Gari que faz biomedicina recebe apoio após sofrer preconceito: ‘Orgulho da minha profissão’

Após divulgar o print de uma conversa, em que uma pessoa pergunta se “um gari pode fazer biomedicina”, Cleverson Carlos de Azevedo Silva, 21 anos, levantou uma reflexão sobre o que um gari pode ou não pode fazer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“As pessoas deveriam pensar um pouco antes de falar, palavras têm peso. Já não é uma profissão valorizada, e ainda tenho que passar por isso”, comentou o rapaz, que mora em São Paulo (SP). As informações são do site BHAZ.

Cleverson conta que ficou triste com a mensagem, ainda mais porque conhecia a pessoa, que supostamente era seu amigo. “Eu me senti ofendido, ele quis dizer que gari não pode fazer nada. Me magoou bastante, ainda mais por ser um amigo próximo. Assim que ele viu que eu divulguei o print, mesmo sem identificá-lo, ele me bloqueou. Ainda não pediu desculpas nem nada”, explicou Cleverson.

Segundo o gari, o sonho do diploma em biomedicina surgiu primeiro no coração de sua mãe. “Eu não passei no exército, meu sonho era seguir carreira militar, mas não deu. Aí fui olhar a biomedicina e vi que tem a parte da perícia. Tenho o sonho de me formar e virar perito criminal na Polícia Federal”, conta.

gari que faz biomedicina apoio redes sociais

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vaquinha para reformar a casa do gari Betinho que faz trabalho social com famílias carentes. Faça a sua contribuição!

Orgulho em ser gari

Para alcançar o diploma e seguir carreira como perito criminal na PF, Cleverson precisava de um emprego para pagar a mensalidade da faculdade.

Surgiu a oportunidade de ser gari e não pensei duas vezes. O dinheiro serve para pagar a faculdade e ajudar meus pais com as contas, alimentação, aluguel, essas coisas. Sobra bem pouco, mas vivemos bem”, diz o jovem, que mora em uma favela no Parque Santa Madalena, na Região Leste da capital paulista, com os pais e três irmãos.

Leia também: Tatá Werneck se emociona ao conhecer história de gari que entrega refeições a pessoas carentes no RS

O jovem também trabalha como técnico em informática. “Na época, minha mãe não tinha condições de pagar a inscrição do curso, que era R$ 30. Minha tia me emprestou o dinheiro, consegui estudar e me formar em nível técnico”, continua.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cleverson ignora o preconceito e se abstém das palavras ofensivas que às vezes surgem nas redes sociais. “Tenho orgulho de ser gari. Recebi muitas mensagens de apoio, falando para eu continuar estudando, que meu futuro vai ser brilhante. Estou indo para 2º semestre, estudo à noite e trabalho de dia. Dá para conciliar os dois, mas é puxado”, conta.

Nos posts que compartilha em seus perfis, Cleverson recebe inúmeros elogios de pessoas que costumam exaltar sua determinação e coragem. “Continue batalhando! Um degrau de cada vez! Deus vai te honrar! Força e fé!!!”, “Vai lá e vença! Quebre o sistema! Resista! Pobre é aquele que não conhece mais do que o próprio mundinho e acha que ninguém pode crescer. Bata forte no peito e vai” e “Vai ser o melhor biomédico com certeza!” foram algumas das mensagens.

O Betinho é gari como o Cleverson. Ele aproveita as folgas do trabalho para fazer ações sociais no RS. Contribua para a vaquinha dele na VOAA!

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

Fotos: Reprodução/Instagram @12.azevedo

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,642,968SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Personal é surpreendido por aluna dançando de muleta e se emociona com sua história; veja vídeo

Personal se emociona ao descobrir a história da aluna e pede ajuda para realizar sonho dela.

Em uma experiência inspiradora, crianças transformam o dia a dia de um asilo em SP

Duas gerações, com quase um século de diferença, conseguem se conectar? Sempre acreditamos que sim, principalmente depois que publicamos sobre uma instituição em Seattle, nos...

Pai pedala mais de 5 mil quilômetros para ver a filha

Osvaldo Teixeira, um senhor de 52 anos, viajou mais de 5 mil quilômetros de bicicleta, entre Goiânia e Rosário, na Argentina, para ver a...

Fotógrafa brasileira lança projeto para documentar a conexão da mulher com o oceano

Registrar a relação da mulher com o mar é o propósito do Salty Eyes, o novo projeto fotográfico de Marianna Piccoli. Com uma linguagem artística e singular,...

Menino de dez anos cria empresa de reciclagem e doa lucro para crianças sem-teto

Além de ir à escola, o que você fazia durante seu tempo livre quando tinha dez anos? Enquanto a maioria das crianças desta idade...

Instagram