Gari que faz biomedicina recebe apoio após sofrer preconceito: ‘Orgulho da minha profissão’

Clique e ouça:

Após divulgar o print de uma conversa, em que uma pessoa pergunta se “um gari pode fazer biomedicina”, Cleverson Carlos de Azevedo Silva, 21 anos, levantou uma reflexão sobre o que um gari pode ou não pode fazer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“As pessoas deveriam pensar um pouco antes de falar, palavras têm peso. Já não é uma profissão valorizada, e ainda tenho que passar por isso”, comentou o rapaz, que mora em São Paulo (SP).

Cleverson conta que ficou triste com a mensagem, ainda mais porque conhecia a pessoa, que supostamente era seu amigo. “Eu me senti ofendido, ele quis dizer que gari não pode fazer nada. Me magoou bastante, ainda mais por ser um amigo próximo. Assim que ele viu que eu divulguei o print, mesmo sem identificá-lo, ele me bloqueou. Ainda não pediu desculpas nem nada”, explicou Cleverson.

Segundo o gari, o sonho do diploma em biomedicina surgiu primeiro no coração de sua mãe. “Eu não passei no exército, meu sonho era seguir carreira militar, mas não deu. Aí fui olhar a biomedicina e vi que tem a parte da perícia. Tenho o sonho de me formar e virar perito criminal na Polícia Federal”, conta.

gari que faz biomedicina apoio redes sociais

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Orgulho em ser gari

Para alcançar o diploma e seguir carreira como perito criminal na PF, Cleverson precisava de um emprego para pagar a mensalidade da faculdade.

Surgiu a oportunidade de ser gari e não pensei duas vezes. O dinheiro serve para pagar a faculdade e ajudar meus pais com as contas, alimentação, aluguel, essas coisas. Sobra bem pouco, mas vivemos bem”, diz o jovem, que mora em uma favela no Parque Santa Madalena, na Região Leste da capital paulista, com os pais e três irmãos.

Leia tambémGari criticada por se maquiar responde: ‘Não é por varrer rua que deixarei de ser mulher’

O jovem também trabalha como técnico em informática. “Na época, minha mãe não tinha condições de pagar a inscrição do curso, que era R$ 30. Minha tia me emprestou o dinheiro, consegui estudar e me formar em nível técnico”, continua.

 

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Cleverson Azevedo (@12.azevedo) em

Cleverson ignora o preconceito e se abstém das palavras ofensivas que às vezes surgem nas redes sociais. “Tenho orgulho de ser gari. Recebi muitas mensagens de apoio, falando para eu continuar estudando, que meu futuro vai ser brilhante. Estou indo para 2º semestre, estudo à noite e trabalho de dia. Dá para conciliar os dois, mas é puxado”, conta.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O Razões e o Educa Mais Brasil te ajudam a conseguir bolsa de estudo para cursos técnicos e profissionalizantes, cursos de idiomas, entre outras, clique aqui.

Nos posts que compartilha em seus perfis, Cleverson recebe inúmeros elogios de pessoas que costumam exaltar sua determinação e coragem. “Continue batalhando! Um degrau de cada vez! Deus vai te honrar! Força e fé!!!”, “Vai lá e vença! Quebre o sistema! Resista! Pobre é aquele que não conhece mais do que o próprio mundinho e acha que ninguém pode crescer. Bata forte no peito e vai” e “Vai ser o melhor biomédico com certeza!” foram algumas das mensagens.

Compartilhe o post com seus amigos!

  • Siga o Razões no Instagram aqui.
  • Inscreva-se em nosso canal no Youtube aqui.
  • Curta o Razões no Facebook aqui.
  • Envie sua história aqui.

Fonte: BHAZ/Fotos: Reprodução/Instagram @12.azevedo

Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,072,584FãsCurtir
2,422,376SeguidoresSeguir
20,228SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Desconhecidos dão vida nova a idoso que recebeu arroz com ração de cachorro para comer

A história de seu José Adan começou triste, mas terminou muito feliz. Ele é um senhor idoso que vive em situação de rua e...

Internautas impedem falência de camisaria de idoso e vaquinha arrecada mais de R$50 mil em menos de 24h

Genteee, conseguimos! Batemos a meta da vaquinha pro Seu Pedroso não perder sua pequena camisaria, que ele tem há 75 anos. A história do vovô...

Yaci e Yara, filhas de quilombolas, são capa da Marie Claire

Dona Maria Santana deve estar orgulhosa, afinal, suas duas filhas gêmeas, Yaci e Yara, estão conquistando o mundo da moda com sua beleza estonteante...

Após vídeo viralizar, idoso recebe apoio de desconhecidos para salvar sua camisaria em SP

Apenas seis! Essa é a quantidade de camisas que o seu Odiney Pedroso, um senhorzinho prestes a completar 90 anos, vendeu desde o início...

Em apenas 24h, vaquinha para menino que cuida sozinho da mãe doente arrecada mais de R$277 mil

Genteeee, que alegria! Em menos de 24h, batemos a meta da vaquinha para comprar uma casa para o menino José, 15 anos, a mãe...

Instagram

Gari que faz biomedicina recebe apoio após sofrer preconceito: 'Orgulho da minha profissão' 13