Filho conta que é gay para pais cristãos e casal tem a melhor reação do mundo

Em Junho é comemorado mundialmente o Mês do Orgulho LGBTQIA+ e eu precisava desabafar: talvez algumas pessoas se surpreendam e outras não. Talvez alguns digam “eu já sabia” ou não. Eu não me importo.
Mas o que vem a seguir vai dizer muito mais sobre os outros do que sobre mim! Eu, já quase um trintão, independente financeiramente há anos e moro na minha casa própria. Não precisava ter medo ou receio, afinal não dependo de ninguém.
Não “corria riscos”, mas ainda assim estava receoso. O que mais me incomodava era que eu estava vivendo os anos mais felizes da minha vida e minha família não estava fazendo parte. Me sentia incompleto.

Já namorei mulheres, o que por muito tempo me fez pensar ser bissexual! Mas recentemente contei aos meus pais cristãos que era gay. Só faltavam eles. Eu estava indo viajar e eles foram buscar meu cachorro em casa. Encostei no carro e disse:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

👨‍🦲 Vocês sabem que eu sou gay, né?

Aquilo estava engasgado há tempos, desceu seco a goela.

👨‍🦳 Meu pai me olhou e disse: Ok.
👩‍🦳 Olhei para minha mãe e ela:Tudo bem!

Eu não entendi nada. Estava atordoado, confuso. Como disse minha irmã: eu estava passado. Ainda me zoaram pelo fato de eu estar espantado com a reação positiva deles.

👩‍🦳 Lá em casa frequenta fulano e ciclano que são gays, pra gente é normal uai! É cheio de ‘viado’ lá em casa! – dispara minha mãe.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Caímos no riso!
Meu pai vira e começa a falar do Paulo Gustavo. Nessa hora eu me segurei para não chorar e percebi a importância da representatividade, da arte e da leveza do Paulo.
👨‍🦳 Eu já sentia há tempos que vc queria me contar algo e era só isso?  Diz meu pai.
Nessa hora meu celular toca. É a portaria anunciando uma visita e eu autorizo a entrada. Desce do carro um careca de 1,82 e vem em nossa direção espantado. O Freddo, meu cachorro, já identifica quem é e fica todo alegrinho.
👨‍🦲 Quero apresentar uma pessoa pra vcs. Esse o Danilo, é meu namorado!

👩‍🦳 Meu medo é lá fora, com o preconceito.Diz minha mãe.

Papeamos por um instante e nos despedimos com a promessa de marcar um churrasco com as famílias quando a pandemia passar. Antes de se despedir meu pai me abraça e diz:

👨‍🦳 Não é nosso papel aceitar ou não. Filho sempre vai ser filho.

Repito: eles vivem em uma “bolha” evangélica tradicional, mas ainda assim conseguem entender que o amor é muito maior que tudo isso. Isso é Cristianismo. Isso é amor.

Mas infelizmente não é o que acontece na maioria dos lares de pessoas LGBTQIA+.

Ainda temos muito a trilhar. Um abraço da minha família para todos vocês. 💜🧡💛💚

Relato retirado do Facebook do Jeferson Santos

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver mais uma história incrível? Dá um play!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,644,123SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Lego anuncia peças em braille para desenvolver habilidades de crianças cegas

A marca de brinquedos dinamarquesa Lego anunciou nesta quarta-feira, 24, que desenvolverá uma linha de brinquedos em braille. O objetivo da empresa é permitir que  cegos...

Estudantes trocam festas por solidariedade e ajudam moradores de rua

Cinco jovens da cidade de Bauru, no interior de São Paulo, trocaram as festas de república e as reuniões de amigos, duas vezes por...

Nova peça de Taís Araújo e Lázaro Ramos tem sessão pra surdos

No próximo domingo, à 18h, Lázaro Ramos e Taís Araújo fazem uma apresentação especial de sua peça em cartaz em São Paulo, “O Topo da Montanha”: para surdos. Haverá um...

Em um lapso de memória, mulher com Alzheimer lembra o nome da filha

Kelly Gunderson é filha de uma de senhora de 87 anos que possui Alzheimer, que por conta da doença já está com a memória...

Avon reúne blocos feministas para lançar manifesto pela liberdade, respeito e diversidade no Carnaval

Escrita e interpretada pela rapper ativista Rosa Luz, música fala sobre poder feminino, respeito e fim da violência contra as mulheres durante a folia.

Instagram