Garoto abandonado duas vezes finalmente encontra um pai definitivo

A história de Tony e Peter Mutabazi é daquelas que só confirmam que o nosso destino parece estar realmente traçado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

pai e filho em restaurante

Tony foi entregue a primeira vez para adoção aos dois anos de idade pelos seus pais biológicos. Quando tinha 4 anos, ele foi adotado por uma família de Oklahoma (EUA).

Só que essa família também o abandonou, aos 11 anos. Os pais adotivos deixaram Tony em um hospital da cidade de Charlotte, na Carolina do Norte (EUA), e nunca mais retornaram.

Foi quando Peter o conheceu.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Peter e Tony juntos

Peter Mutabazi era voluntário em um projeto onde pessoas podem acolher temporariamente menores abandonados ou afastados dos pais devido a maus tratos. Por isso, a assistente social Jessica Ward, o ligou pedindo que ele acolhesse Tony. Ele precisaria cuidar de Tony apenas por um final de semana em sua casa.

Jessica tirou Tony do hospital e o levou para a casa de Peter ainda na mesma madrugada. Ao chegar na casa de Peter, Tony viu um brinquedo no quarto que ele dormiria e perguntou se podia brincar.

Aqueceu meu coração o fato de ele ter perguntado isso e me chamado de senhor”, recorda Peter.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Peter também comenta que Tony sempre o chamou de pai. Isso chamou a atenção dele, pois as outras crianças que ele acolhia só se referiam a ele como pai quando estavam em ambientes públicos.

Tony e Peter conversando

Depois de alguns dias, ele soube da história de Tony. Jessica comentou que os pais adotivo o abandonaram no hospital e haviam rescindido a tutela, o que faria com que o menino retornasse para uma casa de adoção.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Peter disse que se emocionou completamente e foi exatamente quando entendeu que ele iria adotar Tony.

Depois que soube que os direitos dos pais foram revogados e que ele não tinha para onde ir, eu [sabia que] precisava levá-lo para casa”

Tony e Peter em loja de conveniência

Eu tinha o quarto, os recursos, então não tinha motivos para deixá-lo ir embora. Pelo que alguém fez por mim, eu queria fazer algo por outra pessoa”, completou Peter.

Infância difícil

Ele nasceu em Uganda, na África e enfrentou muitas dificuldades em toda a sua vida. Peter sofria abusos aos 10 anos, até que fugiu da casa onde morava.

Foi quando ele mudou para o EUA e começou a trabalhar na World Vision United States, uma organização humanitária cristã global que ajuda crianças carentes.

Leia também: Ela encarou sozinha uma adoção para realizar o sonho de ser mãe

Peter conta que pensou em casar e ter filhos, mas então resolveu esperar mais um pouco. Um dia alguém chegou para ele e perguntou se havia interesse em ser tutor temporário. Como ele é solteiro, não sabia se estava qualificado para o cargo.

E ele estava. Foram dois anos recebendo crianças de todas as idades. Ao todo foram 12 filhos temporários. Tony foi o décimo segundo.

Tony e Peter lendo

Adoção definitiva

A história desses dois é tão especial que não tinha como não viralizar. Tony e Peter comemoraram a adoção definitiva e o perfil deles no Instagram já soma mais de 85 mil seguidores.

Tony e Peter em grupo

Os dois juntos são maravilhosos e não dá para negar que eles formam uma família linda e cheia de amor!

Veja também:

 

FONTE: Psicologia do Brasil

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,562,206SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Professora transforma sacos de ração em estojos e mochilas e doa para crianças carentes em Santa Cruz do Sul (RS)

Mônica Inês Schuck resolveu reaproveitar sacos de ração e conseguiu transformar todos em lindos estojos e mochilas, que serão doados a alunos de escolas...

Paraguaio leva flores diariamente há dois anos para restaurante em São Paulo e recebe surpresa dos funcionários

José Guillermo Tarragó é paraguaio, tem 90 anos e chegou ao Brasil aos 16 anos. Durante todos esses anos no país, ele atuou como...

Menina de 10 anos usa Google Tradutor para acolher amigo mexicano na escola

É normal se sentir um tanto deslocado quando inicia o ano letivo, mas a situação fica mais tensa ainda quando a pessoa está em...

Escritora com câncer terminal procura “nova história de amor” para o marido

“É fácil se apaixonar por ele. No meu caso, levou apenas um dia”.

Sebrae e CPTM vão capacitar vendedores ambulantes dos metrôs de SP

A ideia é capacitar o vendedor para que ele saia da informalidade e tenha seu próprio negócio.

Instagram