Garoto fofo de 4 anos com altas habilidades surpreende por falar inglês, ler e fazer contas sem estar na escola

Um vídeo que circulou nas redes sociais este mês chamou a atenção pela perfeição de uma garotinha ao pronunciar palavras dificílimas com dicção melhor do que a de muito adulto. O que está por trás da fofura em forma de vídeo é uma criança com altas habilidades, o que é muito bom e pode ser muito difícil para a família também, mas isso ninguém conta.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assim como a pequena Alice, de dois anos, o garoto Filippo, de apenas quatro anos, detém uma capacidade cognitiva acima da média, seja para contar, somar, falar inglês, fazer cálculos em inglês, tudo coisa que ele aprende intuitivamente, até porque, desde que começou a pandemia, ele não frequenta a escola.

Menino sentado em quadra sorrindo com brinquedos
Filippo desenvolve brincadeiras próprias com objetos desde pequeno. (Foto: Arquivo pessoal)

Se você se admirou com a pronúncia da Alice ao falar palavras em português, se prepare para escutar o Filippo lendo e falando em inglês sem nunca ter estudado ou tido contato com falantes nativos. Se liga:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

 

Olhem só o vídeo dele ainda com dois anos lendo as placas dos carros:

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Apesar dessa habilidade e dessa facilidade cognitiva, as coisas nem sempre são fáceis, nem para eles nem para os pais. “Tenho sentido na pele essa dificuldade. Ele exige atenção e raciocínio lógico quase que o dia inteiro”, disse a mãe, a jornalista Roberta Castro.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Além da atenção diferenciada, essas crianças exigem acompanhamento profissional especializado. Só para adquirir o laudo de criança com Altas Habilidades o exame custa cerca de R$ 4 mil. Roberta precisou fazer uma vaquinha na internet e as pessoas apoiaram a causa para que ele pudesse ter o diagnóstico.

Menino com altas habilidades sorrindo em frente a quadro negro com giz e apagador na mão
Foto: Arquivo pessoal

E não foram só as pessoas na internet que ajudaram. A neuropsicóloga Mariana Casagrande, que tem uma clínica em Santo André (SP) e há 17 anos trata crianças com essas altas habilidades, se dispôs a acompanhar o Filippo gratuitamente.

“São crianças superdotadas, crianças gênios como a gente chama. Filippo tem uma capacidade cognitiva muito acima do normal, aprendizado natural, nem frequenta escola, é alfabetizado em inglês e português, multiplica. Assim como tem crianças que têm dificuldade, existem as crianças que têm a inteligência muito acima do normal”, disse.

Menino com altas habilidades segurando pincel
Filippo tem hiperfoco e concentração para todas as atividades, incluindo artísticas. (Foto: Arquivo pessoal)

Falta diagnóstico e acompanhamento para crianças no Brasil

O grande problema, segundo ela, é que essas crianças não têm o acompanhamento adequado. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), de 3,5% a 5% da população brasileira é superdotada.

Desse total, acredita-se que cerca de 2 milhões de pessoas estão na idade escolar, porém, de acordo com o último censo (INEP/MEC), apenas 16 mil crianças possuem o diagnóstico de superdotação no país e, delas, 12 mil têm atendimento de educação especial.

Garoto com altas habilidades com jogo na mão
Foto: Arquivo pessoal

“Qual o grande problema? Ajudar essas crianças, pois é muito difícil de diagnosticar. Muitos abandonam a escola na adolescência, têm problemas de comportamento, acham a escola muito chata. Não existe no SUS o exame de diagnóstico e a assistência especializada”, complementou.

Garoto com altas habilidades em frente a tela de tablet
Foto: Arquivo pessoal

O atendimento educacional especializado só passou a fazer parte da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) em 2013. Dois anos depois é que foi promulgada a lei que torna obrigatória a oferta de serviço que identifique, cadastre e atenda estudantes com essas características, mas a prática ainda é diferente.

É por isso que Roberta está na busca por uma escola especializada e bilíngue para o pequeno Filippo. Divorciada, ela busca realizar a estimulação precoce para desenvolver as potencialidades do garoto, mas precisa de atendimento multidisciplinar.

Garoto com altas habilidades sorrindo e lendo em inglês.
Filippo lê livros em inglês. (Foto: Arquivo pessoal)

“Sinto a necessidade como mãe de incentivar e desenvolver Pippo para que ele possa crescer e deixar um legado positivo para sua geração”, finalizou. Se você tem condições de ajudar o Filippo, manda um e-mail para a mamãe Roberta, no [email protected] ou então colabore na vaquinha.

Voa, Filippo!

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,758,975SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Ele tem 73 anos, Alzheimer e esqueceu o nome de todos, menos da amada

Essa história é tão fofa que não achamos justo não compartilhar com vocês. José Mario e Nair Lima são casados há 47 anos e têm...

O que estamos fazendo por nós?

Acordei lentamente e, enquanto tomava senso do espaço em que eu estava, um amigo dedilhava na varanda com sua voz rouca. Eu ainda recostada...

Para dar confiança à filha, pai dança coreografia de balé com ela 😍

O pai Bryan Witt tornou-se a mais nova sensação da internet, após compartilhar um vídeo ajudando sua filha de 6 anos a se preparar...

Jovem com Down vai até o túmulo da mãe contar sua conquista: “Eu consegui. Eu me formei hoje!”

Entre todas as pessoas que aplaudiram Paul Marshall Jr. no dia da sua formatura do Ensino Médio, não estava Latonya Marshall, a mãe dele,...

Em seu aniversário de 8 anos, Luara resolve doar seu cabelo para menina com câncer

Em dezembro de 2014 aconteceu uma história emocionante. Luara, de apenas oito anos, decidiu doar seus cabelos e fazer a alegria de outra criança,...

Instagram