Foi inaugurado o primeiro abrigo para LGBTs moradores de rua em SP

Foi inaugurado na quinta-feira (09/10), o Centro de Acolhida Zaki Narchi, que é o primeiro de São Paulo com espaço exclusivo para os sem-teto LGBT. São 24 camas destinadas aos gays ou trangêneros femininos. Já os transgêneros masculinos, se demonstrarem interesse, terão seus casos avaliados e se sentirem à vontade, também poderão usufruir do local.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A assessoria da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) afirmou que o público homossexual e transexual tem o direito de escolher dormir em qualquer parte do centro, que conta com 900 lugares. A ala exclusiva aos LGBTs é apenas mais uma opção.

O complexo inclui três centros. O primeiro com 500 lugares e os outros dois, 200 cada um. O Centro de Acolhida I funciona como a maioria dos abrigos, oferecendo dormitório, alimentação, banho e café da manhã. De acordo com a resposta do usuário, ele pode passar ao Centro de Acolhida II, com acompanhamento psicossocial, que prevê cursos de qualificação e encaminhamento ao emprego. Já o Centro de Acolhida III é para quem já tiver conseguido o emprego e com enfoque no processo de autonomia (saída de lá do usuário).

“Queremos atender as diferentes necessidade da população em situação de rua. Por isso, estamos diversificando o atendimento. Antes, eles [LGBT] estavam expostos à violência e com chance mínima de reinserção”, disse o prefeito Fernando Haddad na inauguração.

O espaço funciona na Avenida Zaki Narchi, 600, próximo à estação Carandiru do metrô, zona norte da capital.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O complexo ainda não está completo. Faltam as quadras poliesportivas, o centro de inclusão digital, a cooperativa de reciclagem e o centro de saúde, que pode ser somente um Centro de Atendimento Psicossocial (Caps) ou uma Unidade Básica de Saúde completa. Além disso, o local terá atividades culturais e um centro de panificação para o curso do Pronatec. A expectativa do prefeito é que até o fim do ano essas instalações estejam concluídas.

Com este centro, a prefeitura completa 10 novos equipamentos, abrindo 2.400 novas vagas de acolhimento na capital paulista. O Programa de Metas da prefeitura prevê a instalação de mais 12 serviços de acolhimento institucional para população em situação de rua até o final da gestão.

centro_de_acolhida_zaki_narchi_lgbt e208ef47-3e6a-4a6f-851b-ad56f52f7f66

Matéria originalmente publicado no SuperPride.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,415,745SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Foto de mulher ajudando mãe desconhecida a cuidar do filho viraliza

A norte-americana Becca Kinsey era uma mãe em apuros voltando com os dois filhos - um de 5 e outro de 2 - após...

Mulher faz sacolinhas de doces com mensagens positivas para pagar tratamento do marido

Em momentos de fragilidade, muitas vezes, temos vontade de largar tudo, de entregar os pontos. Não que seja fácil superar essas situações, mas precisamos...

Empreendedora cria sistema de entrega com bicicletas para mulheres e transexuais

Um sistema de entregas expressa que utiliza a bike como principal meio de transporte. Essa foi a proposta que Aline Rieira apresentou quando se...

Educador físico usa o esporte para levar mais esperança a pessoas com deficiência

“O esporte tem o poder de fazer com que as pessoas voltem a gostar de viver”, foram as palavras do educador físico Atalício do...

Pesquisadores brasileiros desenvolvem plástico orgânico comestível que se decompõe em 3 meses

A tecnologia está cada vez nos ajudando a resolver questões relacionadas ao meio ambiente. Depois de duas décadas de pesquisas, pesquisadores da Embrapa Instrumentação,...

Instagram