Array

Na França, Projeto de Lei inédito promete reduzir lixo eletrônico aumentando o reparo de aparelhos velhos; entenda

A França deu um passo decisivo para a diminuição dos impactos causados pelo lixo eletrônico no meio ambiente. A Assembleia Nacional aprovou, no ano passado, um Projeto de Lei que estabelece um índice de “reparabilidade” para eletrodomésticos e eletrônicos, visando aumentar a taxa de conserto dos aparelhos em 60% nos próximos cinco anos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A legislação entrou em vigor em janeiro deste ano, mas o que ela diz? As novas regras exigem que os fabricantes coloquem classificações em seus produtos, calculadas com base em cinco critérios:

  • Facilidade de conserto;
  • preços das peças de reposição;
  • disponibilidade de peças de reposição;
  • disponibilidade de documentação para conserto;
  • medida final que varia conforme o tipo de dispositivo.

celular tela quebrada
Foto: Pixabay

Os fabricantes que não cumprirem a medida depois do primeiro ano podem receber multas de até € 15 mil (R$ 103 mil). A partir de 2024, o projeto de lei ainda prevê um índice de durabilidade que levará em conta novos critérios, como confiabilidade e resistência do produto a impactos.

“Queremos limitar o consumo dos recursos naturais do mundo”, explica a deputada relatora da legislação, Véronique Ritton. “Todo mundo está preocupado. O objetivo é melhorar o mercado de consertos e espero que esse índice deixe o consumidor mais consciente em relação a esta crise ecológica”, afirma.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Este é o primeiro esquema de classificação do tipo no mundo e, sim, planejado para ser replicado por outros países – alô, Brasil! Rs

Empresas precisam “correr”

Diante de um consumidor consciente de seu “direito de consertar”, as empresas precisam se adaptar ao índice de reparabilidade para não perder a sua fatia de mercado. Existe uma expectativa para que isso aconteça. Do lado do consumidor, deve haver uma maior busca por oficinas de conserto.

“O conserto não está no topo da lista de prioridades da indústria [eletrônica]”, comenta Maarten Depypere, engenheiro de políticas de reparos da iFixit Europe, empresa que produz avaliações de reparabilidade de produtos.

“Mas a França realmente levou os consumidores em consideração com essa lei. É uma solução muito equilibrada, que acho que vai gerar mais concorrência entre as empresas. Acredito que todos os países deveriam adotá-la”, conclui.

Fontes: G1 e BBC

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,246,606SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Fotógrafos trocam valor de ensaios por doações para famílias necessitadas no RJ

Você já imaginou abrir mão do valor que recebe pelo seu trabalho para ajudar um projeto social? É exatamente isso o que está fazendo um...

Menino com paralisia cerebral emociona como noivinho em casamento [VÍDEO]

Davi, de seis anos, foi pajem no casamento da sua fisioterapeuta, Eduarda Borghezan, com Antônio Abianco. A internet não está sabendo lidar com o...

Morador de rua socorre vítimas durante ataque em Manchester e é recompensado da melhor maneira

Chris Parker, de 33 anos, provou ser um  verdadeiro herói após ajudar vítimas do ataque em Manchester. O morador de rua estava pedindo esmola...

Em ato de amor, princesa japonesa abre mão da família real para se casar com ‘plebeu’

A princesa Mako, sobrinha do imperador Naruhito do Japão, vai se casar em breve com um noivo 'plebeu' e planeja viver nos Estados Unidos,...

Após 40 anos de proibição da caça, baleias-azuis finalmente retornam às regiões polares

Desde 1986 a caça de baleias é proibida no mundo. Uma comissão internacional, formada por mais de 80 países, conseguiu decretar a suspensão dessa...

Instagram