Gari que faz biomedicina recebe apoio após sofrer preconceito: ‘Orgulho da minha profissão’

Após divulgar o print de uma conversa, em que uma pessoa pergunta se “um gari pode fazer biomedicina”, Cleverson Carlos de Azevedo Silva, 21 anos, levantou uma reflexão sobre o que um gari pode ou não pode fazer.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

“As pessoas deveriam pensar um pouco antes de falar, palavras têm peso. Já não é uma profissão valorizada, e ainda tenho que passar por isso”, comentou o rapaz, que mora em São Paulo (SP). As informações são do site BHAZ.

Cleverson conta que ficou triste com a mensagem, ainda mais porque conhecia a pessoa, que supostamente era seu amigo. “Eu me senti ofendido, ele quis dizer que gari não pode fazer nada. Me magoou bastante, ainda mais por ser um amigo próximo. Assim que ele viu que eu divulguei o print, mesmo sem identificá-lo, ele me bloqueou. Ainda não pediu desculpas nem nada”, explicou Cleverson.

Segundo o gari, o sonho do diploma em biomedicina surgiu primeiro no coração de sua mãe. “Eu não passei no exército, meu sonho era seguir carreira militar, mas não deu. Aí fui olhar a biomedicina e vi que tem a parte da perícia. Tenho o sonho de me formar e virar perito criminal na Polícia Federal”, conta.

gari que faz biomedicina apoio redes sociais

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Vaquinha para reformar a casa do gari Betinho que faz trabalho social com famílias carentes. Faça a sua contribuição!

Orgulho em ser gari

Para alcançar o diploma e seguir carreira como perito criminal na PF, Cleverson precisava de um emprego para pagar a mensalidade da faculdade.

Surgiu a oportunidade de ser gari e não pensei duas vezes. O dinheiro serve para pagar a faculdade e ajudar meus pais com as contas, alimentação, aluguel, essas coisas. Sobra bem pouco, mas vivemos bem”, diz o jovem, que mora em uma favela no Parque Santa Madalena, na Região Leste da capital paulista, com os pais e três irmãos.

Leia também: Tatá Werneck se emociona ao conhecer história de gari que entrega refeições a pessoas carentes no RS

O jovem também trabalha como técnico em informática. “Na época, minha mãe não tinha condições de pagar a inscrição do curso, que era R$ 30. Minha tia me emprestou o dinheiro, consegui estudar e me formar em nível técnico”, continua.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Cleverson ignora o preconceito e se abstém das palavras ofensivas que às vezes surgem nas redes sociais. “Tenho orgulho de ser gari. Recebi muitas mensagens de apoio, falando para eu continuar estudando, que meu futuro vai ser brilhante. Estou indo para 2º semestre, estudo à noite e trabalho de dia. Dá para conciliar os dois, mas é puxado”, conta.

Nos posts que compartilha em seus perfis, Cleverson recebe inúmeros elogios de pessoas que costumam exaltar sua determinação e coragem. “Continue batalhando! Um degrau de cada vez! Deus vai te honrar! Força e fé!!!”, “Vai lá e vença! Quebre o sistema! Resista! Pobre é aquele que não conhece mais do que o próprio mundinho e acha que ninguém pode crescer. Bata forte no peito e vai” e “Vai ser o melhor biomédico com certeza!” foram algumas das mensagens.

O Betinho é gari como o Cleverson. Ele aproveita as folgas do trabalho para fazer ações sociais no RS. Contribua para a vaquinha dele na VOAA!

[Nota da Redação]

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Estamos com a campanha especial #PoderDoSomos com OMO contando histórias incríveis de projetos que transformam vidas! Confira o projeto anunciado Giovanna Ewbank:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Razões Para Acreditar (@razoesparaacreditar) em

Fotos: Reprodução/Instagram @12.azevedo

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
2,777,376SeguidoresSeguir
23,544SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Botão da “florzinha” está de volta ao Facebook e a internet não está sabendo lidar

Eis que a melhor notícia do mês: o botão da "florzinha", relacionado à reação de gratidão no Facebook está de volta! A florzinha lilás mais...

Jovem invade casa em chamas para salvar sobrinha de 8 anos: ‘faria de novo, mesmo se eu morresse’

Derrick Byrd não gosta da alcunha de "herói", mas se não fosse por ele, sua sobrinha, uma menininha de 8 anos, teria sucumbido ao...

Menina que nasceu sem as mãos ganha concurso de caligrafia

A pequena Anaya Ellick, de apenas sete anos, que nasceu sem as mãos, venceu com todos os méritos uma competição de caligrafia, nos Estados...

Reunimos os piores-melhores trocadilhos com sobrenomes que vocês nos mandaram

Ah, a internet.. no meio de tanta coisa acontecendo em nosso país e no mundo, é importantíssimo aliviarmos um pouco e darmos boas risadas,...

Instagram

Gari que faz biomedicina recebe apoio após sofrer preconceito: 'Orgulho da minha profissão' 2