Feminismo, nudez e tabu: a fotógrafa Olivia Nachle só quer naturalizar o corpo

Você veio ao mundo vestido (a)? Certamente, não. Embora a grande maioria das pessoas fique despida pelo menos uma vez por dia, são poucas as que admiram ou conhecem seu próprio físico. Ciente disso, a jornalista e fotógrafa Olivia Nachle, faz cliques na busca de naturalizar o corpo, deixando de lado o pudor e os pecados. Conversei com ela sobre feminismo, nudez e tabu, essa palavrinha que censura e impede avanços.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Uma praia de San Diego, na Califórnia, foi cenário para o projeto “Ser Água”, que capta a conexão entre mulher e natureza, formas fluídas e orgânicas. Ele foi feito junto com a amiga de Olivia, Thais Tavares, jornalista e instrutora de yoga. O nu, infelizmente, é constantemente clicado de um jeito apelativo, machista e que objetifica o corpo feminino. As consequências disso, ao longo de várias gerações, é o fomento de uma idealização perfeita, irreal, obcecada e que abre precedentes para o assédio.

nudez-tabu fotógrafa Olivia Nachle

O tabu da nudez

Estar nu é, antes de mais nada, estar livre, inclusive das amarras sociais. Para uma mulher, o preço que se paga pode ser muito alto e até perigoso, afinal, a hostilização já é comum só pelo uso de uma saia curta ou um decote, peças que mostram mais pele do que “deveriam”, segundo os padrões conservadores. Isso já pode ser o gatilho para uma série de discórdias, estigmas, injustiças, julgamentos e pequenas e grandes violências.

Dito isso, a primeira pergunta que faço é para você, leitor ou leitora: até quando? As demais perguntas, quem me responde é a Olívia, diretamente da Indonésia:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

– Nascemos nus e morremos, teoricamente, despidos. Na sua visão, por que andar nu ainda é um tabu? E por qual motivo isso choca tanto?

A impressão que tenho é que distorceram totalmente a visão do que o nosso corpo representa. Primeiro, por toda essa sexualização que ensinaram que ele carrega -corpo é muito mais do que só essa camada sexual. Depois, por um padrão completamente irreal que disseram que era o que deveríamos seguir -e que faz com que todos fiquemos presos a um modelo que pouquíssimas pessoas têm. Essas duas coisas impedem que a gente olhe pro nosso corpo do jeito que deveríamos: como nosso templo, como nosso reflexo aqui do lado de fora. Acho que esse conjunto de favores, muito característicos da nossa sociedade, jogam uma dose sem tamanho de julgamento e de hipocrisia nessa questão.

– O corpo feminino é visto com beleza e delicadeza, formas que muitas vezes se confundem com vulgaridade e até mesmo levam ao assédio. Como desconstruir essa imagem? Acredita que o seu trabalho ajuda nessa tarefa?

Esse é um dos pontos de maior hipocrisia quando a gente fala de nudez: nessa sociedade extremamente machista em que a gente vive, nossos pais e até avôs foram ensinados que quando o cara faz 13 anos, ele tem que trepar. Eles cresceram vendo revistas de mulher pelada cujo único objetivo era objetificar o corpo da mulher, além de ensinarem para os meninos que existe um tipo certo de “mulher pra casar”. É uma cultura que está muito enraizada na forma como a sociedade vê o corpo feminino. Por que um homem pode andar sem blusa na rua, mas a mulher pode até ser presa se quiser fazer topless? É vital que a gente combata esse tipo de visão. Mas como? Se cobrindo? Abaixando a cabeça pros julgamentos que já estamos tão acostumadas?

O que eu tenho percebido é que a nossa geração está assumindo as rédeas para decidir o que bem fazer com o seus corpos: se quiser mostrar, mostra; se quiser cobrir, cubra. Escolha é a palavra chave. Meu corpo, minhas regras. É claro que ainda tem uma linha muito tênue que separa essas visões, e que pode ser interpretada de várias formas. Muitos dos ensaios que eu faço tem um objetivo por trás de quem está sendo fotografada, que pode ir desde a libertação de padrões, até a tentativa de quebrar traumas antigos, como assédios e estupros. Porém, é fato que às vezes as motivações não chegam até quem vê as fotos, onde acabam enxergando só o casco: a sexualização. É uma questão delicada, que vivemos diariamente. Mas eu tenho sentido que a empatia vem aumentando -e que essa sensibilidade necessária por trás de um corpo pelado vem sendo espalhada.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

nudez-tabu

– Se despir é uma forma de se empoderar?

Absolutamente. Se despir é a forma mais literal de tirar as camadas que colocaram na frente dos nossos olhos e que não permitem que a gente se enxergue da forma como realmente somos. Nos olhamos no espelho e já procuramos aquelas “imperfeições” que sempre nos apontaram. Ficar pelado -e se sentir bem com isso- é uma das sensações mais libertadoras, que acabam refletindo em várias outras áreas da nossa vida.


– Por que e como optou por fazer cliques de mulheres nuas? Isso te ajuda na conexão e entendimento da figura feminina?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Foi tão natural que nem lembro de ter optado por isso. As primeiras fotos que fiz foram de uma amiga, na praia. Era muita beleza junta e pareceu mais normal não ter roupa no meio daquela conexão toda. Desde então, cada ensaio que eu faço de mulheres nuas é um mergulho pra dentro de mim mesma. No fundo (e também na superfície) somos espelhos, cheias de inseguranças, críticas e medos. Mas acima disso tudo, há uma beleza infinita dentro de cada uma.

Minha visão mudou muito desde que comecei a olhar de verdade para corpos diferentes do meu, e diferentes dos padrões. Diariamente deixo pra trás pré-conceitos que sempre carreguei comigo e tenho enxergado muito mais beleza em tantas “imperfeições” que nossos templos carregam. A vida tem sido mais leve.

nudez-tabu

– O Ser Água tem essa ideia de fluidez, de conexão com a natureza. Como a mistura destes elementos resultou numa série de fotos?

O Ser Água é um projeto que eu e a Thais criamos quando nos jogamos numa trip de 40 dias, numa van pela Califórnia, em 2015. A ideia era criar um espaço onde a gente conseguisse compartilhar as histórias e imagens que encontrássemos pelo caminho, de uma forma leve, fluída e verdadeira – bem do jeito que a viagem aconteceu. Foi um mergulho muito profundo na natureza e em um estilo de vida que nos abraçou e que fez com que a gente vivesse de verdade aquela história do “entrego, aceito, confio e agradeço”.

As fotos foram reflexo desses momentos tão incríveis que a gente viveu. O projeto acabou ganhando visibilidade e a gente criou uma produtora de conteúdo criativo. Buscamos e somos buscadas por empresas e marcas que tenham essa mesma visão de mundo que a gente e que queiram compartilhar como é necessário olhar pra coisas de um jeito otimista e com sentimento.

– Com as redes sociais mostrando vidas e corpos perfeitos, em contraponto com posts de aceitação e até de protesto em relação aos padrões, acredita que a fotografia resgata a autoestima das pessoas?

Com certeza. O que eu mais ouço das meninas quando elas veem as fotos é “nossa, mas nem parece que sou eu”. E, pra mim, as fotos são exatos reflexos do que eu vejo nelas. É aquela história das camadas que a gente coloca na frente do próprio olho e que não deixam a gente se ver do jeito que realmente somos: acabamos sempre focando nas ditas “imperfeições”. E daí, quando você se entrega pra ser fotografado, pra se olhar pelo olhar do outro, essas camadas perdem o valor. Eu já me coloquei do outro lado da câmera também pra sentir isso e é incrível quão libertador pode ser.

nudez-tabu

– O que você sugere para as pessoas que se sentem desconfortáveis em sua própria pele?

Acho que primeiro de tudo tem que vir a consciência. Entender plenamente e racionalmente que somos todos muito diferentes e que esse padrão de beleza que foi criado não é verdadeiro. Beleza é algo extremamente relativo e está em todo mundo, de um jeito ou de outro. Quando você entende que tem coisas que são suas -e só suas- dá pra passar a olhar pra elas com amor. E daí a chave vira. Corpo é o nosso templo, e a gente tem precisa cuidar e valorizá-lo.

– Qual foi a experiência que mudou a sua vida e te levou para a fotografia?

Desde pequena eu sempre fotografei. Lembro de mim ‘picurrucha’ com uma câmera de filme digital pra cima e pra baixo fotografando tudo. Quando eu fui estudar um pouco de fotografia e vi que dava pra brincar com a luz, pirei. Desde então, meus momentos de maior conexão são quando eu tô com minha câmera em mãos, caçando luz e sombras e olhares e respiros da natureza.

nudez-tabu

– Qual é a maior sensação de liberdade que você já teve ou tem?

Liberdade é estado de espírito, né? Acho que é uma combinação de fatores que fazem você se sentir muito bem em estar no aqui e no agora. E tenho que dizer que tenho sentido muito isso. Acho que tem a ver com o fato de entender e aceitar os sinais que a vida vai dando e que vão fazendo o caminho ser trilhado com conexão. A fotografia, a natureza dando o cenário e os corpos nus e livres são só consequência disso tudo.

nudez-tabu

nudez-tabu

nudez-tabu

nudez-tabu

nudez-tabu

Para quem quiser se manter atualizado das aventuras, o Instagram da Olivia é @olivianachle

Todas as fotos © Olivia Nachle e Thais Tavares

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,434,652SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

[VÍDEO] Professora se veste de tubarão para ensinar matemática e viraliza

Se ensinar matemática nos dias de hoje já é um desafio, com o ensino remoto os professores estão precisando inventar mil artifícios para segurar...

Senai entrega mais de 2 mil respiradores consertados gratuitamente a hospitais

O Senai criou uma super rede de voluntários, conseguindo reunir mais de 700 pessoas, para um bem comum nesta pandemia: recuperar respiradores para o...

Menino que viralizou dançando balé na chuva, ganha bolsa da Escola Americana de Balé, nos EUA

Você provavelmente viu - e se emocionou - com o vídeo do Anthony Mmesoma Madu. Ele tem apenas 11 anos, é da Nigéria, e...

“O amor nunca acaba”: viúvo almoça todos os dias com o retrato da falecida esposa ao lado

O viúvo Clarence Purvis virou notícia depois que ele foi visto almoçando em um restaurante em Reidsville, na Geórgia (EUA), com um retrato de...

JK Rowling anuncia doação de R$ 76 milhões para pesquisa e cura da esclerose múltipla

A doação de Rowling foi projetada para garantir a participação dos principais pesquisadores que buscam uma cura para a EM.

Instagram