Funcionária de sorveteria consola cliente que perdeu cachorrinha: ‘muito lindo da parte dela’

A Gotinha tinha nove anos de vida e era o xodó da família de Patrícia, que ganhou a cachorrinha de presente para o filho quando ela ainda estava grávida. 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A cadelinha ajudou a dona a superar a depressão. Quando recebeu a notícia da morte da cachorra, Patrícia caiu no choro e foi aí que a garçonete de uma sorveteria se sensibilizou, abraçou e acolheu a cliente.

Gotinha foi atacada por outro cachorro de maior porte que estava provisoriamente na casa da família. Ela não resistiu e o marido de Patrícia informou da perda do bichinho de estimação por telefone. Patrícia tinha acabado de pedir um sorvete, um café e uma água. 

“Quando a atendente veio deixar o pedido, ela viu meu sofrimento, encheu os olhos de lágrima, e me ofereceu um abraço. Aquilo foi tão forte, ela sentiu a minha dor“, relatou.

Cachorrinha ajudou dona a superar depressão
Gotinha 💜Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A garçonete perguntou a Patrícia se queria que ela a levasse até o estacionamento. A gerente da sorveteria também se aproximou e falou que ela poderia retornar depois para tomar seu café e seu sorvete. “Elas não sabiam o que tinha acontecido porque eu não conseguia falar, só chorava e tremia. Elas foram muito sensíveis”, disse.

Leia também: Pizzaria ensina garoto que estava chorando a fazer pizza para acalmá-lo

Um mês depois, Patrícia retornou ao Bacio Di Latte do Shopping Boulevard, em Belo Horizonte, para contar o que aconteceu e agradecer. “Elas agradeceram por eu ter retornado porque ficaram muito preocupadas”, relatou.

Cachorrinha era um presente para o filho, mas ajudou mãe a superar depressão

Gotinha foi um presente que a família recebeu quando Patrícia estava grávida. Ela teve depressão e a cadelinha a ajudou a superar a doença. 

“Mesmo quando ela estava do lado de fora de casa, ela ficava encostadinha na parede do cômodo em que eu estivesse para ficar mais próxima de mim. Era o nosso docinho“, disse Patrícia, justificando o tamanho do amor e do choque quando ela recebeu a notícia da morte da cadela.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cachorrinha que salvou dona da depressão

A garçonete tornou um pouco menos dolorida a notícia da morte da Gotinha. “Eu achei tão generoso, tão bonito da parte dela, sabe? A atendente me abraçou e se entristeceu comigo. Foi muito bonito da parte dela porque hoje a gente vê tantas pessoas chorando e a gente fica tão insensível a aproximar das pessoas“, concluiu.

Essa atitude é uma gotinha de esperança em nossos dias. Que mais pessoas possam seguir o exemplo da atendente, afinal, nunca sabemos o que se passa na vida de outra pessoa, ainda mais num momento de dor, quando é extremamente difícil digerir e expressar o que estamos sentindo. Seja um ouvido, um ombro ou um abraço! Isso só basta e custa nada. ❤ 

Fotos: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,277,197SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Isso é o que acontece quando você leva quatro idosos em um grande festival de música

Bonnaroo é um dos maiores festivais de música em Manchester, Tennesse, atraindo multidões com pessoas de todos os tipos. O site Funny or Die resolveu levar...

Colegas aprendem Libras para ajudar menino surdo com o conteúdo das aulas

Mais do que aprender LIBRAS, as crianças estão aprendendo a valorizar o outro e a respeitar as diferenças.

Bruno Sodré: da periferia ao salão de beleza estrelado em São Paulo

É injusto se colocar como melhor do que o outro, quando na verdade não existe isso. É besteira cabeleireiro ter esse ego inflado, porque nenhum deles é exclusivo ou insubstituível.

Cães de rua vão ao funeral de mulher que passou a vida inteira cuidando deles

Depois de uma longa vida de gentileza e cuidado com todos os animais que ela conheceu, Margarita Suarez, uma amante dos animais, em Mérida,...

Instagram

Funcionária de sorveteria consola cliente que perdeu cachorrinha: ‘muito lindo da parte dela’ 4