Chamado de ‘louco’ por vizinhos, homem transforma pastagem em floresta de 50 mil árvores

Diziam que o Seu Vicente, prestes a completar 84 anos, estava fora do seu melhor juízo quando decidiu comprar um pedaço de terra a 200 km de São Paulo para plantar árvores.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em entrevista para o programa Outlook, da BBC, ele disse que as pessoas riam da sua cara, porque ele não viveria o tempo suficiente para comer as frutas das árvores, que demorariam pelo menos 20 anos para crescer.

“Eu respondia: ‘Vou plantar essas sementes, porque alguém plantou as que estou comendo agora. Vou plantá-las para que outros possam comê-las’.”

Vicente comprou o terreno em 1973, no auge da Ditadura Militar. Naquela época, a fim de impulsionar a agricultura, o governo oferecia facilidades de créditos para investimentos em tecnologia agrícola. Mas Vicente não queria transformar seu pedaço de terra numa pastagem.

Vindo de uma família de agricultores, a expansão da atividade agrícola lhe causava desconforto e preocupação, pois os campos destruíam a fauna e flora locais, além de afetar a oferta de recursos hídricos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Quando era criança, os agricultores cortavam as árvores para criar pastagens e pelo carvão. A água secou e nunca voltou”, lembra.

“Pensei comigo: ‘a água é o bem mais valioso, ninguém fabrica água e a população não para de crescer. O que vai acontecer? Ficaremos sem água’”.

Aos 14 anos, Vicente foi morar na cidade, onde trabalhou como ferreiro. Foi com o dinheiro da venda do seu negócio que ele comprou 30 hectares em uma região de planície perto de São Francisco Xavier, distrito de 5 mil habitantes que faz parte do município de São José dos Campos, no interior de São Paulo.

A vida na cidade foi nada fácil: “Acabei tendo de viver debaixo de uma árvore porque não tinha dinheiro para o aluguel. Tomava banho no rio e vivia debaixo da árvore, cercado de raposas e ratos. Juntei muitas folhas e fiz uma cama, onde dormi”, diz Vicente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Mas nunca passei fome. Comia sanduíches de banana no café da manhã, almoço e jantar.”

Depois de voltar para o campo, ele começou a plantar as árvores que hoje formam uma floresta tropical com cerca de 50 mil unidades!

“Em 1973, não havia nada aqui, como você pode ver. Tudo era pastagem. Minha casa é a mais bonita de toda essa região, mas hoje não se pode tirar uma foto desse ângulo porque as árvores a encobrem, porque estão muito grandes”, conta orgulhoso Vicente.

A floresta trouxe de volta os animais: “Há tucanos, todo tipo de aves, pacas, esquilos, lagartos, gambás e, inclusive, javalis”. “Temos também uma onça pequena onça e uma jaguatirica, que come todas as galinhas”, brinca.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

floresta-pastagem

Mas o que deixa o Seu Vicente mais feliz é que os cursos de água voltaram a brotar. Quando ele comprou o terreno, só havia um – agora, há cerca de 20.

Com informações do G1 / Fotos: Gibby Zobel

Coleção ACREDITAR

Comprando 1 peça, você garante um dia de aula de uma criança. Consumo consciente na parceria entre Razões & Euzaria. Compre aqui.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,491,052SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Menina que nasceu sem as mãos ganha competição de caligrafia

A pequena Sara Hinesley, 10 anos, não entende por que causa tanta surpresa ela ter ganho uma competição nacional de caligrafia. Afinal, ela apenas se...

Fernando de Noronha proíbe uso e venda de plásticos descartáveis

O arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha proibiu o uso e a venda de plásticos descartáveis. A norma é aplicável a todos os estabelecimentos e...

Ela foi de SP a Nova York (sem avisar) para passar seu aniversário junto com irmão

Como não amar registros de amor entre irmãos? Quem acompanha o RPA desde o início (e lá se vão mais de dois anos) sabe...

Após muitos remendos com prego, professores arrecadam 600 pares de chinelos para alunos carentes 

Um dos professores tinha a “função” de consertar os chinelos dos estudantes com um prego para que pudessem ir à escola. A campanha arrecadou centenas de pares de chinelos acompanhados de uma linda cartinha!

Casal recolhe mais de 200 quilos de lixo às margens de rio do Acre

Poderia ser um dia de praia normal para Sharon Haerdrich, 19 anos, e Thiago Kleber, 25 anos, mas o passeio se transformou em uma...

Instagram