Gêmeas separadas há dois anos se reencontram após serem adotadas por um casal na BA

Ana e Júlio são de Feira de Santana (BA), estão casados há 10 anos e a história da família deles dá um enredo de filme!

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

casal com as gêmeas adotadas
Ana, Júlio e as gêmeas Aline e Alice | Reprodução: Acorda Cidade

Eles resolveram adotar uma menina que Ana conheceu no Hospital Estadual da Criança (HEC) onde ela trabalha como assistente social.

Alice chegou no hospital com apenas um mês de vida, para tratar um problema de saúde chamado laringotraqueomalacia, muito comum em bebês prematuros. Após fazer o acompanhamento da menina em uma traqueostomia, Ana resolveu dar entrada nos papéis para adotar Alice.

Desde o início, Ana sabia que Alice tinha uma irmã gêmea, mas não sabia nada sobre a criança.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A família delas é nômade e até então Aline estava sumida. Ano passado ela foi encontrada e nós fomos procurados. Não tínhamos como dizer não e eu não saberia nunca olhar pra minha filha e dizer para ela que dei as costa pra sua irmã. Eu não conseguiria olhar para Alice linda, alegre e feliz e imaginar a irmã longe e talvez infeliz. O amor verdadeiro sempre dá espaço pra mais alguém, então iniciamos o procedimento para a vinda de Aline”, contou Ana.

Leia também: Jovem é adotado após viver 13 anos em abrigo. “A adoção foi algo surpreendente para mim”

Mesmo sabendo que a parte financeira se tornaria um desafio, Ana e Júlio resolveram começar as buscas pela irmã a pequena Alice. Durante esse tempo, Ana também descobriu que estava grávida, mas ainda assim não desistiu da vontade de unir as duas irmãs.

O medo bateu mesmo. Mas, saber o que estava acontecendo com ela e tudo que ela mesmo tão nova já tinha sofrido me dava a certeza de que se eu não pudesse dar o “melhor” financeiramente falando, eu poderia dar o que no momento ela mais precisava que era amor e família”, diz Ana.

família caminhando
Reprodução: Acorda Cidade

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A adoção de Aline demorou um ano

No início de julho, Ana e e Júlio tivera notícias de Aline. Nesse tempo, o filho mais novo do casal, Pedro, também nasceu.

Ana conta que o encontro das gêmeas foi um momento de muito amor e emoção.

O encontro delas foi a cena mais linda. Aline estava um pouco assustada, mas Alice é muito amorosa. Abraçou e acariciou a irmã. Tem pouco tempo que eles estão juntos, mas, Aline e Alice são muito amorosas com Pedro que elas chamam de neném. Eles estão se conhecendo e assumindo o papel de irmãos”, comentou Ana.

Gêmeas separadas há dois anos se reencontram após serem adotadas por um casal na BA 2
Reprodução: Acorda Cidade

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Família conta com ajuda de amigos, familiares e doações pela internet

Para que Ana e Júlio consigam manter os três filhos, eles contam com uma super rede de apoio.

Os familiares e amigos contribuem com valores financeiros, roupas e mantimentos para as crianças.

Ana está de licença maternidade e Júlio, infelizmente, perdeu o emprego no início da pandemia. Ele faz alguns trabalhos informais, mas ainda não é suficiente para manter a família.

Os amigos do HEC também têm ajudado muito essa família linda. Eles iniciaram uma campanha solidária e uma vaquinha virtual que vem recolhendo valores para Ana, Júlio, Pedro, Aline e Alice.

Costumo dizer que tudo que vier de doações para elas será muito bem-vindo. Estamos organizando as coisas de Aline do zero. Ela tinha poucas coisinhas no abrigo e deixamos lá porque poderia servir para outra criança”, diz Ana.

Ana conta que mesmo com todas as dificuldades, ela não tem dúvidas que se sente realizada como mãe. Ela diz que está muito feliz com os três filhos e tem muito orgulho da família.

Se você quiser e puder ajudar a família de Ana, veja os dados para depósito!

Gêmeas separadas há dois anos se reencontram após serem adotadas por um casal na BA 3

em>Veja também:

 

FONTE: Acorda Cidade

Quer ver a sua pauta no Razões? Clique aqui e seja um colaborador do maior site de boas notícias do Brasil.

CanaisPatrocínios
Marcas que nos apoiam

MARCAS QUE NOS APOIAM



Quer receber boas notícias todas as manhãs?

1,102,320FãsCurtir
3,130,150SeguidoresSeguir
25,464SeguidoresSeguir
11,200InscritosInscrever

+ Lidas

Marca de bijouteria utiliza cabos descartados

Aliando seu talento com criação de jóias e a vontade de fazer algo contra o desperdício de materiais, Billie Van Nieuwenhuyzen, de Ghent, na...

Quem foi que disse que velhice é doença?

A psicóloga de idosos Raquel Ribeiro (CRP 06/73384), 35 anos, é uma voz ativa no enfrentamento dessa visão negativa da velhice. Ela acredita que os idosos têm totais condições de serem pessoas ativas: a palavra-chave é “adaptação”. O aumento da dependência e dos casos de depressão são alguns dos efeitos mais devastadores quando se associa a velhice à fragilidade.

Pedido de casamento no meio do show de Marcelo Jeneci

Já postamos aqui no site falando sobre o clipe colaborativo que o Marcelo Jeneci fez por conta da música Pra Sonhar, se não lembram...

Obstetra confecciona à mão mantas para cobrir os bebês que ele traz ao mundo

O médico obstetra Erik Bostrom, 33 anos, não tinha experiência alguma com costura ou mesmo uma costureira na família que pudesse lhe ajudar com...

Aos 9 anos, brasileira entra para sociedade de pessoas mais inteligentes do mundo

A Sociedade Mensa, nos Estados Unidos, é a mais antiga e respeitada sociedade e pessoas com nível elevado de Q.I. (Quociente de Inteligência). Agora,...

Instagram

Gêmeas separadas há dois anos se reencontram após serem adotadas por um casal na BA 4