Em SP, gays criam time de futebol e confrontam exclusão no esporte

O Unicorns Futebol Clube é uma equipe de futebol amador formada apenas por pessoas LGBTs. Mas, gays gostam de futebol? Claro que sim, ou pelo menos podem gostar. De uns tempos pra cá, é comum ouvir nos estádios de futebol as torcidas gritarem “bicha” quando os goleiros colocam a bola em jogo. O grito é sempre em tom pejorativo, diferente de quando um gay chama outro gay de bicha.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mas, o preconceito não intimida os integrantes do Unicorns Futebol Clube. A equipe possui 50 integrantes e joga em uma quadra dominada por times formados por homens héteros, no bairro do Ipiranga, em São Paulo (SP). Ninguém precisa ser bom de bola para participar, a única exigência é “não falar mal da Madonna”.

time de futebol
Time reunido.

Na quadra, os unicórnios, como se chamam uns aos outros, trocam beijos, exibem suas chuteiras coloridas e soltam, sem vergonha nenhuma, expressões como “arrasou viado!” ou “você foi maravilhosa bicha”, todas as vezes que alguém faz um gol ou uma jogada de efeito.

“Demos um basta ao trauma de ser o último escolhido no time da escola, no bullying que sofremos por não jogarmos bem. O que predomina aqui é o espírito do unicórnio, que remete à diversão, a essa coisa nada a ver com um time convencional“, disse o diretor de arte Bruno Hist à Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Os unicórnios têm a torcida mais fiel. Isso porque os maridos e namorados dos jogadores também frequentam os treinos e jogos toda semana. Eles se autoapelidaram de “bearleaders” – uma mistura de “cheerleader”, nome das líderes de torcida de timer americanos, com “bear” (urso em inglês). Dentro da comunidade gay, os “ursos” são homens com aparência mais parruda, fortes e barbudos.

time de futebol gay

Segundo o gerente financeiro Daniel Lovizzaro, que não perde nenhuma partida do marido, o advogado Rodrigo Nascimento, a formação do Unicorns é uma “conquista de geração”.

As novas gerações não têm ou não vão ter mais barreiras de gênero. Isso ajuda a entender porque não enfrentamos grandes problemas aqui neste universo que é basicamente de héteros. Às vezes alguns olham feio, fazem uma piadinha, mas nada fora dos limites. Sermos muitos também ajuda. Quem vai encarar todas nós?”, brinca.

E o Unicorns Futebol Club quer fazer mais pela inserção dos gays no futebol. Em conversas com times LGBTs da Argentina e do México, surgiu a ideia de criar uma Copa América Gay, o que seria bom para o esporte e a sociedade de forma geral. Só vem #CopaAmericaGay!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Assista a um vídeo deles jogando:

Leia também:

Camareira em hotel de SP deixa bilhete de boas-vindas mais afetuoso que você já viu

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Lealdade: Labrador de menino autista não sai de perto dele nem no hospital

Caixas do Sul (RS) instala ponto de ônibus com teto verde que produz energia solar

Fotos: Reprodução/Facebook

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,645,514SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

O vídeo do momento em que Charlie Brown conhece o Snoopy e o leva pra casa

Ontem publicamos na nossa fanpage a imagem do momento em que Charlie Brown conhece o Snoopy, ainda filhotinho, e o adota! No vídeo, vemos Charlie...

Cápsulas impressas em 3D poderão abrigar pessoas em situação de rua

Faltam abrigos e sobram pessoas em situação de rua em Nova Iorque. As vagas dos abrigos municipais, mais de 60 mil, são ocupadas todas...

Um dia fazenda de leite; hoje santuário e produtor de sorvetes veganos

Um pouco de ironia e empreendedorismo transformou uma antiga fazenda de leite em produtora de sorvetes veganos. A fazenda Lewis Oliver Quinta, localizada na costa norte de...

Menino não corta os cabelos compridos, supera o bullyng e inspira mãe a escrever livro

Falar de temas complexos e polêmicos, como sexismo, preconceitos e estereótipos, para crianças de 5 anos não é uma tarefa fácil. É necessário muito...

Primeiro Centro de Medicina Indígena é inaugurado em Manaus com consultas no valor de R$10

Esse acontecimento é motivo de muito orgulho para nós: No dia 6 de junho, Barserikowi’i, o primeiro Centro de Medicina Indígena da Amazônia, abriu suas portas...

Instagram