Freiras se passam por prostitutas para resgatar vítimas do tráfico dos bordéis

Um exército de freiras quer resgatar vítimas do tráfico de pessoas passando-se por prostitutas para se infiltrar em bordéis e comprando crianças sendo vendidas como escravas.

John Studzinski, um banqueiro e filantropo, que preside a Talitha Kum, disse que a rede de 1.100 irmãs opera atualmente em cerca de 80 países, mas a demanda por esforços para combater as vítimas do tráfico e escravidão está subindo globalmente.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O grupo, criado em 2004, estima que 1% da população do mundo é traficada de alguma forma, o que se traduz em cerca de 73 milhões de pessoas. Destes, 70% são mulheres e metade estão com 16 anos ou menos.

“Eu não estou tentando ser sensacional, mas eu estou tentando sublinhar o fato de que este é um mundo que perdeu a inocência… onde forças das trevas estão ativas”, disse Studzinski, vice-presidente do banco de investimento norte-americano The Blackstone Group.

“Estes são problemas causados ​​pela pobreza e desigualdade, mas vai muito além disso”, disse ele à Conferência das Mulheres.

Detalhando alguns casos envolvendo tráfico e escravidão, Studzinski disse que o tratamento de algumas vítimas era horrível.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ele falou de uma mulher escravizada como uma prostituta que estava presa por uma semana sem comida, forçada a comer suas fezes quando ela deixou de ter relações sexuais com uma meta de 12 clientes por dia.

Leia também:

Cão empurra todos os dias a cadeira de rodas do seu dono com deficiência

Aposentada doa dinheiro de prêmio para tratamento de bebê com doença rara

Pessoas colhem seus próprios alimentos direto da terra no “Apanhe e Pague” no RS

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Em outro caso extremo, uma mulher foi forçada a ter relações sexuais com um grupo de 10 homens ao mesmo tempo.

Studzinski disse que as freiras muitas vezes se vestem como prostitutas e saem nas ruas para integrar-se aos bordéis.

“Essas irmãs não confiam em ninguém. Elas não confiam nos governos, elas não confiam em corporações, e elas não confiam na polícia local. Em alguns casos, elas não podem confiar nem no clero masculino”, disse ele, acrescentando que o grupo preferiu se concentrar em seu trabalho de resgate em vez da promoção.

As irmãs também são pró-ativas na tentativa de salvar as crianças sendo vendidas como escravas por seus pais, a criação de uma rede de casas na África, bem como nas Filipinas, Brasil e Índia para abrigar essas crianças.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“Esta é uma nova rede de casas para as crianças de todo o mundo que de outra forma seriam vendidas como escravas. É chocante, mas é verdade”, disse ele.

Fonte: Huffington Post

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,844,630SeguidoresSeguir
24,854SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Mãe faz bolo de aniversário simples para filho, internautas se comovem e enviam presentes

A cena singela de uma mãe presentando o filho com um bolo de aniversário simples numa assadeira e a felicidade dele por saber que...

PepsiCo realiza pedido de fã do Facebook de forma diferente

É comum que pessoas façam pedidos por produtos específicos ou pela volta deles em páginas de Facebook. Principalmente quando falamos de uma marca como...

Você tem até o dia 23 de fevereiro para inscrever seu projeto que pode transformar a educação no Brasil

A educação é uma luta constante no Brasil e dia após dia há quem escolha vencer todos os seus obstáculos. Impulsionando as boas e...

Floricultor troca mudinhas de planta por alimentos para quem precisa no Rio

O floricultor Fernando troca mudinhas de planta por alimentos não perecíveis e roupas.

Avô constrói réplica da Disneylândia para passar mais tempo com os netos

O engenheiro aposentado Steve Doobs queria passar mais tempo com os netos. Sabendo que seus netos adoram a Disneylandia, ele usou seu tempo livre...

Instagram

Freiras se passam por prostitutas para resgatar vítimas do tráfico dos bordéis 1