Fim de uma longa espera: graças a grupo de WhatsApp, irmãos se reencontram após 60 anos

Imagina reencontrar irmãos que você não via há quase 60 anos. Graças a um grupo de WhatsApp, o que parecia ser impossível de acontecer, aconteceu!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Com a ajuda de uma sobrinha, Antônio Vieira da Silva, morador de Caarapó (MS), conseguiu o contato com quatro irmãos que não vê desde a infância, quando deixou o Rio Grande do Norte com o pai.

E não é a primeira vez que Antônio encontra um irmão “desaparecido”. Ele já tinha passado 40 anos sem contato com outro irmão, com quem saiu junto do pai da sua terra natal.

Esse irmão é o José Vieira da Silva, pai da sobrinha de Antônio que ajudou a encontrar os irmãos que ficaram no Rio Grande do Norte.

“Em 1972 eu vim pra Caarapó com meu pai e meu irmão foi pra Mato Grosso, a partir desse momento ficamos 40 anos sem se falar. Nos reencontramos em 2015 graças a minha sobrinha, filha dele”, conta.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Todos os irmãos. Foto: Arquivo pessoal

Separação dos irmãos

O pai de Antônio, seu Sebastião Vieira da Silva, deixou a pequena Ridinha, no Rio Grande do Norte, para buscar trabalho em Minas Gerais.

José e Antônio. Foto: Arquivo Pessoal

Antônio e José aceitaram ir juntos com o pai para um lugar próximo a Ituiutaba (MG), chamado Canal de São Simão. Deixaram para trás a dona de casa Alzira Ana da Conceição e mais cinco filhos: João Vieira da Silva, Manoel Vieira da Silva, Francisco Vieira da Silva, Geraldo Vieira da Silva e Malvina Vieira da Silva.

Maior parte dos irmãos continua morando no Rio Grande do Norte. Foto: Arquivo Pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Dona Alzira Ana da Conceição morreu faz dois anos e, infelizmente, não pôde comemorar a reaproximação de todos os seus filhos. Para Antônio, ainda não caiu a ficha.

“A gente sempre teve esperança, mas achava muito difícil pelo tempo principalmente. Não consigo nem expressa minha felicidade e reencontrá-los”, conclui.

Vaquinha para família de meninas, que mesmo correndo risco de despejo, doaram cabelo para ajudar mulher. Faça sua doação!

Encontro presencial 

A saudade vai ter que esperar mais um pouco, esse momento deve acontecer só ano que vem. Mas alguns meses é nada perto de quase seis décadas, né?

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“A gente criou um grupo no WhatsApp e conversamos todo dia. Eu saí de lá adolescente, então lembro bem de todos. A ideia é que a gente se reencontre pessoalmente no ano que vem”, planeja Antônio.

Que história, minha gente! É sempre bom ver a tecnologia reaproximando pessoas!

Sessenta anos também foi o tempo que dois irmãos norte-americanos separados durante a adoção aguardaram para se reencontrar.

VEJA TAMBÉM!

Fonte: Campo Grande News

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,780,571SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Skol convida ilustradoras para recriarem pôsteres machistas da marca

Uma coisa não tem mais volta (ainda bem): marcas machistas não são mais toleradas ou absorvidas de forma velada e sem cobrança de um...

Casal salva 4 gatos em incêndio do Museu Nacional

Os felinos estavam a cerca de 50 metros das chamas do incêndio.

Um tatuador está ajudando a melhorar autoestima de mulheres que tiveram câncer de mama

Para a Psicologia, a autoestima (agora sem hífen, segundo as novas normas ortográficas) é o qualitativo de valor que o ser humano dá a si....

Jovens criam agência de intercâmbio que conecta pessoas que querem fazer o bem

Nós da equipe do Razões para Acreditar somos fãs de gente que procura fazer o bem para as pessoas e adoramos divulgar histórias como essa...

Instagram