Game de produção nacional coloca mulher negra e nordestina como heroína

Talvez a pergunta mais frequente dos consumidores de jogos eletrônicos ultimamente seja “onde é que atira mesmo?”. Num mercado controlado pelas franquias de jogos de tiro e afins, surge na contramão da voga dessa indústria o game de origem baiana, Árida.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O objetivo do jogo é divertir, como se espera, mas também educar, conscientizar e desconstruir esteriótipos junto aos seus jogadores, servindo à comunidade como uma plataforma de reconhecimento identitário.

Mergulhado no universo nordestino e no contexto do sertão em plena Guerra de Canudos durante o século XIX, o jogo mistura aventura com elementos de sobrevivência e exploração. Árida conta a história da jovem Cícera, que busca ajudar os sertanejos a superar a seca.

Leia tambémEstudantes nordestinos levam 59 das 75 medalhas na Olimpíada de História

Para Filipe Pereira, diretor-geral da Aoca (empresa responsável pelo desenvolvimento da obra) e game designer – é um desafio sair dos velhos clichês dos jogos desenvolvidos no Brasil e no mundo. “Todos os componentes que estão no nosso jogo colocam a gente num percentual bastante diminuído pela indústria, não só pelo local do sertão, mas também pelo viés mais social. Sem falar do protagonismo de uma personagem mulher, negra e nordestina, o que não vemos nos outros jogos”, afirmou.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A intenção inicial dos criadores do jogo era ambientar a história na região de Canudos, interior da Bahia, durante o confronto armado entre o Exército da recém-proclamada República (1891) e os integrantes do mítico movimento popular liderado por Antônio Conselheiro (1830-1897).

Game de produção nacional coloca mulher negra e nordestina como heroína
Game será lançado no primeiro trimestre de 2019. Foto: Reprodução / YouTube

No entanto, após diversas pesquisas e sondagens, que se estenderam por meses, os desenvolvedores decidiram tomar outro rumo, agregando diferentes simbolismos advindos de outras regiões do sertão nordestino com o apoio de historiadores e especialistas da Uneb – Universidade do Estado da Bahia.

“A gente fez a pesquisa em campo após seis meses de projeto, em Canudos e região, o que foi muito bom. Nós validamos caminhos que já tínhamos traçado. Uma coisa curiosa é que lá encontramos personagens como retratávamos já no game. É algo que vai de encontro com vários paradigmas que a gente tem na nossa história, como não conseguir se organizar socialmente, com um viés de resistência e utopia. Canudos, guardados as devidas proporções, é o socialismo na prática”, explicou Filipe.

Identidade visual

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O diretor de arte do projeto, Victor Cardozo, explica que houve uma sensibilidade adicional para que o público que não conhece o nordeste poder conhecê-lo de maneira honesta, sem a necessidade de passar uma imagem estereotipada daquela região.

“A gente contempla o horizonte porque lá é um ambiente muito único. Desde o solo até a flora local, então queríamos passar outra visão, mostrando que há um ambiente duro, mas também bonito.”

Árida na verdade será uma franquia, dividida em quatro episódios. O primeiro deles deve estrear no primeiro trimestre de 2019, para computadores como plataforma inicial.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Victor diz que ainda trabalha num maior amadurecimento e melhor dramatização daquele universo, na qual o processo artístico será transformado conforme o decorrer da história. “As mecânicas vão evoluir também. Hoje, tem diversos aspectos universais e uma paleta de cores diversa; já no capitulo dois vamos explorar mais os detalhes, terá mais textura. O capitulo três será menos saturado, com mais aspectos de dramas e cores mais frias”, afirma.

Leia tambémNova campanha de carro tem duas versões idênticas com protagonistas feminino e masculino

Há dois anos, a Ancine – Agência Nacional de Cinema, selecionou em edital a proposta do jogo. A agência reservou R$ 250 mil para investir no projeto; valor que será utilizado na elaboração do terceiro e quarto episódio da franquia.

“A gente foi o único da Bahia a ganhar. Ao mesmo tempo que estamos orgulhosos, estamos tristes por saber que há outros talentos que poderiam ser contemplados. O fato da Ancine elogiar nosso projeto é um alento, ao mesmo tempo que produzimos socialmente algo forte, também é interessante para o mercado”, comemorou o diretor de arte.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.

Fonte: Rede Brasil Atual

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,274,824SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Cachorro faz de tudo para conseguir amizade de garoto com síndrome de Down

O garoto argentino Hernán, de cinco anos, tem síndrome de Down e, segundo familiares, não gosta muito de contato com pessoas ou animais. Mas...

Após casa de idoso ser ofendida por adolescentes, comunidade faz grande surpresa para ajudar

Tudo começou no mês passado, depois que dois adolescentes em Pendleton, Oregon, insultaram um homem de 75 anos de idade sobre a condição de sua...

Jovem da Rocinha troca festa de aniversário por doações para desabrigados

Flora completou 19 anos recentemente. Moradora da Dionéia, na parte da alta da Rocinha, no Rio de Janeiro, ela conta que no mês de...

Artista com Sínrome de Down é internacionalmente reconhecido e vai expor na Itália

Lucio Piantino tem 19 anos, é dançarino, artista e agora está prestes levar seu trabalho para fora do país. De fato, Lucio sempre teve...

Projeto divertido ajuda gringos a pronunciarem os nomes das ruas de SP

Sabemos como pode ser difícil se localizar em uma cidade estrangeira. A escrita e, principalmente, a pronúncia são muito diferentes. Para ajudar os gringos a pronunciarem os nomes...

Instagram

Game de produção nacional coloca mulher negra e nordestina como heroína 3