Em Natal (RN), filho de 11 anos ensina mãe catadora de lixo a ler e escrever

A catadora de lixo Sandra Maria de Andrade, mãe de sete filhos, ficou sem saber ler e escrever até os 42 anos de idade. Abandonada pela mãe, a mulher foi obrigada a priorizar o trabalho antes dos estudos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na trajetória de vida, Sandra se virou como pôde, trabalhou na lavoura, fazendo faxina e na fase adulta, depois de ter tido problemas com o marido, se sentiu desconfortável por não saber escrever nem o próprio nome, segundo uma matéria da BBC BRASIL.

Hoje, ela mora em uma pequena casa numa rua de areia no Jardim Progresso, na periferia de Natal, no Rio Grande do Norte. Sem nunca ter estudado, ela começou a dar os primeiros passos no mundo das letras graças ao filho Damião, de apenas 11 anos de idade, do seu segundo relacionamento.

Tudo começou com as histórias que o filho lia para ela. “Mãe, mãe, quer ler comigo? É uma historinha. E tem figuras”, dizia para incentivá-la. Em seguida, o menino começou a ensinar as letras do alfabeto.

Aos poucos, a mãe aprendeu a decifrá-las e a se desfazer do trauma que tinha com a letra “e”. Sempre que via a letra ela ficava apavorada, pois confundia o “e” com outras letras. Damião teve que desenvolver uma didática própria para sanar as dúvidas.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ela aprendeu a ler e escrever aos 43 anos
Sandra Maria de Andrade passou por muitas dificuldades, mas conseguiu se superar com ajuda dos filhos

O filho explicou que o “e” era o mesmo que um “i”, só que fechado e sem ponto. O “h” virou uma cadeirinha e o “R” o mesmo que um “B”, mas fechado. Foi assim que o menino ensinou as letras do nome dele e as letras do nome dela, até Sandra aprender a escrever. “Quando eu aprendi, disse: vou fazer outra identidade que é pra quando chegar nos cantos eu dizer: eu sei fazer meu nome. Pra mim, já era tudo eu saber. Chegar lá, o povo dizer assine aqui e eu dizer: agora eu já sei ler e escrever, não sinto mais vergonha”.

O filho-professor continua ensinando a mãe, pois quer que ela aprenda mais, e mais. “Eu quero ver ela aprendendo comigo. Quero que aprenda as palavras que ela sente aqui dentro. Ela gosta de falar amor, paixão. Já sabe um monte de palavras. Ela sabe as mais simples”.

Em apenas um ano, Sandra leu 107 livros. Um número impressionante, já que os brasileiros leem em média quatro livros por ano, segundo uma pesquisa do Ibope. O livro que ela mais gostou é “Ninguém nasce genial”, do escritor Sérgio Vieira Brandão. “Escrevi meu nome nele. Porque ninguém nasce gênioPorque eu achava que não precisava mais saber, achava que era tarde pra saber”.

Ela aprendeu a ler e escrever aos 43 anos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também!

Ivete Sangalo compra todo algodão doce de vendedor e o convida para subir no trio

Vira-lata ‘usa’ dentadura encontrada no quintal e quase mata todo mundo de rir

Jovem faz pedido para Whindersson Nunes, que o responde disposto a ajudá-lo

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

crédito das fotos: AGIL FOTOGRAFIA/BBC BRASIL | TV GLOBO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,640,029SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Esta é a Carolina, e ela tem um recado para quem fala que seu cabelo é duro

Certa vez, mostramos aqui no RPA uma menina de apenas 10 anos de idade, que fez um vídeo dizendo o quanto ela tem orgulho...

Empresa anuncia vaga “exclusiva” para mulheres acima de 55 anos

A vaga é exclusiva para mulheres “maduras” que procuram uma recolocação no mercado de trabalho.

Mãe arrecada US$ 60 mil para festa de casamento do rapaz que salvou sua filha de afogamento

O jovem Kevin Cozzi nem pensou duas vezes quando viu que havia uma criança se afogando em uma praia de Monterey, na Califórnia (EUA)....

Ela superou o bullying e se tornou a primeira líder de torcida trans da sua escola

A adolescente canadense Phoebe Cesinaro, 16, venceu a batalha contra o bullying e ainda se tornou a primeira líder de torcida transgênero da sua...

Queda de braço entre dois moradores de rua por 100 dólares termina de forma inesperada

Um youtuber novaiorquino resolveu ajudar dois moradores de rua que não se conheciam, mas falou que eles teriam que competir pelo prêmio de 100...

Instagram