que um anjinho chamado Felicity nunca andaria? A pequena Felicity Edgar mostrou que eles estavam errados. Felicity (“Felicidade”, em português) mora...

Instagram