Gatinho paraplégico dá um show de superação e sua história vira fotolivro

Essa história esbanja vontade e alegria de viver, apesar de seu triste começo. Há cinco anos, quando tinha apenas dois meses de idade, o gatinho Paçoca foi abandonado na frente de um hospital veterinário, em SP, após ser atropelado.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Simone Gatto ficou sabendo do caso e se interessou em adotar o gatinho que ficou paraplégico. Foi na convivência com Paçoca que Simone descobriu uma espécie de vocação que viria a se tornar, mais tarde, sua missão de vida.

Hoje ela é tutora de Banguela, que ficou paraplégico depois de ser espancado; Amora, que perdeu o movimento das pernas ao cair de um telhado; Denise, que é tetraplégica devido a um atropelamento e Thor, que nasceu com apenas um olho, uma narina e lábios leporinos.

Thor, Denise, Paçoca e Banguela. Arquivo pessoal

Agora a inspiradora história desse quinteto, que não tem mais nada de triste, está no fotolivro Paçoca Gatto e Cia – Diferentes e Felizes que, além de lindas imagens, tem 50% da renda revertida para animais carentes que a própria Simone auxilia.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O fotolivro tem três objetivos principais ligados à inclusão: ajudar as crianças e jovens a encararem as pessoas e animais deficientes com naturalidade, inspirar crianças e jovens deficientes a partir do exemplo de superação dos cinco gatinhos e motivar a adoção de animais deficientes.

Capa do livro Paçoca Gatto e Cia – Diferentes e Felizes. Divulgação

Paçoca e seus irmãos adotivos levam uma vida quase normal, aliás, até bem mais dinâmica que muito gato doméstico.  Frequentam praças, eventos e Paçoca foi até garoto-propaganda de uma lei que, em 2019, passou a permitir o transporte de animais no metrô de SP. Antes dessa lei só era permitida a presença do cão-guia no metrô.

Paçoca tem uma coleção de acessórios para desfilar nos eventos que frequenta. Foto de Ademir Fheliz

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

O fotolivro da Editora Miaubook & Cia é ricamente ilustrado pelos fotógrafos Ademir Fheliz e Lionel Falcon e os leitores podem ver vídeos dos gatinhos por meio de QRCodes inseridos em várias páginas.

A narração é do próprio Paçoca, que vai mostrando suas inúmeras atividades ao ar livre, incluindo o sucesso que faz na Avenida Paulista andando com sua cadeirinha de rodas e nos parques da cidade onde, acreditem, aposta corrida com o Banguela, que também se locomove com rodinhas.

Banguela, Thor, Denise e Amora em imagens de Ademir Fheliz

Paçoca também encanta com seus belos olhos ímpares, um na cor amarela esverdeada e outro azul – uma mutação chamada heterocromia que costuma incidir em gatos brancos.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Paçoca Gatto tem heterocromia: um olho de cada cor. Foto de Ademir Fheliz

Ajuda aos animais deficientes

Simone ministra cursos e fornece orientações gratuitas para pessoas que têm animais deficientes para evitar abandonos e incentivar a adoção de animais com necessidades especiais. Para isso, ela consultou veterinários que eram contra sacrificar animais deficientes.

“Percebi que esse universo dos animais deficientes é muito pouco divulgado e vários veterinários indicam a eutanásia em casos com grandes chances de recuperação. Então aprendi técnicas e tratamentos para tornar maravilhosa a vida desses seres especiais. Há muitos caminhos para ajudar esses bichinhos”, diz.

Amora, Banguela, Paçoca e Denise. Arquivo pessoal

Para entrar em contato com Simone Gatto e acompanhar a trajetória de Paçoca acesse seu Facebook e para adquirir o fotolivro acesse AQUI

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM


Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,499,046SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Colegas de trabalho doam 330 dias de férias para funcionária cuidar de sua filha doente

E não foram apenas os funcionários mais próximos dela, mas, também, aqueles que ela sequer conhecia. A maioria doou de um a três dias. Ao todo, Nathalie ganhou 330 dias (quase um ano inteiro) para acompanhar o tratamento da filha.

O amor sempre vence: eles foram casados 25 anos, se separaram e agora vão se casar de novo!

Dizem que quando é para um casal ficar junto, não há nada no mundo que possa os separar. Nem o tempo, muito menos a...

Cristãos vão à Parada LGBT de São Paulo espalhar o amor

Esse tipo de atitude me deixa com os olhos lacrimejando, elas me emocionam pois afirmam o que tenho certeza: existem pessoas cristãs extremamente sensatas,...

Marília Mendonça se emociona ao visitar fã idoso em asilo

Um idoso de 74 anos que não tem família e mora em um asilo no município de Americana, no interior paulista, recebeu a ilustre...

Hospital Badim: Médicos criam corrente solidária para socorrer feridos no incêndio

Diversos médicos atenderam ao apelo dos colegas do Hospital Badim, na Tijuca (RJ), atingido por um incêndio no final da tarde desta quinta-feira (12).

Instagram