Filho de doméstica e pedreiro é aprovado na USP e em Harvard

Rafael José da Silva, de 19 anos, nasceu em Blumenau, Santa Catarina e sempre teve o sonho de ser médico. Filho de um pedreiro (Jonas) e uma empregada doméstica (Valdirene), a família não possuía condições de tornar esse sonho realidade.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E a vontade de exercer a profissão ficou mais forte quando sua avó ficou doente.

“Minha vó paterna foi diagnosticada com câncer de reto em estágio avançado – e que foi algo que abalou muito minha família – e influenciou bastante minha escolha, cheguei inclusive a ajudar a cuidar dela por um tempo”, contou Rafael, em entrevista ao SóNotíciaBoa.

Como não tinha dinheiro para pagar um cursinho, Rafael enfiou a cabeça nos livros e estudou por conta própria.

“No final do terceirão, a FUVEST (vestibular da USP), foi o primeiro e único vestibular que prestei. Fui aprovado na primeira tentativa e na primeira chamada”, lembrou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

E ele conseguiu! Hoje Rafael cursa o quarto semestre de medicina na USP e mora em um alojamento fornecido pela Faculdade de Medicina a estudantes carentes, a Casa do Estudante de Medicina. Ele depende de bolsas para estudar e comer e seus pais o ajudam conforme podem.

E pensa que Rafael se deu por satisfeito? Não! Este ano, o estudante se inscreveu para fazer um intercâmbio de pesquisa científica na Universidade de Harvard. E o melhor: foi aprovado!

“Nesse programa, há vários laboratórios associados, da HSPH (Harvard School of Public Health) e da HMS (Harvard Medical School). O intercâmbio tem 1 ano de duração. Durante esse período ficarei no laboratório do prof. Masanori Aikawa, da HMS e do Brigham and Women’s”, disse.

Ele estudará temas como aterosclerose, que desenvolve placas de gorduras nas artérias do corpo e pode causar infarto e AVC e também ficará fazendo pesquisas científicas na área da Cardiologia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O problema é o alto custo de vida. Harvard fica em Boston, nos EUA, e o valor estimado é para viver um ano na cidade é d e U$ 22.960,00, mais de 70 mil reais.

Por isso, Rafael não esperou a solução cair do céu e abriu uma vaquinha eletrônica no Catarse para levantar R$ 50 mil.

Em 6 dias ele conseguiu quase 20% do que precisa.

“Na vaquinha online, consegui até então R$ 8.830. E na minha conta, consegui aproximadamente R$ 900 de doações.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Rafael prometeu que se conseguir ir para Harvard vai realizar o sonho de um garoto pobre como ele, depois que se formar e arrumar emprego:

“Pretendo ajudar financeiramente pelo menos um estudante, na mesma proporção que estou precisando ou, eventualmente, até mais”, disse ao SóNotíciaBoa.

Clique aqui para ajudar a realizar esse sonho!

Via

Fotos: Arquivo Pessoal

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,763,858SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Um jogo que ajuda crianças em isolamento hospitalar a brincar umas com as outras

Todo o mundo imagina como deve ser entediante a obrigação de permanecer sozinho em um quarto de hospital para o bem da própria saúde....

Vendedor de empadas tem mercadoria jogada no chão e passageiros se unem para cobrir prejuízo

O vendedor de empadas Igor Rodrigues de Sousa Soares, 23 anos, teve sua mercadoria jogada no chão do Terminal de Carapina, em Serra, no...

Chefes premiados cozinham para moradores de rua na Itália

Sabia que cerca de 1/3 de todo o alimentos no mundo é desperdiçados ou jogado fora? No Brasil, doar as milhões de toneladas de alimentos descartados de restaurantes...

Médica melhora vida de paciente idosa com uma atitude simples

Tainá Ruas é médica e publicou um relato em seu Facebook que mostrou como um gentileza pode fazer toda a diferença na vida das...

Professor de jardim de infância viraliza ao ‘levar’ seus alunos à uma excursão virtual no zoológico

Desde o início da pandemia, escolas do mundo todo passaram a dar aulas on-line, mas o professor Garett Talcott foi além e decidiu levar...

Instagram