Freiras se passam por prostitutas para resgatar vítimas do tráfico dos bordéis

Um exército de freiras quer resgatar vítimas do tráfico de pessoas passando-se por prostitutas para se infiltrar em bordéis e comprando crianças sendo vendidas como escravas.

John Studzinski, um banqueiro e filantropo, que preside a Talitha Kum, disse que a rede de 1.100 irmãs opera atualmente em cerca de 80 países, mas a demanda por esforços para combater as vítimas do tráfico e escravidão está subindo globalmente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O grupo, criado em 2004, estima que 1% da população do mundo é traficada de alguma forma, o que se traduz em cerca de 73 milhões de pessoas. Destes, 70% são mulheres e metade estão com 16 anos ou menos.

“Eu não estou tentando ser sensacional, mas eu estou tentando sublinhar o fato de que este é um mundo que perdeu a inocência… onde forças das trevas estão ativas”, disse Studzinski, vice-presidente do banco de investimento norte-americano The Blackstone Group.

“Estes são problemas causados ​​pela pobreza e desigualdade, mas vai muito além disso”, disse ele à Conferência das Mulheres.

Detalhando alguns casos envolvendo tráfico e escravidão, Studzinski disse que o tratamento de algumas vítimas era horrível.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele falou de uma mulher escravizada como uma prostituta que estava presa por uma semana sem comida, forçada a comer suas fezes quando ela deixou de ter relações sexuais com uma meta de 12 clientes por dia.

Leia também:

Cão empurra todos os dias a cadeira de rodas do seu dono com deficiência

Aposentada doa dinheiro de prêmio para tratamento de bebê com doença rara

Pessoas colhem seus próprios alimentos direto da terra no “Apanhe e Pague” no RS

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em outro caso extremo, uma mulher foi forçada a ter relações sexuais com um grupo de 10 homens ao mesmo tempo.

Studzinski disse que as freiras muitas vezes se vestem como prostitutas e saem nas ruas para integrar-se aos bordéis.

“Essas irmãs não confiam em ninguém. Elas não confiam nos governos, elas não confiam em corporações, e elas não confiam na polícia local. Em alguns casos, elas não podem confiar nem no clero masculino”, disse ele, acrescentando que o grupo preferiu se concentrar em seu trabalho de resgate em vez da promoção.

As irmãs também são pró-ativas na tentativa de salvar as crianças sendo vendidas como escravas por seus pais, a criação de uma rede de casas na África, bem como nas Filipinas, Brasil e Índia para abrigar essas crianças.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Esta é uma nova rede de casas para as crianças de todo o mundo que de outra forma seriam vendidas como escravas. É chocante, mas é verdade”, disse ele.

Fonte: Huffington Post

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,755,527SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Jovem que deu o próprio tênis a garoto em metrô ganha calçados de marcas

Além dos presentes, Gabriel recebeu mensagens muito carinhosas de marcas como ArtWalk, Netshoes e Reserva.

Há 10 anos esse homem cuida de mais de 4 mil periquitos selvagens em sua casa

Conheça o homem que cuida de mais de 4.000 periquitos selvagens em sua casa em Chennai, na Índia. Sekar, que trabalha consertando câmeras, não imaginava que se tornaria...

Artista nigeriano desenha quadros hiper-realistas com caneta Bic. Fotos são surreais!

Você com certeza já usou uma caneta esferográfica na escola, certo? Se disse não, é porque normalmente a chama de Bic®! Mas alguma vez...

Vítima de ataque homofóbico reage ao ouvir Katy Perry e cantora responde: “Sua força me faz sorrir”

Essa semana viralizou na internet o vídeo de um jovem rapaz que perdeu os movimentos após um ataque homofóbico em que ele reage e...

Arquiteto cria empresa focada em projetos para a classe C a partir de 300 reais

Formado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), Márcio Barreto fundou a empresa Arquitetura do Barreto, especializada em projetos econômicos a partir de R$ 300 para...

Instagram