Filhas ‘inventam’ casamento para dançar valsa com pai com câncer terminal

A notícia de que tinha um câncer agressivo e incurável mexeu bastante com Jason Halbert. Isso porque ele não estará mais aqui quando suas duas filhas se casarem. Ele passou a vida sonhando com esse momento, mas depois da notícia do câncer não sabia mais se isso seria possível.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O câncer foi diagnosticado em abril deste ano. Era um tumor cerebral e ele só teria entre 12 e 15 meses de vida. Depois o diagnóstico piorou e diminuiu a expectativa para 2 a 3 meses.

A esposa de Jason, Nicole Halbert, falou que o momento mais difícil foi a hora de contar para as filhas o que estava acontecendo. O pai, que sempre foi atencioso e presente, fez sessões de quimioterapia e radioterapia sem contar nada, até que a situação ficou insustentável. “Como podemos falar para as nossas filhas? Como planejar nosso futuro dali em diante?”, se perguntou.

Foi aí que as próprias filhas sugeriram a Jason dançar uma valsa de casamento, com vestidos, maquiagem, cabelo e, o mais importante, muito amor! Uma linda memória para o homem que elas mais amam, e o primeiro que aprenderam a amar.  “Nós criamos memórias, as recriamos, por que não pré-criar um momento?”, disse a mãe.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também: Noivo cadeirante emociona ao dançar valsa com esposa em cerimônia de casamento

Ao saber da decisão das filhas do casal, vários amigos se prontificaram em conseguir os vestidos, o local, o fotógrafo, a decoração, absolutamente tudo. “No dia da dança, o sol brilhava através das nuvens cinzentas da chuva. É isso que temos feito durante toda essa jornada, tentando encontrar a luz entre as trevas, o sol na chuva. Houve risos e lágrimas, mas no final, houve uma lembrança eterna”, disse Nicole.

As fotos eternizaram um momento que sequer aconteceu de fato, mas que ninguém vai conseguir apagar da memória de Jason, nem mesmo o câncer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Jason segue em tratamento para amenizar os efeitos da doença, que está no estágio final. O objetivo da família foi também chamar a atenção para este tipo de doença, a Leptomeningeal, que é rara e tem pouca atenção dos profissionais e serviços de saúde.

Educação, esporte e arte são fundamentais para a inclusão social de grupos vulneráveis, concorda? Conheça então três projetos que defendem essas causas, escolha a sua favorita, apoie e concorra a um super prêmio de R$ 1 milhão da promoção “Ganhou, Causou”, da Nestlé. Clique aqui e saiba como participar!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Fonte: UPWorthy/Fotos: Arquivo pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM




Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,855,215SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Funcionário vira piada após erro de português, mas prefeitura o defende e faz homenagem

Funcionário de serviços gerais da Prefeitura de Jaciara (MT), Lindomar Lourenço Martins, de 45 anos, decidiu deixar uma mensagem de bons votos para o...

Rapaz autista faz emocionante pedido de casamento para noiva com síndrome de Down

Quando Jason Ivey pediu a namorada, Chloe Bermudez, em casamento, ela nem imaginava a surpresa incrível que teria pela frente: um passeio de helicóptero...

‘Arte Cidadã’: O coral fundado no Mato Grosso capaz de salvar vidas

Não é só a dificuldade que é capaz de gerar gatilhos do bem nas pessoas. Nem sempre a empatia vem pela semelhança nas histórias...

Hacker derruba 20% da Deep Web e consegue barrar sites de pornografia infantil

Deep Web é o nome dado para uma zona da internet que não pode ser detectada facilmente pelos tradicionais motores de busca, garantindo privacidade...

Paciente com câncer em estágio terminal realiza o sonho de se casar em Campinas (SP)

Rosália enfrenta há um ano e meio um câncer raríssimo. Em fase terminal, ela ganhou o casamento dos sonhos!

Instagram