Filho que perdeu a mãe para o câncer cria app para ajudar pessoas com a doença

Essa é uma história que nasce da saudade e do amor e da capacidade de transformar a dor em doação. César Filho, como bom filho que é, acompanhou a sua mãe, Dona Cida, na batalha contra o câncer. Quando ela morreu, ele decidiu que iria ajudar outras pessoas com a doença a terem mais qualidade de vida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

César vem de uma família muito humilde do interior de Minas Gerais. Dona Cida sempre investiu tudo o que tinha para que ele pudesse estudar. “Ela abdicou de vários sonhos e coisas materiais que desejava, para que eu pudesse estudar. Ela sempre falava: Meu filho estuda! Porque uma caneta é mais leve que uma pá”. Nossa, que forte!

Foram 11 meses de luta contra o câncer, entre exames, cirurgias, sessões de radioterapia e quimioterapia, consultas… “Foi muito triste acompanhar o progresso da doença da pessoa que eu mais amava. Ela sofreu muito”, relembra. Até que depois de muito sofrimento, ela descansou, como o filho descreve.

filho abraçando mãe com câncer sorrindo
César acompanhou sua mãe, Dona Cida, até os últimos momentos da sua vida. Foto: Arquivo pessoal

A angústia de César Filho era a de não ter podido retribuir para a mãe tudo o que recebeu, tudo o que ela investiu na sua formação. “O sentimento de perder a pessoa que eu mais amava e não ter dado a ela o diploma de presente, me deixava ainda mais triste. Queria retribuir todo o carinho e cuidado que eu havia recebido”, relatou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

filho pequeno abraçando beijando bochecha mãe
Cida cuidou de César desde a sua infância e investiu na sua educação. Foto: Arquivo pessoal

Foi aí que a dor e o amor se transformaram em ação. “De repente senti um chamado para ajudar os milhões de pessoas que passam pelo que minha mãe passou. Seria uma forma de agradecê-la, de deixar um legado em seu nome”, disse.

Mas como fazer isso? Justamente através do estudo que Dona Cida lhe proporcionou. “Decidi estudar a fundo os problemas assistenciais que um paciente com câncer passa em seu tratamento. Entendi que a melhor forma de alcançar este objetivo seria através da tecnologia”.

jovem sorrindo apontando quadro frase motivacional
César se formou e decidiu criar o aplicativo como forma de retribuir a mãe. Foto: Arquivo pessoal

Seu João de Deus perdeu os braços num acidente de trabalho e há 30 anos sonha ter suas próteses. Vamos ajudá-lo? Clique aqui.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Aplicativo permite acompanhamento de pacientes com câncer no conforto do lar

César Filho decidiu criar um aplicativo para conectar os pacientes oncológicos com uma rede de cuidados e assistência. Lembrando as tantas viagens que precisou dar com a sua mãe para o tratamento, ele pensou em um acompanhamento remoto dos pacientes.

print tela aplicativo
Foto: Divulgação

“Algumas pesquisas científicas que eu estava estudando mostraram que pacientes que eram acompanhados remotamente via tecnologia, viviam em média cinco meses a mais do que os que não tinham acompanhamento.

O aplicativo é disponibilizado gratuitamente na internet. Os pacientes podem interagir com os profissionais de saúde, tirar dúvidas, receber acolhimento e cuidado. Uma agenda permite ao usuário ter lembretes sobre medicamentos e compromissos, além da indicação de conteúdos confiáveis para combater fake news que impactam negativamente o tratamento.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

rapazes segurando cubo marca aplicativo wecancer
César e Lorenzo perderam suas mães para o câncer e se juntaram para tocar o projeto do app. Foto: Arquivo pessoal

E nessa jornada para consolidar a plataforma, ele encontrou um sócio e parceiro no Rio de Janeiro que passou por uma situação parecida. Lorenzo perdeu sua mãe para um câncer no pâncreas seis meses após a descoberta.

Criamos uma conexão imediata. Ele ficou super empolgado e desde então passou a trabalhar na WeCancer e virou um irmão pra mim”, disse César.

O Razões tem seu próprio podcast para espalhar boas notícias, ouça os episódios na sua plataforma favorita clicando aqui.

Aplicativo auxilia no tratamento de pacientes durante a pandemia

Com a pandemia de Covid-19, ficou ainda mais complicado para os pacientes oncológicos realizarem os tratamentos. Por serem do grupo de risco, eles devem ter ainda mais cuidados para ir aos hospitais.

Por isso, o app ajuda no acompanhamento dos pacientes sem que eles saiam de casa e, portanto, correm menos riscos. Pelo app, a equipe médica lança questionários simples que permitem detectar progressos e complicações da doença.

print tela aplicativo
Foto: Divulgação

Os dados de cada paciente formam gráficos que podem ser avaliados por médicos para a tomada de decisões, como a mudança de medicamentos ou dosagens, aumentando o bem-estar dos doentes.

Além disso, a iniciativa reduz custos com o tratamento do câncer, que é um dos mais caros. “Reduzindo também os custos de tratamento, já que os pacientes internam menos. Essa redução de custos é super importante para o Brasil, pois 80% de todos os tratamentos de câncer são realizados no SUS”, explicou.

“Depois da perda da minha mãe, comecei a pensar que tive uma das maiores dores/dificuldades, que uma pessoa pode passar, então iria canalizá-la para ajudar o maior número de pessoas. Reclamar não muda nada, né? Para que o mundo melhore a gente precisa arregaçar as mangas e trabalhar para ver a solução de pé”, finalizou.

fotos mulher tratamento câncer
Amor pela mãe e sofrimento vivenciado pela família despertaram empatia e vontade de ajudar ao próximo em César. Foto: Arquivo pessoal

É, César. Dona Cida com certeza está orgulhosa demais de você!

O ator Pedro Carvalho teve aulas de crochê com o André, menino que aprendeu crochetar para ajudar a mãe com as contas de casa, assista:

selo conteúdo original

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM






Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,970,136SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Leitãozinho aprende a andar com “cadeira-de-rodas”

Já mostramos aqui no Razões, uma cadelinha que voltou a andar graças a uma engenhoca feita por uma pessoa boa de coração, (não viu?...

Vestido de garçom, vendedor de água inova e faz sucesso no trânsito em SP

Tudo na vida pode ser melhorado, aprimorado, ainda mais quando o tema é trabalho e em tempos de crise, que um diferencial é tudo,...

Garoto de 17 anos recria estátuas históricas destruídas pelo Estado Islâmico

“Meu sonho é me tornar um artista proeminente do Iraque para tornar meu país orgulhoso e mostrar ao mundo que o Iraque ama a vida e celebra nossas raízes”.

Golfinhos ‘conduzem’ equipe de resgate até banhista que ficou perdido em alto-mar

Ao longo dos séculos, incontáveis histórias e relatos sobre golfinhos que ajudaram pescadores encalhados, banhistas e marinheiros que estavam prestes a se afogar foram...

Índios proíbem entrada de políticos em aldeias no Acre

Os índios tem do Acre vem tentando manter sua cultura mediante uma sociedade que infelizmente não valoriza a importância de tamanha carga histórica dessa...

Instagram