Funcionária de abrigo adota garoto recusado em mais de 10 instituições

“Ele não é o filho que eu queria, mas foi o filho que Deus me deu”, disse Leinimar de Farias Cruz com um sorriso fácil. O encontro entre mãe e filho aconteceu quando Paulo Henrique tinha um ano e um mês no hospital que ele nasceu na Zona Oeste de São Paulo. Até então, ele nunca tinha saído do hospital. Após sua mãe biológica sofrer uma overdose, ela deu à luz a Paulinho com apenas 7 meses de gestação.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Na maternidade, Leni – como é chamada pelos amigos – encontrou uma criança debilitada com broncodisplasia pulmonar – doença multifatorial caracterizada por alterações na função respiratória de recém-nascidos decorrentes à prematuridade -, além de problemas cardíacos e atraso de crescimento.

“Ele me encontrou”, lembra a agente social, que na ocasião trabalhava no abrigo que acolheu o Paulinho após mais de 10 instituições o rejeitarem devido a sua saúde debilitada. Ela passou a ser responsável por administrar a GTT – sonda gástrica – por onde ele se alimentava. Ele era a única criança no abrigo que exigia cuidados médicos e Leni passou a dedicar a maior parte do seu tempo a tentar melhorar o conforto do Paulinho.

“Percebi que estava me apegando muito a ele e tentei me afastar, porque eu não tinha condições financeiras ou emocionais para assumir ele na minha vida. Foi quando pedi demissão e passei a visitá-lo nos finais de semana”, recorda.

A fuga não deu muito certo e após a transferência do pequeno para um abrigo especializado no cuidado para a crianças com deficiência – até aquele momento entendia-se que ele tinha uma deficiência por não conseguir se comunicar através da fala. Mais tarde, Leni descobriu que o Paulinho só não fala por falta de estímulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Retomando, após ficar impossibilitada de ver o pequeno por três meses, ela conseguiu uma autorização para ficar com ele aos finais de semana, mas depois de perceber que o Paulinho escondia a mochila no final de cada domingo quando estava na hora de voltar para o abrigo, notou:

“Ali no meu coração eu tive certeza que ele era o meu filho. Eu não fazia ideia de como iria cuidar dele acordando às 4:50 da manhã para trabalhar, voltando no final do dia, solteira e sem ajuda de ninguém. Lembro que falei para Deus que se Ele me trouxe o Paulinho, então Ele que o fizesse permanecer comigo”, falou com um olhar longe, enquanto o Paulinho trazia para a sala o seu álbum de fotos desde o primeiro encontro entre mãe e filho.

Funcionária de abrigo adota garoto recusado em mais de 10 instituições 3

Durante o processo de adoção – Paulinho já com 4 anos de idade –, o pequeno foi internado na UTI com um quadro grave de pneumonia. “Lembro que o médico disse que era só questão de tempo para ele partir, porque ele estava muito fraco. Eu não aceitei perder o meu filho e ele voltou para mim”. Com a melhora do quadro médico, veio também a boa notícia.

No dia 14 de março de 2019, a guarda definitiva saiu. “Eu entrei sozinha no Fórum e sai de lá com ele nos meus braços. Foi o melhor dia da minha vida”, recorda a agente social. Até o final do mês de outubro está previsto a mudança no registro do Paulinho, que passará a adotar o sobrenome da Leinimar e do seu noivo. Sim, nesse processo ela conheceu alguém que se apaixonou pelo pequeno tanto quanto ela.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Leia também:

Já em casa há um pouco mais de um ano, Paulinho engordou, cresceu, substituiu a GTT por uma sonda nasal – menos invasiva – e aprendeu as suas primeiras palavras: “papai e mamãe”.

O emprego da Leni soube da sua história e a transferiu para uma unidade mais próxima da sua casa para que ela possa passar mais tempo com o filho. Ela que morava de favor na casa de uma antiga patroa, recebeu a ajuda de um amigo que após conhecer o Paulinho baixou o valor do aluguel para que o garoto pudesse ter espaço para brincar e ela uma casa para começar sua nova família. O pequeno tem seu próprio quarto, mas como uma criança cheia de energia, agora com 5 anos, os brinquedos estão espalhados pela casa.

Na escolinha onde passa seis horas por dia, a professora contou que as crianças da sua turma fazem fila para ajudá-lo e ele adora a atenção.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Hoje o desafio é encontrar um fonoaudiólogo que o ajude a falar e comer sem asfixiar. Além de um dentista para cuidar dos seus dentinhos, já que nasceu com alguns problemas na gengiva e no céu da boca ocasionados no período da sua gestação.

Ele cuida dela e ela cuida dele: “Hoje não imagino mais uma vida sem o meu filho”, sorri ao contar a sua história de amor real.

Texto e fotos por Erika Sarinho

Você conhece o VOAA? VOAA significa vaquinha online com amor e afeto. E é do Razões! Se existe uma história triste, lutamos para transformar em final feliz. Acesse e nos ajude a mudar histórias.

pai filha cantinho bambu prêmios programa tv

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM










Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
4,811,797SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Em momento de desespero, enfermeira inventa “técnica da mãozinha” e conforta paciente com Covid-19

"Pensa que você está segurando na mão de Deus". Foi com essas palavras que a enfermeira Lidiane Melo, de 37 anos, pediu para uma...

A tecnologia a favor dos surdos e deficientes auditivos

Imagine um aplicativo que facilita a comunicação entre pessoas surdas e ouvintes. Ou ainda um que ajude pessoas com deficiência auditiva a sentirem todo o prazer de...

Sorocaba ganha 1ª microusina de energia solar, eólica e hidráulica 100% limpa e renovável

A cidade de Sorocaba, no interior paulista, ganhou uma microusina de energia renovável que vai garantir mais independência na geração de energia e 'driblar' a...

KitKat no Japão troca embalagem de plástico por papel que pode virar origami

Com a substituição do material, 380 toneladas de plástico deixarão de ser utilizadas por ano.

Jovem com doença rara autoimune, conta como foi superar a amputação e inspira outras pessoas

Foi uma doença rara que fez Letícia Fabri, de 26 anos, mudar a sua perspectiva de vida e inspirar muita gente! Ela tem Plaquetopenia Trombocitopenica...

Instagram

Funcionária de abrigo adota garoto recusado em mais de 10 instituições 5